Perda de peso é apontada como nova prioridade no tratamento do Diabetes Tipo 2 por Sociedades Internacionais

A proposta também deverá chegar ao Brasil, que comemora no dia 26 de junho o Dia Nacional do Diabetes.

Perda de peso é apontada como nova prioridade no tratamento do Diabetes Tipo 2 por Sociedades Internacionais
Imagem: ShutterStock

A perda de peso está sendo apontada mundialmente como um dos principais passos para evitar a progressão do Diabetes Tipo 2 e garantir o controle da glicemia. A informação começou a ser divulgada no início do mês de junho, durante o 82nd Scientific Sessions of the American Diabetes Association, realizado no Estados Unidos, onde as Sociedades Americana e Europeia de Diabetes propuseram um novo algoritmo, orientado que o tratamento da obesidade é o passo inicial para o tratamento do diabetes tipo 2 e, consequentemente, para reduzir os índices glicêmicos.

Um novo algoritmo significa rever as diretrizes que irão guiar o tratamento de uma doença, principalmente de doenças crônicas como diabetes tipo 2. Os algoritmos – publicados anualmente pela Sociedade Americana de Diabetes – regulam desde o tratamento nos consultórios e chegam até a revisão de políticas públicas para o tratamento do diabetes tipo 2 no país. Isso inclui o passo a passo dos cuidados, como será a infraestrutura e a ordem de condutas, sejam elas clínicas ou cirúrgicas.

A proposta também deverá chegar ao Brasil, que comemora no dia 26 de junho o Dia Nacional do Diabetes.

“As novas diretrizes são revistas e publicadas anualmente pela Sociedade Americana e, com toda certeza, servirão como ponto chave para a publicação das novas diretrizes brasileiras em breve”, explica o médico endocrinologista André Vianna, que também é coordenador do departamento de educação da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD).

Segundo ele, sempre se soube que a obesidade era o fator fundamental, bem como a tarefa mais desafiadora para uma pessoa com diabetes tipo 2. “No entanto, apenas agora está sendo colocado este fator em primeiro lugar”, destacou o endocrinologista.

Embasamento científico – A mudança proposta pelas Sociedades Americanas e Européia de Diabetes, utilizaram como base um estudo científico, publicado em setembro de 2021, na revista The Lancet, importante periódico internacional, demonstrou que naqueles pacientes portadores de diabetes associados à obesidade, a perda de peso é o primeiro passo para controle da glicemia e para evitar a progressão da doença e de suas complicações, como a insuficiência renal e eventos cardiovasculares, como infarto do miocárdio e AVC (acidente vascular cerebral). Os novos agentes farmacológicos, apesar de ainda com estudos com curto tempo de seguimento, têm resultados excelentes em relação à perda de peso e controle da glicemia. Porém, como acontece com qualquer tratamento médico, existem pacientes que não têm a resposta esperada ao tratamento medicamentoso. Assim, para aqueles onde o melhor tratamento não consegue o objetivo, a cirurgia metabólica aparece com destaque no novo algoritmo proposto.

O artigo do The Lancet contou com a participação do Dr. Ricardo Cohen, Coordenador do Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, além de pesquisadores dos EUA, Austrália e Irlanda. “Esta é a primeira vez que a perda de peso é mencionada como passo inicial no tratamento do diabetes tipo 2 para que depois haja redução na glicemia, ou seja, o emagrecimento foi apontado como a principal ferramenta para interromper a evolução da doença a longo prazo”, afirma o Dr. Ricardo Cohen, coordenador do Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz e um dos autores da publicação.

Dados – Recentemente, a Federação Internacional de Diabetes (IFD, na sigla em inglês) publicou a 10ª edição do Atlas do Diabetes. Os dados mostram o crescimento da doença e colocam o Brasil no ranking entre os países em que há maior prevalência e despesas com tratamento.

Neste ano, o custo estimado do diabetes no Brasil é de 42,9 bilhões de dólares, ficando atrás apenas da China e Estados Unidos, com US$ 165,3 bi e US$ 379,5 bi, respectivamente. Segundo o relatório, o Brasil é o sexto país do mundo com o maior número de pacientes com diabetes. São cerca de 15,7 milhões de pessoas convivendo com a doença. Até 2045, a estimativa é que tenhamos no país cerca de 23,2 milhões de pacientes. Por ser uma doença que não apresenta sintomas em sua fase inicial, o diabetes é difícil de ser diagnosticado. A nova edição do Atlas estima que só no Brasil cerca de 5 milhões de pessoas não saibam que estão com diabetes.

Sobrepeso e obesidade são fatores de risco

Estima-se que 90% dos casos de diabetes no mundo sejam do Tipo 2. Apesar da genética ter uma forte influência no desenvolvimento da doença, o sobrepeso e a obesidade são os principais motivos do crescimento deste tipo de diabetes no mundo. O tratamento para o Diabetes tipo 2 inclui tratamento clínico, mudanças no estilo de vida, prática de exercícios físicos e a introdução de uma dieta adequada. Pacientes com IMC acima de 30 que não estão obtendo resultados com mudanças no estilo de vida e medicamentos podem ter indicação para a cirurgia metabólica.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui