Movimento “Tropicália” é inspiração para coleção de moda sem gênero

O Tropicalismo veio para sacudir os brasileiros. Inovar através dos acordes da guitarra a música nacional no final da década de 60. Inspirada nos irreverentes versos de músicos, como Caetano Veloso, Gal Costa, Gilberto Gil e Tom Zé surgiu a coleção de moda “Tropicália”. A série ganhou vida a partir do trabalho de uma mulher, a Helena, cujo nome foi cedido ao recém-criado Ateliê Helena, produtor de roupas customizadas.

Assim como o movimento, da música brasileira, a coleção, lançada nesta terça-feira (29), busca romper amarras impostas socialmente. Através da leveza e estampas coloridas dos tecidos e cortes mais largos, o pedido é de liberdade. São peças únicas, sem limitação de gênero e únicas feitas artesanalmente para serem usadas por homens e mulheres, como cada um quiser.

Produção local curitibana

Comprar em pequenos negócios locais pode trazer benefícios inimagináveis. O dinheiro da camiseta que foi feita especialmente para uma pessoa, por exemplo, continua a circular na região de forma imediata, o que fortalece a prosperidade do bairro e da cidade.

Além disso, esse tipo de aquisição proporciona o acompanhamento de todo o processo da confecção e a certeza de que o produto foi feito com qualidade e de forma consciente ecologicamente – o que é importante diante do cenário da produção têxtil no Brasil. Nos últimos anos, centenas de trabalhadores foram resgatados produzindo roupas em situação análoga à de escravidão para grandes nomes do mercado da moda.

Por trás das máquinas do ateliê se encontra uma verdadeira especialista na área, cujo conhecimento de causa e atenção despendida podem acrescentar muito na escolha da roupa.

bia2

danicop

guiu

Ateliê Helena

O Ateliê Helena é elaborado por mãos que há 41 anos se dedicam a costura e ao ato de criar a partir de estampas, linhas, e recortes. Quem se depara com a casa amarela, abrigo do ateliê, pode entrar. Encomendar uma roupa feita sob medida, tomar um chá e, claro, conversar com a Helena, que pode até dar conselhos amorosos a quem experimenta a visita.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.