Pesquisa revela que Parque Nacional do Iguaçu abriga 89 espécies de esperança e reforça importância de proteger a área

Pesquisa revela que Parque Nacional do Iguaçu abriga 89 espécies de esperança e reforça importância de proteger a área, um dos mais significativos remanescentes de Mata Atlântica

esperança
Scaphura nigra mimetiza espécies de vespas na morfologia, coloração e comportamento

Conhecido pelas majestosas Cataratas do Iguaçu, o Parque Nacional do Iguaçu guarda outros tesouros em seus 1.850 km². Um desses tesouros foi revelado em um artigo publicado recentemente na revista internacional Zootaxa. O Parque é, atualmente, a unidade de preservação brasileira detentora do maior número de espécies do inseto conhecido como esperança (família Tettigoniidae). São 89 espécies em 5 subfamílias. O artigo é resultado da pesquisa realizada pelo biólogo Marcos Fianco, mestre em Biodiversidade Neotropical pela Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA), e reforça a importância da preservação do Parque Nacional do Iguaçu, um dos poucos locais de conservação de Mata Atlântica.

esperança
Indivíduos do gênero Typophyllum podem parecer folhas secas e deterioradas… (1) …ou podem ser encontrados na coloração verde, se camuflando com folhas em meio à mata.

Em sua pesquisa de mestrado, Marcos Fianco fez um inventário de todas as espécies de esperanças que habitam o Parque e registrou o canto de 34 delas. Dos 89 tipos de esperanças encontrados, pelo menos oito são novos para a ciência. Além disso, o som de 29 espécies até então desconhecidas foi gravado pela primeira vez. O estudo revelou que o Paraná é o segundo estado com o maior número de espécies de esperanças conhecidas, com 94. Antes da pesquisa, a ciência apenas reconhecia a existência de 19 espécies no estado. “Durante a pesquisa, várias espécies foram encontradas pela primeira vez no estado e na Região Sul do Brasil, sendo que alguns registros são inéditos mesmo para o país”, salientou Fianco, que atualmente é doutorando em Entomologia na UFPR. O artigo tem como coautores os professores Neucir Szinwelski (Unioeste) e Luiz Roberto Ribeiro Faria Júnior (UNILA), que também foram orientadores de Fianco durante o mestrado na UNILA.

Algumas esperanças encontradas no Parque Nacional do Iguaçu chamam mais a atenção. “Temos muitas espécies que mimetizam folhas, mas a de um dos gêneros, Typophyllum, possui uma camuflagem fantástica. Nesse gênero existem indivíduos marrons, parecendo folhas secas e deterioradas, e indivíduos verdes, se camuflando com folhas verdes”, conta Marcos. O biólogo explicou que essa camuflagem é uma estratégia de proteção. “O predador não vê a esperança e assim não come ela, simplesmente por não conseguir diferenciá-la do meio em que ela está, que são folhas secas ou verdes”, complementou.

Embora o mais comum seja que as esperanças se pareçam com folhas, algumas imitam outros insetos. A Scaphura nigra, por exemplo, mimetiza espécies de vespas na morfologia, coloração e comportamento. “A esperança é um animal inofensivo e imita as características de um animal perigoso que possui ferrão como forma de proteção. Animais predadores tendem a não se alimentar por reconhecer, pela sua morfologia, coloração e comportamento, que essa esperança seria um inseto perigoso”, explicou.

A característica de camuflagem desses insetos, essencial para sua sobrevivência, faz com que a pesquisa de campo com esperanças seja bastante trabalhosa. Para conseguir fazer o inventário faunístico, Marcos Fianco passou quase 40 dias no Parque, entre 2017 e 2019, coletando esperanças. Depois, os insetos foram levados para os laboratórios da UNILA, onde o pesquisador fotografou, analisou a morfologia e gravou o canto das esperanças. “As características acústicas são importantíssimas na comunicação destes insetos. Nós, pesquisadores, podemos utilizar esses registros na área da Taxonomia para identificação e reconhecimento de espécies. Também usamos esses registros na área de Ecologia, podendo até serem utilizados em escalas maiores, como em estudo das mudanças climáticas, a exemplo do aquecimento global, sobre a dinâmica dos parâmetros acústicos e distribuição de espécies”, destacou.

Preservação é essencial para continuidade dos estudos

O artigo na Zootaxa foi publicado no mês de maio. Por coincidência, no mesmo mês, defensores do Projeto de Lei que pede a reabertura da Estrada do Colono (PL 61/2013) voltaram a fazer pressão para que o texto seja votado no Senado. Fechada em 2001, a Estrada era uma via de 17 quilômetros que ligava dois municípios do Paraná, atravessando uma área de mata dentro do Parque Nacional do Iguaçu. O Parque é considerado um dos poucos locais remanescentes de conservação da Mata Atlântica, que antes cobria mais de 1,3 milhão de km² e hoje está reduzida a apenas 7,3% desse total.

Se por um lado a estrada vai conectar cidades mais rapidamente, por outro ela vai alterar completamente áreas de mata fechada em processo de regeneração. Para os coautores da pesquisa, os professores Luiz Roberto Faria Júnior e Neucir Szinwelski, isso pode trazer sérios impactos para a biodiversidade do parque. “Estradas isolam os dois lados antes conectados. Algumas espécies podem não mais cruzar de um lado para outro e esse isolamento com certeza vai afetar vários grupos de animais. Falando especificamente de insetos, temos diversas espécies, inclusive de esperanças que não têm capacidade de voo. No Parque temos 9 espécies de esperanças que não voam, 3 delas descritas como novas recentemente, e podemos nos perguntar quantas outras não existem e serão afetadas pela estrada”, questiona o professor Luiz Roberto Faria Júnior.

Os docentes dizem ainda que a reabertura da estrada também poderá afetar potenciais pesquisas científicas que podem ser desenvolvidas no Parque. “Ainda não sabemos o quanto as esperanças contribuem para outros serviços ecossistêmicos. Recentemente, grilos foram adicionados como dispersores de sementes, será que não teríamos esperanças com esse papel também? Afinal, existem muitas espécies que habitam a copa das árvores. Questões como essas sempre estão em nosso cotidiano e só poderão ser respondidas com a preservação do pouco que ainda nos resta de floresta nativa”, disse Neucir Szinwelski.

Pesquisas sobre esperanças são base para estudos de diversas áreas do conhecimento

esperança
Marcos Fianco continua as pesquisas sobre esperanças no doutorado na UFPR

Marcos Fianco concluiu o mestrado em Biodiversidade Neotropical na UNILA em 2019 e, atualmente, está no terceiro ano do doutorado em Entomologia na UFPR, onde continua as pesquisas sobre esperanças. No doutorado, ele está expandindo a linha de pesquisa e busca entender as relações entre os grupos de esperanças da América Latina com grupos de outras partes do mundo. “O objetivo é verificar se os grupos são naturais, isto é, se possuem um ancestral comum. Isso será realizado através de estudos moleculares, com material obtido das coletas do mestrado e do doutorado”, explicou. O biólogo já conseguiu extrair o DNA de todas as espécies de interesse. Agora, ele se prepara para fazer um intercâmbio na Europa, com o objetivo de estudar as espécies coletadas na América Latina no século XIX e início do século XX que estão depositadas em museus europeus.

Fianco explicou que estudos como esse podem servir de base para estudos em diversas áreas do conhecimento. Esperanças podem servir como modelos biológicos para entendimento da relação parasita-hospedeiro, tema que já está sendo pesquisado pela bióloga Hemanueli Preis no mestrado da UNILA, e também como indicadores de qualidade ambiental, padrões biogeográficos, estudos comportamentais e evolutivos. “Para termos uma ideia, existem pesquisas trabalhando com os mecanismos de audição das esperanças que podem ser úteis para o entendimento, inclusive, da audição humana. Temos até mesmo microfones projetados seguindo os mecanismos de percepção de som das esperanças. Porém, para isso, é necessário que as espécies estudadas tenham sido identificadas e descritas, que o som delas tenha sido investigado, e isso depende, inicial e majoritariamente, de inventários de fauna e do trabalho de taxonomistas”, conclui.

@unila.edu.br

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui