Fórum dos Soldadinhos de Deus

0
20

Fórum dos Soldadinhos de Deus

Paiva Netto

Soldadinhos de Deus. Era assim que o saudoso jornalista e radialista Alziro Zarur (1914-1979) chamava, carinhosamente, as crianças, numa nítida referência ao valor dado a elas na Legião da Boa Vontade.

Por sinal, há muito venho afirmando que essa história de alguns acreditarem que os pequeninos não entendem das coisas é uma grande bobagem. Prestam atenção a tudo. Mormente, agora, nestes tempos modernos de mídia desenfreada. Sempre estão ouvindo e participando, desde o primeiro vagido.

Diante desse fato, criamos, na LBV, o Fórum Internacional dos Soldadinhos de Deus no Terceiro Milênio. Nesses encontros, eles podem cada vez mais e da melhor forma desenvolver com alegria o alto sentido da liberdade de pensar. Exercitam a arte de expressar-se com equilíbrio, de maneira clara e prática, jamais esquecendo de discorrer sobre como realizar as propostas selecionadas. E, acima de tudo, cultivam o respeito ao ponto de vista dos outros colegas.

Uma das características importantes desse Fórum é a de ser apresentado pelos próprios Soldadinhos de Deus. As atividades, produzidas por eles mesmos, abrangem diversos eixos temáticos, dentre os quais: comunicação, educação, esporte, cultura, lazer, alimentação, saúde, cidadania e trabalho, todos fundamentados na Espiritualidade Ecumênica. São realizados, entre outros, painéis, oficinas, teatros, exposições, gincanas e dinâmicas de grupo. Essas ações, além de mostrarem aos pais e aos mais velhos a visão das crianças sobre o mundo de hoje, buscam despertar nelas os valores espirituais, éticos, morais e universais, a exemplo da vontade de praticar o Bem. O foco é a vivência da Pedagogia do Afeto e da Pedagogia do Cidadão Ecumênico, ambas compõem a linha educacional que implantei nas escolas e nos Centros Comunitários da LBV, a qual visa à formação integral do indivíduo, isto é, corpo, mente e Espírito.

 

Ser como as crianças

Jesus, o Cristo Ecumênico, o Sublime Estadista, adverte: “Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, de modo algum entrareis no Reino dos Céus” (Evangelho, segundo Mateus, 18:3).

Naturalmente, o Divino Mestre referia-se à simplicidade de Alma indispensável para o entendimento dos assuntos do Espírito. A soberba é o principal inimigo dos próprios soberbos, como também o é a hipocrisia em relação aos hipócritas, pois os impedem de encontrar dentro de si os maiores tesouros espirituais. Eis ilustrativa passagem evangélica dos relatos de Lucas, 10:21: “Naquela mesma hora se alegrou Jesus em Espírito, e exclamou: Graças Te dou, ó Pai, Senhor do Céu e da Terra, que escondeste estas coisas aos sábios e inteligentes do mundo, e as revelaste aos pequeninos. Assim é, ó Pai, porque assim Te aprouve!”.

 

Versos de esperança

No seu livro Poemas da Era Atômica, em “A criança ensina o homem”, Zarur pincelou com vivas cores a benéfica contribuição dos guris na esperança de dias melhores em sociedade:

“Crianças estão cantando/ Em frente à minha janela!/ Neste mundo miserando,/ Pode haver coisa mais bela?

“A alegria que redime/ Vai por toda a vizinhança…/ Não há nada mais sublime/ Que o cantar de uma criança!

“Quando vier a tempestade,/ Ameaçando o seu lar,/ Haja só Boa Vontade:/ Uma criança a cantar!”.

 

José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor.

[email protected]www.boavontade.com

Deixe uma resposta