180 milhões de obesos no mundo sofrem de depressão

O Dia Mundial da Saúde é celebrado pela OMS (Organização Mundial da Saúde), nesta sexta-feira, dia 7 de abril. Para este ano, o lema da campanha mundial é Let’s talk (“Vamos conversar”, em português), que visa chamar a atenção da sociedade para o aumento no número de casos de depressão, transtorno que pode acometer pessoas de qualquer idade em qualquer etapa da vida.

A depressão é uma doença comum em todo o mundo, com uma estimativa de 350 milhões de pessoas afetadas. A condição é diferente das alterações usuais de humor e das respostas emocionais de curta duração aos desafios da vida cotidiana. Em alguns casos, especialmente quando de longa duração, a depressão pode se tornar uma séria condição de saúde. De acordo com o psiquiatra do Centro de Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Dr. Adriano Segal, quadros depressivos podem se manifestar com sintomas de baixa autoestima, apatia, falta de energia e dores físicas sem causas definidas, gerando perigosos efeitos no psiquismo e no organismo. A depressão também pode estar relacionada a outras doenças, dentre elas, duas altamente prevalentes na população mundial: diabetes tipo 2 e obesidade.

Até 30% dos diabéticos apresentam quadros depressivos e, segundo a OMS, 30% dos 600 milhões de obesos que buscam tratamentos para emagrecer têm depressão ao longo da vida.

“Pacientes com obesidade e diabetes tipo 2 têm o dobro de chances de apresentar depressão. O aumento da prevalência dessas duas doenças é uma realidade mundial e pessoas com distúrbios psiquiátricos têm mais chances desenvolve-las. Isso sugere que essas três doenças, possam ter mecanismos fisiopatológicos em comum. De qualquer modo, são patologias com uma elevada relação”, explica.

De acordo com Dr. Adriano Segal, a presença de quadros depressivos não adequadamente tratados podem colocar em risco o tratamento do diabetes e da obesidade, assim como o de qualquer outra doença associada. O paciente pode perder a motivação em manter a rotina de remédios, atividade física e alimentação saudável, fatores extremamente importantes para manter o nível adequado de açúcar no sangue.

O diagnóstico do quadro depressivo é fundamental para ao paciente ter um tratamento adequado, possibilitando a melhora da sua qualidade de vida. A pessoa com quadro depressivo acaba tendo aumento dos níveis de estresse e consequentemente do estado inflamatório do organismo, podendo levar ao ganho de peso, e consequentemente, provocar resistência à insulina, hormônio essencial para o controle das taxas de glicose no sangue. O aumento da resistência insulínica ocorre quando o pâncreas passa a produzir mais insulina. Por conta desse ciclo, o órgão não consegue produzir mais o hormônio, elevando os níveis de açúcar no sangue e provocando diabetes tipo 2.

Também existem os quadros depressivos que podem causar aumento de apetite e de peso, que são os eventos de depressões atípicas. Nesses casos, é preciso atenção, principalmente se o paciente tem predisposição genética para o diabetes. Além disso, obesos deprimidos têm maior chance de desenvolver a doença. O diagnóstico precoce da depressão e do diabetes e o acompanhamento multiprofissional é fundamental para o tratamento das doenças físicas e emocionais.

Sobre o Centro de Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz 

Inaugurado em 2014, o Centro de Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz é o único centro integrado da América Latina dedicado a oferecer atendimento para essas especialidades. Os pacientes contam com o diferencial de realizar diagnóstico, tratamento e acompanhamento em um só lugar. Para tanto, a equipe médica multidisciplinar é composta por endocrinologistas, cirurgiões bariátricos e metabólicos, cardiologistas, nefrologistas, ortopedistas, enfermeiros, oftalmologistas, psicólogos, psiquiatras e nutricionistas. O Centro já recebeu por duas vezes a certificação da Surgical Review Corporation (SRC) por oferecer um serviço médico de excelência em Cirurgia Bariátrica e Metabólica. A certificação reforça também o comprometimento do Hospital com a ética e com os altos padrões de qualidade comparáveis aos melhores centros hospitalares do mundo.

Sobre o Hospital Alemão Oswaldo Cruz

O Hospital Alemão Oswaldo Cruz, um dos melhores centros hospitalares da América Latina, é referência em serviços de alta complexidade. Fundado em 1897 por um grupo de imigrantes de língua alemã, o Hospital possui uma das maiores casuísticas do país e concentra seus esforços na busca permanente da excelência do atendimento integral, individualizado e qualificado ao paciente, além de investir fortemente no desenvolvimento científico, por meio da educação e da pesquisa. Com mais de 96 mil m² de área construída, o Hospital dispõe de 306 leitos de internação, 44 leitos instalados na Unidade de Terapia Intensiva, 22 salas de cirurgia e Pronto Atendimento 24 horas. Além disso, oferece uma das mais qualificadas assistências do país e Corpo Clínico renomado, para que os pacientes tenham acesso aos mais altos padrões de qualidade e de segurança no atendimento, atestados pela certificação da Joint Commission International (JCI) – principal agência mundial de acreditação em saúde.

Hospital Alemão Oswaldo Cruz – www.hospitalalemao.org.br

<bianca.amorim@conteudonet.com>

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.