Cotação eletrônica ou BID: modelo de vendas é vantajoso para empresas que querem rentabilizar ativos industriais

A digitalização está cada vez mais presente no mundo dos negócios, inclusive em alguns setores que tinham um modelo de vendas mais tradicional. O online trouxe, por exemplo, uma transformação até pouco tempo inimaginável: a oportunidade de negociar equipamentos que estavam em desuso nos pátios de empresas e indústrias, ocupando espaço e interferindo no meio ambiente.

 

Essa revolução dá vida nova a produtos que ainda possuem alta liquidez, podendo agora ser vendidos, proporcionando capital de giro e tendo sua vida útil prolongada. A responsável por mexer com esse mercado e gerar impacto positivo tanto em quem vende quanto em quem compra é a startup paranaense SYX, que começou vendendo ativos industriais e sucata por ligações telefônicas e e-mail e hoje é uma plataforma tecnológica, com compradores e vendedores cadastrados em todo o Brasil. Esses compradores podem adquirir ativos de alto valor agregado ofertados por indústrias antes inacessíveis para a maioria dos participantes do processo.

 

Mas, há alguns anos, o processo e volume de vendas eram bem diferentes. “Antigamente, não tínhamos site. Entrávamos em contato via telefone e e-mail, e nem o WhatsApp ainda era difundido. Ligávamos informando o que existia em estoque e posteriormente enviávamos um e-mail contendo as imagens e descrição detalhada. Depois, os clientes compradores respondiam com os produtos de interesse e propostas. A grande diferença é que um comprador não teria como saber se o outro enviou uma oferta maior. Por isso, desde o início, nós o encorajávamos a enviar a melhor proposta”, lembra a COO da SYX, Regina Augusto Flandoli.

.

A mudança começou em 2017, quando o marketplace B2B, que na época se chamava Central de Materiais, passou a ter uma plataforma online. Logados ao sistema, todos os compradores protegidos por um nome aleatório gerado automaticamente, então davam suas ofertas e com isso tinham a oportunidade de propor também novos valores para arrematar o produto de interesse. Assim, o mesmo produto poderia receber várias ofertas de compradores do Brasil num único evento, aumentando a performance de preço e a disputa pelos produtos. Outra vantagem é que o processo tornou-se mais transparente e totalmente auditável.

 

No início de 2022, a SYX lançou sua nova plataforma e realiza semanalmente os chamados BIDs, também conhecidos como cotação eletrônica online, para empresas como Klabin, Votorantim Cimentos e CYMI, entre outras. Nos BIDs entram veículos, sucatas, máquinas e ferramentas, por exemplo, de áreas como infraestrutura, florestal, metal-mecânica e mineração. “Em 2021, transacionamos R$ 65 milhões e o planejado é dobrar o volume nos próximos quatro anos, chegando a mais de R$ 1 Bi em 2025”, comemora o CEO da SYX, Marcio Léo Danielewicz.

 

Todo esse crescimento se deu não só pela digitalização, mas também porque a empresa surgiu para atender uma demanda reprimida que existia no mercado. “Comercializar itens industriais de reuso a um valor justo para ambas as partes era muito difícil. Tanto por não ser a expertise da empresa que precisava vender estes ativos, quanto pelo fato de o potencial comprador poder estar em qualquer região do país e até do mundo. Nossa equipe e plataforma conseguem chegar aos compradores qualificados”, conta o CTO da SYX, William Domingues.

 

Outro grande benefício está na transparência e rastreabilidade da negociação. Para fazer uma oferta em um produto anunciado, o cliente comprador precisa preencher critérios, muitas vezes específicos de cada empresa, como licenças ambientais. “Caso a empresa vendedora passe por uma auditoria e tenha que comprovar a destinação de qualquer mercadoria comercializada através da nossa plataforma, terá tudo acessível em nosso ambiente online, sem necessidade de pedir a algum canal terceiro”, explica Domingues. Além disso, a SYX se responsabiliza por prestar toda a assessoria necessária do início ao pós-venda, desde agendamento de visitas e entregas até outro tipo de suporte necessário.

 

Para o cliente comprador também são inúmeras as vantagens. Os produtos comercializados na plataforma possuem alto valor agregado. Sejam resíduos, sucatas ou equipamentos industriais. “No nosso site, eles têm a oportunidade de adquirir estes ativos por um custo menor do que teriam com um produto novo. Estamos falando na modernização de equipamentos de produção, que proporcionam maior agilidade e produtividade ao pequeno empreendedor, aquisição de sucatas e resíduos que se tornam matéria-prima novamente na indústria e assim por diante. Tudo em escala nacional, de forma segura, documentada e transparente”, afirma o CCO da SYX, Robson Moura.

 

Após o encerramento do BID, a retirada do produto é por conta do comprador. Na maioria das vendas o pagamento é feito à vista. Com algumas exceções pode ser parcelado, a critério do cliente vendedor. Se a mercadoria for parcelada, só poderá ser retirada após pagar a última parcela, o que anula a possibilidade de fraudes.

 

Todo esse processo promove uma concorrência saudável e em tempo real, que leva a venda ao maior preço justo ofertado. Mas, para que os resultados sejam ainda melhores, por trás da plataforma, há uma equipe essencial de colaboradores. “Nós visitamos pessoalmente os lotes, muitas vezes ajudamos a avaliar e precificar os produtos, entramos em contato com possíveis compradores, fazemos campanhas de marketing para ajudar a divulgar e trazer mais potenciais compradores, além de trabalhar ativamente a nossa marca para que nos vejam como um meio seguro de negociação”, complementa Regina.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui