60% dos hospitais fiscalizados pelo Crea-PR na regional Curitiba apresentaram irregularidades

80% das irregularidades estão relacionadas à falta de ART de manutenção de equipamentos

saúde
Image by Parentingupstream from Pixabay

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR) concluiu a meta de fiscalizar 101 hospitais em Curitiba, região metropolitana e litoral. Só em Curitiba, foram 59 hospitais fiscalizados.

Durante as visitas técnicas, foi verificada se havia a presença de responsáveis pelas instalações e manutenções de equipamentos e de estruturas hospitalares. No total, 28 hospitais de Curitiba apresentaram irregularidades. No total da regional, foram registradas 187 irregularidades – 81 em hospitais de Curitiba.

A ocorrência mais frequente foi a falta de Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) de manutenção. “A manutenção preventiva deve ser realizada periodicamente e como atividade técnica de engenharia, o registro de ART é obrigatório. Nas irregularidades, identificamos que na maioria dos casos a manutenção foi realizada, porém sem a emissão de ART que vincula a responsabilidade técnica ao profissional”, explica Eduardo Ramires, gerente da regional Curitiba do Crea-PR.

Nos casos em que se observou a falta de manutenção dos equipamentos no período determinado por normas específicas, foi feita a orientação da necessidade de regularização – tanto da efetivação da manutenção, quanto da necessidade de registro de ART.A ART é o instrumento que define quem foi o profissional responsável técnico por aquela manutenção, e o responsabiliza pela qualidade do serviço prestado.

O bom funcionamento dos hospitais tem forte relação com as atividades das engenharias.

A instalação e manutenção dos equipamentos requer conhecimentos técnicos específicos para seu perfeito funcionamento, e os profissionais da engenharia são as pessoas que detêm esse conhecimento e, sobretudo, a habilitação prevista em lei para aplicá-lo.

Além dos equipamentos específicos de uso hospitalar, foram verificados também os serviços relativos aos equipamentos complementares de funcionamento dos hospitais, tais como sistemas de ar condicionado, elevadores, caldeiras, redes de combate a incêndio, centrais de gás, geradores, transformadores, quadros e cabines de energia, plano de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde, desinsetização, obras de reestruturação, construção e reforma, entre outros.

Essas atividades, além do aspecto técnico envolvido, devem seguir normas e legislação específicas, necessitando assim da competência e conhecimento dos bons profissionais da engenharia em suas diversas modalidades.

O Paraná possui atualmente 433 hospitais. A meta da autarquia é fiscalizar 50% do total, até o final de junho.

@creapr.org.br

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui