Macapá: você no centro do mundo

Em apenas um dia, a tocha olímpica passará pelos hemisférios sul e norte. Revezamento da chama é uma oportunidade de nacionalizar os ganhos de imagem com os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016

Por Priscilla Araujo

16_06_16_marco_zero_do_equador_max_rene_prefeitura_de_macapa_ap.gif
Marco Zero do Equador. Foto: Max Rene/Prefeitura de Macapá (AP)

Já imaginou estar em um lugar e se sentir no meio do mundo? Pois esse lugar existe e fica no Brasil, mais especificamente no monumento Marco Zero do Equador, em Macapá, capital do Amapá. Um dos principais cartões postais da cidade, o monumento marca o local onde a linha imaginária do Equador, que divide a Terra em Hemisfério Norte e Sul, corta a cidade. O local, que atrai milhares de visitantes todo mês, surpreende e apaixona turistas, como o arquiteto Jeff Keese, de São Paulo.

Em 2012, Keese viajou a trabalho para Macapá e ficou encantado com a cidade. “Foi muito além da minha expectativa, afirma o arquiteto, que relembra o momento em que passou pelo Marco Zero e pelo estádio Zerão, onde o meio do campo também é cortado pelo Equador. “Foi muito boa a sensação de poder estar em dois hemisférios ao mesmo tempo”, conta.

16_06_16_curiau_02_max_rene_prefeitura_de_macapa_ap.gif
Rio Curiaú. Foto: Max Rene/Prefeitura de Macapá (AP)

Além disso, duas vezes por ano (março e setembro), os moradores e os turistas que passam pela região podem assistir ao fenômeno da natureza chamado equinócio, que é quando os raios do sol incidem diretamente sobre a linha do Equador, fazendo com que o dia e a noite durem o mesmo tempo.

16_06_16_fortaleza_de_sao_jose_max_rene_prefeitura_de_macapa_ap.gif
Fortaleza de São José. Foto: Max Rene/Prefeitura de Macapá (AP)

Outro símbolo da cidade que também atrai milhares de turistas brasileiros e estrangeiros é a Fortaleza de São José de Macapá, uma das principais edificações militares existentes no Brasil. Localizada no centro da capital, às margens do Rio Amazonas, foi inaugurada em 1782, durante o império português, com o objetivo de resguardar o extremo norte do país de uma possível invasão europeia por via fluvial. “O local é incrível e apesar de já ter passado por restaurações, ainda conserva diversos elementos originais”, conta o paulistano. A fortaleza fica na orla da cidade, um lugar convidativo para a prática de esportes ou para se reunir com a família.

16_06_16_orla_de_macapa_02_max_rene_prefeitura_de_macapa_ap.gif
Orla de Macapá. Foto: Max Rene/Prefeitura de Macapá (AP)

Outras duas opções de visitação na cidade são a Praia da Fazendinha, localizada a 16 Km de Macapá, e a farmácia de fitoterápicos do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Amapá (Iepa), no Museu Sacaca. Banhada pelo Rio Amazonas, a praia oferece aos banhistas uma bela paisagem, com bares e restaurantes com os mais variados pratos típicos da região, como a pescada amarela, o tambaqui e o tucunaré frito. Já a farmácia desenvolve remédios naturais e cosméticos com plantas da Amazônia, como sabonetes e cremes livres de contaminação por agrotóxicos. As matérias-primas utilizadas na produção dos fitoterápicos são fornecidas por produtores locais.

16_06_16_trapiche_eliezer_levy_max_rene_prefeitura_de_macapa_ap.gif
Píer Trapiche. Foto: Max Rene/Prefeitura de Macapá (AP)

Na capital amapaense é possível ainda visitar o píer Trapiche Eliezer Levy, que avança por mais de 400 metros sobre o Rio Amazonas e tem uma boa estrutura turística. O local passou recentemente por reformas e, além da pintura, toda a estrutura que antes era de madeira foi substituída por alvenaria. Para se aventurar nos finais de semana, a dica são os passeios de barco pelos rios da Amazônia, uma ótima oportunidade para navegar pelas águas doces e conhecer trilhas, como a da Ilha de Santana.

16_06_16_curiau_01_max_rene_prefeitura_de_macapa_ap.gif
Rio Curiaú. Foto: Max Rene/Prefeitura de Macapá (AP)

E quem navegará pelas águas do Amapá nesta quinta-feira (16) será a cobiçada tocha olímpica que, em menos de 24 horas, terá a oportunidade de passear pelo hemisfério sul e pelo hemisfério norte. O ponto de partida será o Rio Curiaú, habitado por comunidades quilombolas, onde ela fará o trajeto de canoa até o deck do rio. Ao todo, a chama fará um percurso de 24 quilômetros pelas ruas e avenidas de Macapá até chegar à Avenida Equatorial, onde será recebida com vários eventos culturais. Após pernoitar na capital, a tocha seguirá para Santarém, no Pará.

INVESTIMENTOS – De 2007 pra cá, o Ministério do Turismo (MTur) já investiu mais de R$ 27 milhões em Macapá, incluindo obras de construção de praças e de centro de atendimento turístico, desenvolvimento de urbanização e paisagismo, recuperação de calçamento e urbanização de orlas da cidade.

REVEZAMENTO DA TOCHA – O MTur produziu um mapa interativo, com roteiros e imagens dos destinos. Diariamente, a Agência de Notícias do Turismo produz matérias a respeito do revezamento e de dicas dos destinos da tocha. No Twitter (@mturismo), o internauta pode acompanhar diariamente a cobertura do revezamento em tempo real. <ascom@turismo.gov.br>

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.