Festas juninas e julinas exigem cuidados para evitar queimaduras

Fogueiras, fogos de artifício e até mesmo os balões, que são proibidos pela legislação, são os principais causadores de queimaduras graves nesta época do ano

Festas juninas e julinas exigem cuidados para evitar queimadurasOs meses de junho e julho movimentam as festividades por todo o país. As festas juninas e julinas, com toda a sua alegria no inverno brasileiro, também incentivam muitos a se aventurar a fazer fogueiras. Segundo a Sociedade Brasileira de Queimaduras, os líquidos inflamáveis, como o álcool, representam cerca de 20% de todas as queimaduras no Brasil. Por isso, para não transformar os momentos de alegria em situações dolorosas, Diogo Romariz Peixoto, médico responsável pelo Centro de Tratamento de Queimaduras do Pilar Hospital em Curitiba (PR) alerta que é preciso ter muito cuidado com as fogueiras e jamais realimentar o fogo com álcool, pois a garrafa pode explodir. “O mesmo se aplica a outras atividades que utilizam chamas como churrasqueiras e até mesmo em acampamentos e luais”, diz.

Conforme o especialista, em caso de acidente leve, a primeira orientação é colocar a área atingida em água corrente para aliviar a dor. “Água corrente até o atendimento médico alivia a dor e reduz a temperatura do local acometido cessando o processo da queimadura possibilitando reduzir a extensão e gravidade das lesões, mas em hipótese alguma utilizem pomadas ou qualquer outra substância sem orientação médica e procure imediatamente atendimento especializado”, orienta Peixoto.

Durante as festas desta época do ano, muita gente ainda encara o desafio de pular a fogueira”. “Brincadeiras tradicionais como desafios e competições de pular ou andar sobre as brasas podem causar acidentes e danos graves. O índice de acidentes é elevado, então, o melhor é aproveitar as festas sem colocar a segurança e a saúde em risco”, comenta o médico.

Outra recomendação é redobrar cuidados ao soltar foguetes, não usar fogos de artifício em ambientes fechados e não os apontar para pessoas ou janelas. “Importante também nunca transportar estes artefatos nos bolsos, pois se eles forem acionados certamente o acidente será bastante grave. O perigo dos fogos de artifício é indiscutível, além de queimaduras graves podem causar mutilação, cegueira e a até a morte, por isso, é preciso muita atenção e cautela ao manusear esses materiais”, avalia.

Os balões podem ser apaixonantes, mas além de perigosos para a saúde humana e ambiental, soltar, vender, fabricar e transportar balões é crime, previsto na Lei de Crimes Ambientais, então, ao saber de alguém com balões as autoridades devem ser acionadas. “Soltar balões é uma atitude imprudente, que não só coloca em risco a vida e saúde humanas, mas o meio ambiente, o patrimônio, enfim, a sociedade. Precisamos alertar sempre para os grandes riscos que envolvem essa atividade”, completa o especialista.

Tratamento das lesões

Em caso de queimaduras, Peixoto explica que o primeiro passo é fazer a avaliação das lesões. Isso é fundamental para orientar as condutas a serem tomadas. “Nossa principal intenção é com a manutenção da vida. Assim, após os primeiros atendimentos relacionados à sobrevivência do paciente, começamos a etapa de examinar atentamente a área afetada, a profundidade das lesões, o agente causador das queimaduras e quais áreas corporais foram atingidas. Após, é possível estabelecer um tratamento no hospital ou em ambulatório com visitas frequentes, a depender das condições do paciente”, comenta o especialista.

Peixoto ressalta, ainda, que a tecnologia tem ajudado muito no tratamento de vítimas. “No Pilar Hospital, por exemplo, dispomos de diferentes modelos de câmara hiperbárica (multipaciente e monopaciente), que otimizam a cicatrização, auxiliam no combate às infecções e aceleram a plena recuperação dos pacientes. Além disso, o novo Centro de Tratamento de Queimados, implementado neste ano, está completamente integrado com área de Terapia Intensiva, além de contar com o atendimento de uma equipe multidisciplinar com cerca de 30 profissionais que atuam para a recuperação desses casos”, relata.

Há alguns anos que o Pilar Hospital já se dedica ao tratamento de lesões complexas com curativos especiais, algumas causadas por queimaduras. Desde janeiro deste ano, os pacientes (particulares e de planos de saúde) podem ser atendidos no Centro de Tratamento de Queimados do hospital, tanto casos leves quanto complexos, resultantes de queimaduras térmicas, químicas e elétricas, por exemplo.

“O nosso protocolo de tratamento foi ampliado para permitir atendimento completo. Muitos casos de queimaduras exigem longos períodos de internação e tratamento. Com acesso às câmaras hiperbáricas, principalmente com a chegada da versão monopaciente, na qual o paciente pode ficar sozinho e isolado, diminuímos as chances de infecção e sequelas. Aliado ao acesso a todos os tipos de curativos, oferecemos o que há de mais atual em termos de tecnologia, hotelaria adaptada e especializada, possibilitando maior conforto para aqueles que enfrentam o tratamento. Buscamos, além de um atendimento de qualidade, diminuir o uso de antibióticos e possibilitar a recuperação completa no menor tempo possível, de acordo com cada quadro”, ressalta Dr. Diogo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui