Viola Quebrada lança álbum meus retalhos

O Grupo Viola Quebrada escolheu a capital paranaense para fazer, no dia 18 de setembro, às 20h, no Sesc da Esquina, o primeiro dos sete shows de lançamento do álbum Meus Retalhos. Este é o sexto álbum da banda e reúne seis anos de composições e arranjos inéditos de Oswaldo Rios e Rogerio Gulin, com participação de Consuelo de Paula – que se apresentará com o grupo em Curitiba -, Paulo Freire, Rubens Pires, Etel Frota, Chico Lobo, Roberto Prado. As 13 faixas do disco trazem ritmos variados do que há de melhor em música caipira.
No repertório estão temas contemporâneos como a defesa da natureza nas músicas Rio do Peixe (Rogerio Gulin, Oswaldo Rios e João Evangelista Rodrigues) e Caminhos do campo (Rogerio Gulin, Oswaldo Rios e Etel Frota); êxodo rural na música Meus Retalhos (Rogerio Gulin, Oswaldo Rios e Etel Frota), fé na música Louvação (Rogerio Gulin, Oswaldo Rios e João Evangelista Rodrigues), festas de interior na música Margarida (Rogerio Gulin, Oswaldo Rios e Consuelo de Paula), amor nas músicas Ilusões (Oswaldo Rios e João Evangelista Rodrigues) e Zóio Seco (Paulo Freire e Oswaldo Rios), além de outros temas que fazem parte do cotidiano do sertanejo. No momento em que o Grupo ganha força nas redes sociais, o novo álbum estará disponível também na versão online.
O grupo percorre o Paraná com os sete shows de lançamento que têm o apoio da Fecomércio e do Sesc. A segunda apresentação acontece também em Curitiba, no Sesc Água Verde dia 26 de outubro. Depois disso, o Viola Quebrada segue viagem para Ponta Grossa (27/10), Guarapuava (28/10), Cascavel (29/10), Maringá (30/10) e Londrina (31/10). Todas as apresentações serão no Sesc de cada cidade e contam o incentivo do Banco do Brasil. Celina da Piedade, cantora e acordeonista portuguesa, será a convidada especial durante os shows de outubro. Ela volta a dividir o palco com o Grupo depois de uma apresentação no final de 2014, no Teatro Paiol.

Os valores são populares e os ingressos serão vendidos nas bilheterias dos teatros com 1h de antecedência a R$10,00 (inteira), R$5,00 (meia entrada para estudantes, professores, idosos e doadores de sangue, mediante documentação válida) e R$2,50 (comerciários). Para o show no Sesc da Esquina, podem ser comprados também no SAC.
Viola Quebrada
Formado em 1997, o nome do grupo foi inspirado em uma canção de Mário de Andrade, fundador do Modernismo brasileiro e pesquisador musical.  Desde a criação, o Viola Quebrada se propõe a apresentar temas clássicos do repertório caipira, em arranjos recriados que ganham vida nas vozes e violões de Oswaldo Rios, na viola caipira de Rogerio Gulin, no acordeom de Rubens Nunes Pires, no baixo de Sandro Guaraná e na percussão de Marcão Saldanha.
A discografia é composta por cinco CDs. O primeiro, “Viola Quebrada” em 2000, com participações de Pena Branca e Xavantinho, Roberto Corrêa e Terra Sonora. Em seguida o “Viola Fandangueira”, de 2002, CD duplo só de fandangos, com a participação da Família Pereira de Guaraqueçaba, do Mestre Eugênio e Pedro Pereira, ambos da Ilha dos Valadares. “Sertaneja” em 2003, no qual Zeca Baleiro canta o fandango paranaense “Balão que cai”. Neste mesmo ano são convidados a participar de uma coletânea da gravadora Kuarup chamada “caipiríssimo”, juntamente com Rolando Boldrin, Pena Branca e Renato Teixeira.
Em 2006, lançaram o CD “Noites do Sertão” com faixa de Alaíde Costa. Em 2011, o CD e DVD “Viola Quebrada canta Cascatinha e Inhana” com participação das Irmãs Galvão. Depois dessa caminhada, o grupo passa a se dedicar a um trabalho autoral em que Rogerio Gulin e Oswaldo Rios assinam algumas músicas, e surgem parcerias com outros músicos como Paulo Freire, Consuelo de Paula, Chico Lobo e os poetas João Evangelista Rodrigues e Etel Frota.
Fotos: Cristiane Lemos 
(janafogaca@gmail.com)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.