Centro de Tecnologia Klabin completa cinco anos de atuação

O espaço é resultado do investimento de mais de R$ 100 milhões e tem contribuído para o avanço da Companhia no desenvolvimento de soluções mais sustentáveis

Centro de Tecnologia Klabin

Com laboratórios capazes de produzir uma gama diversa de produtos de base florestal e realizar simulações das linhas de produção das fábricas, o Centro de Tecnologia Klabin (CTK), localizado em Telêmaco Borba, no Paraná, completa cinco anos de atuação em 2022. O espaço acumula uma jornada de excelência em inovação, com destaque para o desenvolvimento de soluções voltadas à produtividade e à redução de impactos ambientais. Inaugurado em 2017, o CTK tem a missão de aprimorar a qualidade de produtos, antecipando tendências e criando tecnologias e aplicações sustentáveis.

Com a inauguração do Centro de Tecnologia, a empresa passou a investir cada vez mais em soluções inovadoras e fortaleceu sua cultura em inovação. Na abertura do empreendimento, foi realizada a primeira Semana Inova Klabin, que reuniu clientes, fornecedores e parceiros em uma série de conversas sobre temas como inovação, tecnologia e tendências — o que fomentou a trocas de ideias internas que culminaram em diversas ações de continuidade à sua estratégia de inovação, como a construção em 2019 de um Parque de Plantas Piloto, na Unidade Monte Alegre, em Telêmaco Borba (PR). O local permite simular uma unidade fabril para realização de estudos e testes industriais em novas frentes de pesquisa, como a lignina e a celulose microfibrilada (MFC).

A construção do espaço integrou um plano de investimento de R$ 70 milhões em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P&D+I), aportados entre 2015 e 2017 — que incluiu a compra de equipamentos, formação e contratação de técnicos e pesquisadores, e atualização dos laboratórios de pesquisa florestal — e de R$ 32 milhões em 2019, no seu programa de pesquisa e desenvolvimento para a construção de um Parque de Plantas Piloto.

Francisco Razzolini, diretor de Tecnologia Industrial, Inovação, Sustentabilidade e Projetos da Klabin, explica que, nestes cinco anos de operação, o CTK elevou a qualidade do trabalho da Companhia em P&D, posicionando-a entre as mais inovadoras do setor. “A inovação é, sem dúvidas, o caminho para alcançarmos um futuro mais sustentável e produtivo. Nos últimos anos, conseguimos avançar significativamente no desenvolvimento de soluções e estreitamos parcerias com Universidades e Centros de Pesquisa, que nos permitiram otimizar ainda mais os nossos resultados. Trata-se de um trabalho conectado a todas as áreas de negócio da Companhia, que acompanha as demandas atuais de nossos clientes e sociedade”, explica o executivo.

Para isso, o trabalho de P&D do Centro de Tecnologia está estruturado em cinco rotas de pesquisa: desenvolvimento da base florestal; desenvolvimento de celulose; novas tecnologias de base florestal; linhas de papéis; e redução de impactos ambientais. Entre os principais projetos em andamento, destacam-se iniciativas como a melhoria crescente da produtividade das plantações e da qualidade da matéria-prima; o uso múltiplo de componentes da madeira, como a lignina e a celulose microfibrilada; a pesquisa de propriedades que contribuam para a melhor performance dos papéis produzidos pela Companhia; além do desenvolvimento de barreiras e biobarreiras, que associadas ao papel para embalagens, garantem a proteção adequada aos mais diversos produtos e ambientes.

Soluções inovadoras

Em 2020, no início da pandemia da Covid-19, pesquisadores do Centro de Tecnologia da Klabin, em parceria com o Instituto SENAI de Inovação em Biossintéticos e Fibras e a indústria de cosméticos Apoteka, desenvolveram uma formulação inédita de álcool gel feita a partir de celulose microfibrilada (MFC). O produto, extraído da madeira, ou seja, de fonte renovável, foi utilizado em substituição ao carbômero, quando o insumo passava por um período de escassez devido à alta demanda. Na ocasião, mais de quatro toneladas do produto foram doados para diversas entidades e hospitais das regiões onde a empresa mantém atuação, reforçando a relevância do trabalho de P&D como solução para os desafios da sociedade.

Ainda em busca de soluções que ajudem no combate à disseminação do coronavírus, o CTK se uniu ao Centro de Tecnologia da Indústria Química e Têxtil — SENAI CETIQT — para o desenvolvimento de um revestimento com propriedade antiviral, com componentes 100% orgânicos e livre de metais em sua composição. O projeto consiste no desenvolvimento de um revestimento aplicado em papel kraft, prioritariamente para embalagens de e-commerce, com propriedades antivirais, e já conta com pesquisas e testes de eficácia realizados pelo Bio-Manguinhos/Fiocruz, uma das organizações mais respeitadas no país para este fim. Os testes apontaram que a nova embalagem conseguiu inativar o coronavírus (SARS-CoV2) com eficácia comprovada superior a 99%, em até um minuto de contato.

O CTK tem contribuído de maneira significativa para o avanço no desenvolvimento de diversas soluções, cada vez mais sustentáveis. Alguns produtos recentemente lançados pela Companhia foram concebidos a partir de pesquisas e testes liderados pela equipe de profissionais do Centro. O Klamulti, lançado neste mês de junho, é um exemplo. Trata-se de um papel-cartão mais leve e resistente direcionado ao mercado de embalagens de bebidas (multipack) que leva celulose microfibrilada (MFC) em sua composição, resultando na melhora significativa de propriedades e desempenho.

Outro destaque é o EkoMix, uma embalagem para cimento feita com papel 100% dispersível, que pode ser integrada ao processo de mistura no momento da preparação do concreto. Um dos principais benefícios da solução é a redução do descarte de resíduos no canteiro de obras, garantindo ainda mais agilidade à produção.

O Eukaliner®, primeiro kraftliner do mundo feito exclusivamente com fibra de eucalipto, que passou a ser produzido em larga escala no último ano, na máquina de papel 27 do Projeto Puma II, também foi desenvolvido no CTK. O produto reúne uma série de diferenciais que o colocam em posição de destaque no mercado, entre eles a redução de gramatura em mais de 10%, garantindo resistência e leveza às embalagens, menos gasto de energia na conversão, melhor superfície de impressão, entre outros.  Marcela Curi Rahal

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui