Comunidade italiana comemora o Dia Municipal da Bocha

Comunidade italiana comemora o Dia Municipal da Bocha

Ninguém joga “o bocha como o pessoal da Sociedade Desportiva e Recreativa 25 de Maio, a mais tradicional das associações de descendentes de italianos dedicada ao esporte em Curitiba. 

Na próxima quarta-feira (25), a sociedade com sede no bairro do Água Verde, abre as portas para uma celebração do tradicional esporte italiano: no dia municipal da Bocha, o clube comemora seus 70 anos de existência com a abertura oficial do 1º Torneio Misto Interclubes de Bocha. O campeonato vai reunir duplas mistas (feminino e masculino) de diversos clubes de Curitiba que mantêm a prática do bocha para seus associados. 

Para completar a festa, a solenidade também é o primeiro evento da programação Mia Cara 2022, o festival da cultura italiana, promovido pelo Consulado Geral da Itália em Curitiba, cuja 10ª edição ocorre entre os dias 02 e 11 de setembro em na capital paranaense e outras quatro cidades do Paraná e Santa Catarina (leia mais abaixo). As disputas do torneio iniciam no dia 31 de maio. 

Bocha Clássico 

Dizer que ninguém joga “o bocha” como os oriundi de Curitiba não é força de expressão. Nas quadras da “Sociedade 25” e dos demais clubes e associações da cidade foi desenvolvida uma nova modalidade do esporte batizada de “bocha clássico”. 

Nessa variedade do jogo, as bolas são roladas no piso das quadras ao contrário do “bocha atirada” que é a modalidade mais comum do jogo em que as bolas são arremessadas para o alto. 

Segundo o atleta Izonilton Zanetti, no bocha clássico, as bolas têm entre 2,5 kg (podendo chegar até a 3 kg) peso distribuído de forma a permitir “jogadas de efeito com as bolas que fazem curvas para ultrapassar as esferas dos oponentes. No bocha clássico, as alternativas são muito maiores”, disse. 

Historiador informal do jogo, Izonilton conta que há estudos que provam que um jogo muito parecido com o bocha já era praticado há pelo menos 4 mil anos antes da era comum. “No princípio era jogado com pedras, mas tem evoluído e se espalhado pelo mundo desde então”, disse. 


O Bocha une gerações e gêneros 

O bocha chegou ao Brasil nos mesmos navios que trouxeram – entre os anos de 1880 e 1930 – os milhares de imigrantes italianos que se estabeleceram na região de Curitiba. As bolinhas estavam na bagagem das famílias Baggio, Zanetti, Tedesco, Merlin, Pazello, Bolisenha, Ricetti, Fressatos e Dorigos que fundaram a Sociedade 25 de Maio em 1952. 

“Antes era muito comum que nas chácaras, como a do meu avô, ou mesmo no fundo dos botecos dos bairros com presença italiana tivesse uma cancha de areia para o pessoal jogar nos fins de semana”, explica Rodrigo Zanetti, atual diretor de bocha da Sociedade 25 de Maio.  

Para Rodrigo, manter a tradição e passá-la para as novas gerações é uma maneira de respeitar o legado dos antepassados. “Meu bisavô era jogador e agora meu filho de 13 anos está começando a jogar, ainda que não seja fácil para o iniciante jogar com o pessoal mais velho que é mais exigente, mas sabendo chegar com jeitinho dá pra ir aprendendo”. 

Além de unir as diferentes gerações de jogadores, a bocha também tem integrado os gêneros e o esporte que costuma ser praticado predominantemente pelos homens começa a se render à presença feminina. “Antes fazíamos as competições só de mulheres e agora veio essa ideia do misto. Achei muito legal para mostrar que precisamos acabar com esse tabu. Todos têm o direito de jogar, a capacidade de aprender. Vai ser maravilhoso, um sucesso”, anima-se Magda Celly Pinheiro da Silva Bolisenha, diretora de Bocha Feminina da Sociedade 25 de Maio.

Para Magda, o jogo da Bocha é um esporte que requer bastante concentração, conhecimento da força, da maneira que vai jogar a bola, direção. “A bocha é um jogo inteligente. Estamos tentando aqui na 25 trazer as mulheres para aprender, praticar e tirar todo o proveito que esse esporte pode trazer, tanto física quanto psicologicamente”, disse.

Dez anos de Mia Cara

Com o mote “Salute a Tutti” (saúde para todos), a décima edição do Mia Cara 2022 retorna com eventos presenciais, de 02 a 11 de setembro, nas cidades de Curitiba, Florianópolis, Criciúma, Jaraguá do Sul e Colombo (PR). Durante dez dias, o festival oferece uma rica programação cultural com festivais de cinema, teatro, danças folclóricas, apresentações musicais, exposições, ações de gastronomia, turismo e esportes.

Realização, apoios e patrocínios

Com patrocínio da Havan, Santa Maria Papel e Celulose, Celepar e Sanepar. A realização do evento é feita pelo Consulado Geral da Itália em Curitiba e pela ONG Unicultura por meio da Lei Federal de Incentivo a Cultura com apoio da ENIT, ITALOCAM – Câmara Ítalo Brasileira de Comércio e Indústria do Paraná, Sociedade Garibaldi, Sistema SESC Fecomércio Paço da Liberdade, Museu Oscar Niemeyer, Solar do Rosário, Comites Paraná e Santa Catarina, UFPR, Shopping Itália, Centro Cultural Dante Alighieri Curitiba, Prefeitura Municipal de Curitiba, Fundação Cultural de Curitiba, Instituto Curitiba de Arte e Cultura – Icac, e Cine Passeio.

SERVIÇO 

1º Torneio Misto Interclubes de Bocha – MIA CARA 2022
Solenidade: Dia 25 de maio (Dia Municipal da Bocha), às 19h30.
Torneio: terça-feira, 31 de maio às 19h
Local: Sociedade Desportiva e Recreativa 25 de Maio,
Endereço: Rua Marquês do Paraná, 700, Água Verde, Curitiba)

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui