Aprender a ensinar: o que dizem os professores finlandeses sobre isso?

Aprender com as experiências dos outros pode economizar tempo, evitar erros que já foram cometidos e indicar soluções para problemas que pareciam insolúveis. Quando adultos, podemos escolher com quem desejamos aprender e, se formos sensatos, escolheremos referências que alcançaram resultados positivos. Se verificarmos os resultados do sistema educacional da Finlândia não haverá dúvida de que os professores de lá são ótimas referências para aprendermos a ensinar.

O sistema Finlandês ocupa as primeiras posições nas avaliações mundiais da área, como no PISA, no Índice de Educação Global, da Organização das Nações Unidas, e no Índice Global de Habilidades Cognitivas e Realizações Educacionais, no qual eles aparecem em primeiro e o Brasil em penúltimo.

O sucesso desse sistema não se limita aos índices educacionais, visto que o país também está nas primeiras posições em índices de inovação, qualidade de vida e sustentabilidade, mas nem sempre foi assim. O país conseguiu sua independência apenas no século passado, passou por uma guerra civil, perdeu a segunda guerra mundial e teve um processo de industrialização tardio. A recente ascensão da sociedade finlandesa no ranking dos países mais ricos do mundo é atribuída, em grande parte, as mudanças educacionais feitas na década de 1970.

Características do Sistema Educacional Finlandês

A valorização do professor pela sociedade é uma das chaves do sucesso desse sistema. Embora a remuneração desses profissionais não seja a melhor do país essa é uma das profissões mais concorridas, sendo que apenas 10% dos candidatos a formações docentes conseguem ingressar nos cursos superiores da área. A preparação para a docência tem ênfase no desenvolvimento de competências pedagógicas, incluindo uma intensa carga horária de prática e monitoria de profissionais mais experientes, fazendo com que o educador esteja seguro e preparado para seu ofício mesmo quando recém-formado. A confiança que a formação docente foi eficaz resulta em pouco controle sobre o professor, que tem liberdade para atuar com seus alunos sem seguir os planejamentos rígidos impostos pelos dirigentes educacionais. “Nós demos o preparo e, agora, temos de confiar neles”, explica a diretora do Ministério da Educação e Cultura do país, Jaana Palojärvi.

Na Finlândia a educação é vista como uma das principais estratégias para combate às diferenças sociais. Noventa e oito por centro das instituições de ensino são públicas, as poucas escolas particulares são subsidiadas pelo governo e as diferenças de qualidade existentes entre elas são as menores do mundo. Para eles a educação tem de ser igual e gratuita a todos, sendo um princípio de igualdade que equaliza oportunidades. Na equipe das escolas existem psicólogos e assistentes sociais e os alunos com maiores dificuldades são os que recebem mais cuidados.

Um sonho distante para o Brasil?

Em 2014, nosso país aprovou o Plano Nacional da Educação 2014-2024 que prevê a destinação de 10% do PIB para educação, valor superior aos 6,8% investidos pela Finlândia. Em breve não poderemos reclamar de recursos, mas será preciso investir com qualidade e eficiência. O exemplo deles comprova que o sucesso depende da valorização docente e da sua formação inicial.

 

FORMAÇÃO DOCENTE NA FINLÂNDIA

Segundo os realizadores do PISA, a formação docente na Finlândia destaca-se por quatro características:

– é baseada na pesquisa e no desenvolvimento da reflexão crítica;

– enfatiza o desenvolvimento de competências pedagógicas, sem se limitar à teoria ou história geral da educação;

– preparam para o diagnóstico e acompanhamento dos alunos com dificuldades de aprendizagem;

– possuem forte componente prático, com extensos módulos sobre prática didática e estágios.

 

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE O SISTEMA DE EDUCAÇÃO DA FINLÂNDIA EM CURITIBA

A Embaixada da Finlândia, em parceria com a Faculdade de Educação Superior do Paraná – FESP e a Associação Gente de Bem, com o apoio da Prefeitura Municipal de Curitiba, do Governo do Estado do Paraná, da Brandesign, do Grupo Educacional Amplação, do Sindicato das Escolas Particulares do Paraná – SINEPE/PR e do Instituto GRPCOM, promoverão o seminário que será ministrado por diretores dos cursos de formação de professores de nove Universidades Finlandesas. Uma oportunidade única para conhecer melhor esse sistema, seus efeitos e sua formação docente.

DATA: 26 de setembro de 2017

HORÁRIO: 8:30 às 13:00

Após o término das palestras, às 12:00, será servido um coffee break para networking com a      comitiva finlandesa.

LOCAL: Auditório da FESP – Rua Dr. Faivre, 141 – Centro – Curitiba

INSCRIÇÕES GRATUITAS NO SITE www.gentedebem.org/finland

rafael@gentedebem.org