O câncer de mama e os seus dilemas

Mastologista do hospital Nossa Senhora das Graças, fala sobre a mastectomia, procedimento que afeta a autoestima da mulher.

Quando uma mulher é diagnosticada com câncer de mama, uma das primeiras coisas que passa pela sua cabeça e por todos a sua volta é que ela terá que retirar a mama. O procedimento é a mastectomia, um momento muito difícil para as pacientes que enfrentam esta batalha.

        O mastologista do Hospital Nossa Senhora das Graças (HNSG), Dr. Cícero Urban, explica que este procedimento pode ser evitado em alguns casos. “Nem sempre as mastectomia é realizada, algumas pacientes com câncer de mama podem ter suas mamas preservadas”, esclarece o médico.

        A agressividade da cirurgia vai depender do estágio do tumor. O médico destaca que o câncer de mama não é uma única doença, mas uma classe de doenças, que pode variar, com tumores pouco agressivos a mais agressivos. “Tumores pequenos permitem cirurgias menos agressivas, porém, existem situações onde mesmo com tumores pequenos precisamos retirar a mama. E isto depende do tamanho da mama e de algumas características do tumor”, conta.

        A mastectomia, com o passar do tempo e o avanço da medicina, está menos agressiva do que 30 anos atrás. “Procuramos obter o máximo da eficácia, com o mínimo da radicalidade”, explica Dr. Cícero. Ele também ressalta que, na maioria dos casos, após a cirurgia, é indicada e feita a reparação da mama. “Em ambos os casos procuramos realizar a cirurgia reparadora – de reconstrução mamária – no mesmo momento da cirurgia do câncer. A reconstrução é, portanto, parte do tratamento”, afirma.

        Após a cirurgia, os cuidados pós-operatórios são essenciais para a recuperação da paciente, mas vão depender do tipo de cirurgia que ela foi submetida. “De maneira geral deve-se evitar atividades físicas mais intensas nas primeiras semanas, realizar fisioterapia precocemente e evitar o sol nas cicatrizes durante meses. Algumas pacientes necessitam de drenos, que também precisam de cuidados especiais. Mas geralmente é um pós-operatório tranquilo”, avalia.

        O ideal e o objetivo dos médicos é que a mulher possa levar uma vida normal, o mais próximo do que ela viva antes do diagnóstico. “É isto que buscamos, qualidade de vida, não apenas a cura. Porém, sabemos que isto nem sempre é fácil. A mama é um órgão muito delicado para a autoestima feminina, para sua saúde física, sexual e psicológica. Assim , existem muitos aspectos envolvidos na superação desta doença. Mas o ideal é que possa levar uma vida normal”, conclui.

Menor tempo de cirurgia, para retirada de tumor de mama

        O Hospital Nossa Senhora das Graças (HNSG), possui a tecnologia Faxitron, que poucos hospitais do país possuem, e que é um grande avanço para a área de mastologia. O aparelho, permite que a biópsia do tumor da mama, seja feita durante a cirurgia. Antes o tempo de cirurgia era muito maior. A peça operatória depois de ressecada, era enviada para um aparelho de mamografia fora do centro cirúrgico. “Este processo levava de 15 a 20 minutos, com a paciente anestesiada e algumas vezes era necessário repetir e esperar o mesmo tempo de novo”, explica Dr. Cícero.

        O Faxitron, além de tornar a cirurgia muito mais rápida e segura, também permite imagens radiográficas em tempo real e com alta precisão de peças operatórias, principalmente de tumores não palpáveis. “A qualidade da imagem do Faxitron é muito superior, permitindo avaliar com maior precisão as microcalcificações, nódulos e margens de ressecção em poucos segundos”, afirma o especialista.

Assessoria de Imprensa do HNSG

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Talvez você se interesse por estes artigos

Neste Novembro Azul, a Sociedade Brasileira de Mastologia alerta que os homens também podem ser acometidos pelo câncer de mama. Apesar de a doença atingir,...
Fechar Menu