Paraná necessita de 5 mil médicos de família para atender demanda na Atenção Primária

O estado do Paraná, que atualmente tem mais de 11 milhões de habitantes, necessita de cinco mil médicos de famílias para atender a demanda populacional, indica a Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC). Se cada médico de família e comunidade (MFC) cuidasse de duas mil pessoas, seriam necessários 5.500 especialistas. Atualmente, segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM), há menos de 400 MFCs no Estado, o que dificulta o acesso adequado à Atenção Primária à Saúde, porém a necessidade dessa demanda é nacional.

“O número atual de MFC na região é de 2 para cada 100 mil habitantes, o ideal para um atendimento efetivo seria de 50 para cada 100 mil e com uma adequada distribuição no estado. Assim observa-se uma enorme lacuna deste especialista para a cobertura universal neste tipo de acompanhamento. Considerando que no Brasil há em torno de 4 mil MFCs”, explica Thiago Trindade, presidente da SBMFC.

Existe um déficit histórico enorme pensando na necessidade atual só para compor as atuais 40.000 equipes da Estratégia Saúde da Família, que hoje são ocupadas por médicos com formações variadas, além do fato que 40% dos médicos destas equipes são profissionais de programas de provimento, os quais ficarão no máximo três anos, o que não é desejável para estruturação de um serviço de atenção primária onde se espera a permanências destes profissionais junto as comunidades no longo prazo.

Porém, a partir de esforços da SBMFC, há um aumento nas vagas de residência médica na especialidade para que mais estudantes de medicina tenham interesse e acesso à medicina de família e comunidade no Paraná. S

Características da especialidade

Ainda segundo a Demografia do CFM, o médico de família é a mais jovem de todas as especialidades atuantes no país, com idade média de 41 anos e a 8ª com predominância feminina com 56,5% de mulheres. Além disso, está entre as seis especialidades consideradas básicas ou gerais como: Clínica Médica, Pediatria, Cirurgia Geral, Ginecologia e Obstetrícia, Medicina de Família e Comunidade e Medicina Preventiva e Social que concentram 40,3% do total de especialistas.

A medicina de família e comunidade é uma especialidade médica, assim como a cardiologia, neurologia e ginecologia. O MFC é o especialista em cuidar das pessoas, da família e da comunidade no contexto da atenção primária à saúde. Ele acompanha a população longo da vida, independentemente do gênero, idade ou possível doença, integrando ações de promoção, prevenção e recuperação da saúde. Esse profissional atua próximo aos pacientes antes mesmo do surgimento de uma doença, realizando diagnósticos precoces e os poupando de intervenções excessivas ou desnecessárias.

É um clínico e comunicador habilidoso, pois utiliza abordagem centrada na pessoa e é capaz de resolver pelo menos 90% dos problemas de saúde, manejar sintomas inespecíficos e realizar ações preventivas. É um coordenador do cuidado, trabalha em equipe e em rede, advoga em prol da saúde dos seus pacientes e da comunidade. Atualmente há no Brasil mais de 3.200 médicos com título de especialista em medicina de família e comunidade. (anadangelis@rspress.com.br)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.