No segundo trimestre de 2015, conforme dados da  Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), os portos brasileiros movimentaram 255 milhões de toneladas. Do total, 65% passaram pelos terminais privados. Enquanto os portos organizados apresentaram uma queda de 0,7% comparado com o mesmo período de 2014, os TUPs registraram um aumento de 6,1%.

Com a crise que a economia brasileira atravessa, os terminais privados se apresentam como uma saída para atrair investimentos, além de gerar empregos e proporcionar mais competitividade, eficiência e desenvolvimento para os complexos marítimos do país.

O marco regulatório do setor portuário de 2013 definiu novos termos para a exploração dos terminais de uso privado. Desde então, a Secretaria dos Portos já autorizou 38 TUPs, que totalizaram investimentos de mais de R$ 20 bilhões. Para os próximos cinco anos, a expectativa é que o setor privado injete R$ 46,8 bilhões nos portos brasileiros. "O investidor privado passa a ser prioridade do governo, numa parceria para que efetivamente o Brasil possa ampliar sua oferta e sua capacidade de operação portuária", afirma Helder Barbalho, ministro dos Portos.

 

Paraná

Nos últimos dez anos, o Paraná viu boa parte dos navios com potencial de atracar em seu litoral procurar outras opções portuárias para carregar os produtos nacionais para exportação ou descarregar o que vem do exterior. E boa parte da frota seguiu para mares vizinhos: Santa Catarina hoje conta com cinco terminais portuários, três deles administrados pela iniciativa privada - em Navegantes, Itapoá e Imbituba - que ampliaram as possibilidades de escolha de quem precisa importar ou exportar e, junto com os portos de São Francisco do Sul e Itajaí, formaram um verdadeiro corredor logístico à beira-mar, comparável aos mais eficientes modelos europeus. "Enquanto isso, o Paraná segue na dependência de seu principal porto, o de Paranaguá, que é o maior exportador de grãos do país, mas que vê a concorrência aumentar", afirma Ricardo Bueno Salcedo, diretor de Porto Pontal.

Com o decreto que altera o traçado da poligonal de Paranaguá assinado pelo governo federal, a expectativa é que o estado receba novos investimentos e amplie sua capacidade portuária. Só em Pontal do Paraná, calcula-se um investimento de R$ 8 bilhões com a instalação de uma empresa de exploração da camada pré-sal, uma usina termoelétrica e três terminais privados nas novas áreas que deixam de estar sob o controle da União. Apenas estes últimos três empreendimentos devem gerar mais de 5 mil empregos diretos e 20 mil indiretos, além de contribuir para o desenvolvimento econômico e social de todo o Paraná.

Com investimento aproximado de R$ 1,5 bilhão, o Terminal Portuário Porto Pontal irá ocupar um espaço de mais de 600 mil m² - e contará com um pátio de 450 mil m², o que constitui a maior área para depósito de contêineres do país. O novo porto prevê ainda a ampliação de 55% da capacidade portuária do estado, que passaria de 45 para 70 milhões de toneladas. "Será um grande avanço no setor portuário. Mesmo com as dificuldades que o Brasil enfrenta, Porto Pontal simboliza a confiança que temos no futuro do país", garante Salcedo. (aline@iemecomunicacao.com.br)

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Talvez você se interesse por estes artigos.

Fechar Menu