Franquias: um mercado promissor

Por Patricia Cotti*

 

O mercado de franquias continua a crescer. Segundo pesquisa feita pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), no segundo trimestre deste ano, o cenário nacional para o setor teve um crescimento de 6,8% no faturamento em comparação ao mesmo período de 2016. E os números indicam que esta tendência não irá regredir tão cedo.

O que faz este mercado galgar a passos largos enquanto o restante do varejo se queixa de dificuldades de venda e fluxo? Dois pontos: a abertura de novas unidades de negócio e o aumento das vendas.

Em relação ao primeiro, é importante entender não só a busca da expansão das empresas, mas também o momento de mercado facilitador, tendo em vista que muitas pessoas de média e alta liderança, que deixaram os seus postos de trabalho no ano passado devido à retração das operações da indústria e varejo convencional, optaram por abrir negócios próprios com o dinheiro recebido da sua rescisão.

Soma-se a isso a continuidade da tendência de master franqueado, pessoas com mais de uma loja, que, apesar de ser uma prática proibida por alguns franqueadores, é cada vez mais estimulada e adotada por outros, que entendem esta prática como facilitadora da gestão. Ter um franqueado que já entenda da operação e dinâmica pode se mostrar rico em muitos aspectos, diminuindo, inclusive, o tempo de retorno financeiro do negócio e sua maturação pelo conhecimento de mercado e adoção das melhores práticas.

A busca pela expansão das empresas continuará como em qualquer mercado econômico maduro, o que torna este aspecto tão importante e influenciador. Dificilmente haverá uma retração no numero de franquias existentes, sendo esta, inclusive, a alternativa buscada pelas empresas tradicionais para subsidiar sua própria expansão.

Quanto às vendas, cabe entender a influência dos aspectos subjetivos de marca e o envolvimento emocional do consumidor com relação à compra. Em um momento de instabilidade e insegurança, a busca por produtos que possuam garantia de qualidade se torna ainda maior e a existência de uma marca forte tende a reforçar isso.

Como no caso das franquias o engajamento prévio do consumidor com a marca é justamente um dos principais direcionadores do negócio, uma vez que o consumidor já reconhece a força da marca e suas características, tem-se, aqui, mais um reforço para as vendas.

Como se pode perceber, o mercado de franquias continuará a crescer. Sendo assim, cabe aos franqueados e franqueadores aproveitar esta onda com a estruturação sustentável de suas operações.

 

*Patricia Cotti é diretora de conteúdo da Academia de Varejo