Varizes: desconforto que vai além da estética

Veias dilatadas e tortuosas representam um verdadeiro pesadelo para muitas pessoas, e não apenas do ponto de vista estético. As varizes possuem uma alteração funcional da circulação venosa do organismo e tem maior incidência no sexo feminino.

Segundo a cirurgiã vascular do Hospital Nossa Senhora das Graças, Flávia Tristão, as principais queixas clínicas dos pacientes são dor tipo “queimação”, sensação das pernas estarem pesadas ou ardendo, e edema, que são inchaços, das pernas. “No calor, durante a menstruação e também durante a gravidez as sensações aumentam. Os sintomas agravam-se no fim do dia, quando se permanece por longo tempo em pé ou sentado, e melhoram com a elevação dos membros inferiores”, explica.

As varizes surgem por uma fragilidade da parede da veia que se torna dilatada e tortuosa. Alguns fatores de risco podem contribuir para o surgimento, como predisposição genética, sobrepeso, sedentarismo, tabagismo, constipação crônica,bem como a gestação, que também possibilita o aparecimento de varizes.

Atualmente existem diversos tipos de tratamentos para esse incômodo, desde os clínicos, que controlam os sintomas, e os tratamentos para eliminar as varizes, como a espuma, a escleroterapia e o tratamento a laser das safenas, além da microcirurgia ou cirurgia convencional. “A escolha do tratamento difere conforme o grau de comprometimento e a expectativa do paciente. O cirurgião vascular é o médico mais indicado para definir o melhor tratamento para cada caso”, ressalta.

Os diversos graus de comprometimento das veias necessitam tratamentos específicos e, por isso, passar por procedimentos, inclusive os estéticos, sem o auxilio de um cirurgião vascular, pode representar perda de tempo, dinheiro e implicar em complicações mais sérias. “O cirurgião vascular é quem tem a capacidade para definir a real situação e o melhor tratamento, visando um resultado duradouro e evitando complicações”, afirma.

Caso não sejam tratadas corretamente, as varizes em graus avançados podem causar alterações de pele, coceira e feridas, além do agravamento dos sintomas. A dica da cirurgiã vascular é se atentar para o controle dos fatores de risco. “Evitar ganho de peso, praticar atividades físicas, cessar o tabagismo, evitar ficar muito tempo em pé, sem se movimentar, ou sentado. Para as gestantes, o ideal é suar meias e em geral indico procurar elevar um pouco as pernas ao longo do dia”, orienta. imprensa@hnsg.org.br