Especialistas debatem a tecnologia no setor de turismo

O diretor de TI da Schultz, Fabiano Simm, participou do bate-papo “Tecnologia e Novos Modelos de Negócios”, realizado no sábado (18), dentro do Salão Paranaense de Turismo, em Curitiba.  O encontro foi promovido para instigar os agentes e empresários do setor de turismo sobre os caminhos que podem ser percorridos para melhorar o atendimento ao cliente usando a tecnologia e a inovação.

Além de Fabiano, participaram do bate-papo Marta Poggi Borges, da Strategia Consultoria Turística (atua para melhorar a gestão de empresas de turismo); Danilo Brizola, da Snow Man Labs (especializada na criação de APPs) e Erica Marques, da GBG Curitiba (desenvolve e apoia iniciativas no ecossistema de inovação e empreendedorismo da cidade). O mediador foi Rafael Tortato, da Unidade de Desenvolvimento de Soluções do Sebrae-PR.

A conversa girou em torno de como as tecnologias estão mudando o mundo e a necessidade de todos estarem atentos a essas mudanças. No entanto, o que ficou de consenso é que, por mais tecnológico que seja o mundo,  as pessoas estarão sempre acima das máquinas.

“A tecnologia será sempre o meio, mas se não houver interação entre as pessoas, nenhum modelo de negócio vai para a frente. Se não tiver ninguém para andar de carro, não tem sentido o modelo de negócio do Uber, por exemplo”, disse Danilo Brizola.

“Todos os negócios foram impactados pela tecnologia e o setor de turismo não é diferente. Pode-se oferecer comércio eletrônico, usar a tecnologia para buscar fornecedores, para demandas específicas dos clientes.  O grande desafio é enxergar o o que a empresa pode fazer de diferente para atender o cliente”, afirmou Marta.

“A tecnologia só existe para ajudar as pessoas. O impacto dela deve ser o de facilitar a vida do seu cliente, mas antes de sair adotando novidades, veja o que realmente é importante para ele. Nem toda tecnologia que serve para outros negócios servirá para o seu”, pontuou Erica.

Schultz

Fabiano deu exemplos de como a Schultz vem trabalhando a tecnologia. Ele citou a P.O.T.A (Personal Online Travel Agency), em que o agente de viagem pode ter um site com todos os recursos do site da Schultz, facilitando a exposição e a venda dos destinos.  “É a mesma tecnologia dos grandes players, o que dá poder de atuação muito maior para o agente”, explicou Fabiano.

O diretor de TI da Schultz sugeriu aos agentes que aproveitem as tecnologias oferecidas, como a da P.O.T.A, mas que vão além, aproveitando todo o potencial das ferramentas de marketing digital. “Há formas de saber exatamente o que o cliente quer, tendências de consumo, se a gente precisa estar no Facebook, Google ou aplicativos. Assim, fica mais fácil desenvolver as ações”.

Outra dica de Fabiano foi sobre a neurociência Segundo ele, o consumidor é influenciado por uma série de técnicas que podem ser aplicadas nos negócios. Ele exemplificou a questão da escassez, que é quando as ofertas são anunciadas com o intuito do consumidor fechar logo a compra para não perder a oportunidade.  “O impacto de anunciar uma oferta que vai se encerrar logo é grande na mente do consumidor, que se vê motivado a aproveitá-la. A neurociência é muito poderosa e a cadeia do turismo pode se beneficiar dela”.

Sair da zona de conforto

O diretor de TI da Schultz finalizou recomendando às pessoas que jamais fiquem na zona de conforto. “A tecnologia está mudando muito rápido. Pesquise sobre o mercado, procure tendências, estude e se mantenha atento. Se você está bem hoje na sua empresa e acha que não precisa mudar nada, cuidado. Quando perceber as mudanças, poderá ser tarde e não dar tempo de recuperar o negócio”.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.