Casos de rejeição e bullying são as principais motivações de um atirador ativo

Os episódios envolvendo atiradores ativos, relativamente comum nos Estados Unidos, antigamente eram vistos como algo distante da realidade brasileira. Mas infelizmente esses casos também têm registros no país e estão se tornando mais frequentes. O mais recente ocorreu em Saudade, no oeste catarinense, em maio do ano passado, onde cinco pessoas foram mortas numa creche.

O FBI (a polícia federal americana) define atirador ativo como um indivíduo altamente empenhado em matar ou tentar matar pessoas em uma área populosa, onde as vítimas são escolhidas aleatoriamente. 

Marcelo Bini, investigador federal dos Estados Unidos e paramédico de guerra do Exército americano, lembra que diante de casos como esse e de tantos outros que se tem relato, é importante que os órgãos de segurança pública e a população no geral estejam preparados para agir em situações de violência extrema.

Os policiais precisam enfrentar os atiradores, neutralizá-los e ao mesmo tempo socorrer as vítimas. Mas é importante que o serviço médico e a população também saibam responder a esse tipo de situação. O tempo de resposta é de suma importância no combate ao atirador ativo”, explicou Marcelo.

Entre os dias 05 a 07 de agosto será realizado o Fórum Nacional de Atendimento Pré-Hospitalar (APH) em Combate, em Vitória (ES). O evento contará com palestras de variados temas, e um deles será sobre “Atirador Ativo”. O Fórum será realizado na Faculdade de Direito de Vitória, e as inscrições podem ser feitas através do link: https://bit.ly/39rkT4Z .

Motivações de um atirador ativo

Marcelo conta que os estudos mais recentes do FBI tentam entender as causas que levam uma pessoa a praticar esse tipo de crime. 

Estamos estudando, ao longo dos anos, o que leva pessoas aparentemente normais a entrarem numa escola, hospital ou igreja, por exemplo, e causar um ato de terrorismo. Há vários motivos, mas os principais são a rejeição e o bullying. Se observarmos os episódios ao longo dos anos, inclusive no Brasil – Suzano (2019) e Realengo (2011), por exemplo -, vemos que a história de vida desses atiradores não envolve um passado criminoso”, comenta o investigador.

O uso de armas, que antes era visto como a principal ferramenta para esses tipos de ataque, já não pode ser considerada a principal ferramenta.

“Sabemos que o fato de ter acesso a armas de fogo ou não não faz muita diferença. Quem quiser causar danos, causará. Um exemplo foi o ataque em Nice, na França, em 2016, onde um homem que dirigia um caminhão atropelou e matou 84 pessoas. Atiradores ativos, que querem causar o mal, não são pessoas racionais”, ressalta Marcelo.

Medidas preventivas

É praticamente impossível evitar os episódios de ataques de um atirador ativo, já que eles são rápidos e mortais. No entanto, é possível aumentar a segurança dos ambientes – escolas, shoppings, hospitais – e divulgar ações e palestras sobre bullying nas escolas para evitar os efeitos dessa prática.

E infelizmente, se estiver diante de casos como esse, a orientação se baseia em três pilares, conforme explicou Marcelo:

“Trabalhamos o Run, Hide and Fight, (corra, se esconda, lute). Num primeiro momento, é preciso correr para um local seguro. Se não conseguir correr, você tentará se esconder num lugar seguro e vai criar meios para impedir que aquela ameaça te atinja. Por último, e se não houver solução, você vai lutar para se manter vivo”, ressaltou.

Outro ponto importante é a parte do resgate, onde percebeu-se que quando as próprias vítimas prestam socorro para os demais, aumentam as chances de sobrevida, seja com a aplicação de torniquetes, controle de sangramento, entre outras ações.

“Por isso, nos treinamentos que ministramos, tentamos envolver a segurança pública, os serviços de saúde (médicos, paramédicos, enfermeiros), a imprensa e a população em geral. Também estamos focados na pós-ocorrência, oferecendo ajuda a esses profissionais que estão expostos a esse tipo de trauma, garantindo que eles sejam atendidos da melhor maneira possível”, concluiu Marcelo.

Casos no Brasil de atiradores ativos 

No Brasil, apesar de menos comuns que nos Estados Unidos, os casos de atiradores ativos infelizmente também têm registros. 

Os episódios de maior repercussão foram o Massacre de Suzano (SP) em 2019, onde dois atiradores (ex-alunos) entraram numa escola estadual e mataram dez pessoas, entre alunos e funcionários, e o Massacre de Realengo (RJ), em abril de 2011, onde um ex-aluno abriu fogo contra os estudantes de uma escola municipal, deixando 13 mortos.

Nos Estados Unidos, o caso mais emblemático foi o ataque na Columbine High School, em Columbine, estado do Colorado, onde dois alunos da escola mataram 13 colegas e deixaram mais de 20 pessoas feridas. 

O primeiro caso de atirador ativo registrado nos Estados Unidos foi o ataque a tiros ocorrido na Universidade do Texas, em agosto de 1966, onde um antigo major da Marinha e estudante dessa mesma universidade matou 14 pessoas e deixou 31 feridos.

Serviço:

Fórum Nacional de APH em Combate 

Data: 05, 06 e 07 de agosto de 2022

Programação: sexta, das 19h às 22h; sábado, das 9h às 21h; domingo, das 9h às 19h.

(workshops serão oferecidos no sábado e domingo)

Local: Auditório da Faculdade de Direito de Vitória (R. Juiz Alexandre Martins de Castro Filho, 215 – Santa Lúcia)

Inscrições: https://bit.ly/39rkT4Z 

Sobre Marcelo Bini

Marcelo Bini é paramédico de guerra do Exército dos Estados Unidos, ex-Policial do Texas, já serviu em conflitos com potencial uso de armas nucleares e atualmente é Investigador Federal dos EUA. Com uma experiência única em Combate e Medicina Tática, é embaixador e instrutor do programa Stop the Bleed, além de especialista técnico.

Marcelo nasceu nos Estados Unidos, mas aos dois anos veio para o Brasil. Ficou por aqui até os 27 anos e depois retornou ao país de origem. É casado e tem um filho.

Ainda neste ano, Marcelo vai lançar uma autobiografia contando histórias do Exército e das polícias, além de falar sobre o estresse pós-traumático, problema muito comum que afeta os veteranos de guerra nos Estados Unidos e os policiais no Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui