Edição de novembro do Cândido destaca os 80 anos de Silviano Santiago

Silviano Santiago é um intelectual brasileiro que atua em diversas áreas. Professor universitário aposentado, é ensaísta, crítico literário e também escreve poemas, contos e romances. O mineiro radicado no Rio de Janeiro completou 80 anos em setembro e participou de uma edição do projeto “Um Escritor na Biblioteca”, idealizado pela Biblioteca Pública do Paraná. Durante o encontro, falou sobre a sua trajetória, incluindo detalhes sobre o seu novo romance, Machado, que trata dos últimos quatro anos da vida do autor de Dom Casmurro. Os principais momentos da conversa, mediada pelo jornalista e escritor Luís Henrique Pellanda, estão publicados nesta edição do Cândido, que traz na capa um desenho de Santiago, realizado pelo artista paranaense Miguel Nicolau.

A convite do jornal da BPP, o professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Wander Melo Miranda escreveu um texto analisando a vasta produção de Santiago. Miranda explica de que maneira o intelectual conectou teoria e imaginação para realizar uma obra literária múltipla, na qual a variedade de temas e gêneros permite formas variadas, e complexas, de leitura: “Os textos de Santiago — não importa a inflexão predominante que cada um possa ter — insistem na configuração de uma escrita em que as culturas se reconhecem por meio de suas projeções de alteridade, já atravessadas pelos efeitos de globalização.”

Novembro é o mês em que se comemora o centenário de nascimento de Walter Campos de Carvalho, escritor conhecido pelas suas quatro ousadas novelas: A lua vem da Ásia (1956), Vaca de nariz sutil (1961), A chuva imóvel (1963) e O púcaro búlgaro (1964). Uma ampla reportagem recupera a trajetória ficcional do autor (1916-1998), destacando, a partir de entrevistas com estudiosos, os principais aspectos do legado do escritor.

A edição também traz um texto memorialístico de Reinaldo Atem a respeito de um episódio que ele viveu ao lado de Wilson Rio Apa (1925-2016), escritor e agitador cultural recentemente falecido. Em um ensaio que flerta com a ficção, o escritor e editor Carlos Eduardo de Magalhães narra como e de que maneira podem surgir obras de arte, inclusive textos literários.

A coleção de livros do jornalista e cinéfilo Marden Machado é o destaque da seção “Na Biblioteca” e, entre os inéditos, oCândido publica um poema de Andréia Gavita Carvalho, um conto de Luiz Bras e um trecho de Dupla exposição, que alia texto de Paloma Vidal e fotos de Elisa Pessoa — o livro está previsto para ser publicado pela Rocco ainda em novembro.

Serviço
O
Cândido tem tiragem mensal de 10 mil exemplares e é distribuído gratuitamente na Biblioteca Pública do Paraná e em diversos pontos de cultura de Curitiba. O jornal também circula em todas as bibliotecas públicas e escolas de ensino médio do Estado. É enviado, via correio, para assinantes a diversas partes do Brasil. É possível ler a versão online do jornal em www.candido.bpp.pr.gov.br. O site também traz conteúdo exclusivo, como entrevistas, vídeos e inéditos.

unnamed-1

Imprensa – BPP

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.