Pós verdade.

A disseminação das redes sociais produziu efeitos positivos, acesso de muito mais pessoas à informação e possibilidade de comunicação global é um deles. No entanto, a verdade, essa frágil planta de difícil definição, é bombardeada por todos os lados; divulgam-se com rapidez astronômica fatos e versões acerca de absolutamente tudo, com ou sem relação com a realidade ou possibilidade de comprovação. Parte da imprensa preocupa-se com a enxurrada de factoides e procura criar filtros que a protejam de divulga-los inadvertidamente, mas nem sempre consegue tal intento.

A questão milenar “o que é a verdade?” ainda não foi respondida satisfatoriamente e a busca de resposta à pergunta mais simples “qual é a verdade?” aparentemente resultou numa criação digna dos melhores sofistas, a pós-verdade.

O termo (post-truth) é usado para situações em que os fatos objetivos são ignorados na argumentação, declaração ou persuasão; passou a ser muito empregado após algumas afirmações estapafúrdias de Donald Trump que expressariam, na opinião cândida dos áulicos, sua visão acerca do que fala, estritamente particular e descompromissada com quaisquer fatos. Uma verdade alternativa, nas suas palavras.

Em qualquer telejornal assistimos esta técnica chegar a paroxismos, com as afirmações absurdas dos suspeitos, indiciados, réus, condenados: ao contrário de todas as evidencias e provas, não disseram o que disseram, não fizeram o que fizeram, não roubaram o que roubaram, não estavam onde foram vistos…

Atribui-se ao filósofo Friedrich Hegel a declaração de que a História é um mito consentido, e se pensarmos nas diversas intepretações dos acontecimentos, tendemos a concordar: cada povo, cada corrente ideológica, cada grupo de interesse, contará a história de acordo com sua versão e será esta versão que prosperará e será aceita por algumas, ou muitas, pessoas.

O evento que nós brasileiros denominamos “Guerra do Paraguai” é narrado aqui como um conflito provocado pelo “sanguinário ditador Solano Lopez” que teria invadido parte de nosso território; os paraguaios e alguns historiadores a contam como um genocídio cometido pela tríplice aliança (Brasil, Argentina e Uruguai) instigada pela Inglaterra para conter o “modernizador humanista Solano Lopez” que pretenderia implantar algum tipo de socialismo em seu país. Evidentemente, duas versões tão divergentes não podem ser concomitantemente verdadeiras, o mais próximo da verdade pode estar em algum ponto entre uma e outra.

É dito popular que a história é, efetivamente, escrita pelos vencedores, e suas versões tenderão a prevalecer, tão ou mais fantasiosas quanto maior for a necessidade de justificativa para os atos cometidos ou a necessidade de utilização autopromocional em ambições futuras. Não por coincidência, comunicólogos nazistas afirmavam que uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade, e embora saibamos que não, isso será consentido pela maior parte das pessoas a que se destina, ou seja, tudo o que os manipuladores desejam.

Apenas o conhecimento da verdade nos libertaria, disse um apóstolo referindo-se às verdades da crença que pregava, e a procura pela verdade é de fato libertadora. Ainda que muito difícil e por vezes dolorosa, a retirada das escamas que recobrem os olhos torna-se condição para amadurecimento e é quando realmente começa o aprendizado.

Esta é a profissão de fé e missão de milhares de professores, mesmo numa época de tantas pós-verdades e pré-mentiras, e ainda que o processo educativo seja reflexo e refletor das atitudes e valores sociais, sofrendo dos mesmos males que afetam a época e sistema de crença da comunidade em que se insere.

 

 

Wanda Camargo – educadora e assessora da presidência do Complexo de Ensino Superior do Brasil – UniBrasil.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.