Saúde mental no trabalho: consultor de carreira dá dicas para manter a produtividade em dia e afastar o estresse e ansiedade

É fato que a pandemia da COVID-19 impulsionou o desenvolvimento tecnológico das empresas e o mercado de trabalho teve que se adaptar. A correria desenfreada por se adaptar ao novo normal acarretou problemas, tanto físicos como mentais, para os profissionais. Uma pesquisa do LinkedIn apontou que 62% das pessoas estão mais ansiosas e estressadas com o trabalho do que estavam antes da introdução das atividades remotas. Ainda, 72% dos jovens profissionais sentem que a pandemia prejudicou o aprendizado de habilidades comportamentais, como a comunicação e a inteligência emocional.

Com a volta da quase normalidade, os profissionais estão novamente se adaptando a um novo dia a dia de trabalho. Independente do home office ou trabalho presencial, é importante estar atento à saúde mental e física. O consultor de carreira da ESIC Internacional, Alexandre Weiler, dá dicas para cuidar da mente e aumentar a produtividade no trabalho:

1-         Mexa-se! O corpo precisa de movimento. Seja em casa ou no escritório, é preciso ter pequenas pausas durante o dia. Levante da cadeira, faça uma caminhada, estique o corpo e mude o foco por alguns minutos. Isso ajuda na produtividade e também na saúde mental;

2-         Se relacione! Ligue para seu líder, faça chamadas de vídeo com a câmera ligada, para que a interação seja mais profunda. Converse com seus colegas de trabalho, faça parte de grupos com os mesmos interesses. O aumento da interação social colabora para o aprendizado das soft skills, além de trazer mais conhecimento e satisfação no dia a dia;

3-         Estabeleça limites! Tenha um horário de trabalho. Não faz mal trabalhar até tarde alguns dias, mas quando isso vira rotina, começa a influenciar na sua vida pessoal. Para quem está no home office, separe o tempo para a alimentação, prática de exercícios físicos e dedicação para seus hobbies e interação com a família. E não vale responder mensagens do trabalho em qualquer hora: dedique-se aos seus afazeres por inteiro, um de cada vez;

4-         Pontue o que não vai bem! Faça uma lista do que poderia melhorar para que sua satisfação no trabalho seja melhor e converse com seu líder. Exponha sua situação real e encontre formas de adequar o dia a dia a sua realidade. Hoje as empresas estão cada vez mais se adaptando aos colaboradores, o que antes era o inverso. Explique o que atrapalha a sua produtividade e encontre meios para torná-la cada vez mais forte;

5-         Procure ajuda profissional! Ansiedade e depressão são cada vez mais comuns no ambiente de trabalho e impactam diretamente na produtividade. Se não sente vontade de trabalhar, com desânimo e falta de energia, procure ajuda profissional. Resolva as questões internamente e, caso a empresa seja o foco desses sentimentos, avalie procurar um novo emprego;

6- Seja resiliente! Faça as pazes com aquilo que você não consegue mudar e transformar. Foque em atitudes assertivas, se adapte a realidade e aprenda com essas situações. Confie em si mesmo e encontre formas de liberar o estresse e a tensão;

7 – Desenvolva sua inteligência emocional!

Você não controla as situações do dia a dia, mas com certeza pode controlar o que você faz com os sentimentos que afloram a partir daí. Domine suas emoções, aumente sua autoconfiança e desenvolva a empatia. O gerenciamento das emoções começa quando identificamos quais são elas, e como nos sentimentos a partir de cada uma.

Weiler lembra que a saúde mental está diretamente relacionada com a produtividade e satisfação no trabalho. “Não adianta reclamar para os outros colegas, sem que isso chegue aos líderes da empresa. Se você precisa de mudanças, converse com quem pode realmente ajudar a encontrar as soluções”, afirma. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) evidenciam que os transtornos mais comuns no Brasil são a ansiedade e a depressão, que afligem 20 milhões e 12 milhões de pessoas, respectivamente. Além disso, o país é considerado a nação mais ansiosa do mundo e a quinta mais depressiva.

O consultor lembra que hoje é possível encontrar vagas de emprego que oferecem salário emocional elevado. “Hoje o cargo e a remuneração não são mais fatores decisivos na busca por uma colocação no mercado de trabalho. Procure empresas que ofereçam oportunidade de crescimento, qualidade de vida e atrativos para um dia a dia mais prazeroso e leve”, finaliza

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui