Higiene nasal: qual a sua importância e como fazer

Você já ouviu falar em higiene nasal? Ela é importante para que o nariz cumpra algumas de suas principais funções, tais como filtrar o ar de impurezas, regular a entrada de ar para os pulmões e proteger o corpo contra bactérias e vírus. Mas como funciona esse processo de ‘filtro’ no nariz? A otorrinolaringologista Isabela Oliveira, da Otorrinos Curitiba, explicou um pouco sobre o funcionamento do nariz e dos seios da face (ou seios paranasais).

Veja também:
:: Cera de ouvido: problema ou proteção?
:: Épocas frias exigem mais cuidados com a saúde das crianças
:: Ar condicionado e os perigos para a saúde

“O nariz e os seios da face são extensas superfícies recobertas de mucosa que são responsáveis pelo equilíbrio da temperatura e umidade do ar inspirado; têm função olfatória e de ‘filtro’ para as impurezas. Nesse tecido respiratório, temos cílios microscópicos, que se movimentam para remover continuamente o muco para fora dos seios. Diversas toxinas produzidas por bactérias e vírus causam redução do batimento ciliar. A diminuição do movimento desses cílios causa acúmulo de secreções mais espessas que o normal, aumentando a predisposição à instalação de processos infecciosos”, esclareceu.

Segundo Isabela, a lavagem nasal, além de remover o muco nasal, secreções purulentas, restos de células e crostas, diminui a inflamação local da mucosa. “Estudos mostram que pacientes que realizam a lavagem nasal têm uma menor tendência a usar antibióticos. Além disso, já está comprovado que limpar as vias aéreas em quem tem alergia ajuda a evitar infecções e crises”, completou a otorrino.

A lavagem nasal é um procedimento amplamente incentivado para prevenção e auxílio no tratamento de diversas doenças das vias respiratórias.

Como realizar a lavagem nasal?
De acordo com Isabela, a lavagem nasal deve ser realizada utilizando soro fisiológico 0,9% em temperatura ambiente. “Pode ser spray, jato contínuo ou seringa com soro. Frascos de soro fisiológico, ao contrário dos sprays, devem ser mantidos em geladeira após abertos”, resumiu a especialista.

Atenção com as crianças

A quantidade de soro a ser usada depende muito do tamanho da criança, da quantidade de secreção que ela apresenta e da tolerância da criança ao procedimento. “Uma dica é começar com pequenos volumes de soro fisiológico, como 0,5 a 1 ml em cada narina para os bebês, e com pouca pressão”, lembra a otorrino.

Ela também orienta que o bebê ou a criança deve estar sentado ou em pé, com a cabeça levemente reclinada para frente. “As crianças possuem a tuba auditiva (canal que liga o nariz até a orelha média) mais curta e horizontal, que facilita com que haja refluxo de líquidos para os ouvidos, principalmente se a criança estiver deitada. A lavagem com soro não ‘causa’ otite, muito menos pneumonia, nem é capaz de perfurar o ouvido. O processo infeccioso instalado e a secreção acumulada nas vias respiratórias é que podem causar essas complicações”, alertou Isabela.

Ela comentou, ainda, que o importante é que o médico dê as orientações corretas, principalmente para os pais realizarem o procedimento nas crianças. “Lembre-se que cada criança é única e nenhuma dica substitui as orientações do otorrino que a acompanha. Peça para ele demonstrar como você deve fazer”, resumiu.

É necessário fazer a lavagem todos os dias?
A doutora Isabela lembra que o nariz está em constante contato com o meio externo, portanto, recomenda-se realizar a higiene nasal diariamente. “Se o objetivo é apenas umidificar a mucosa porque o tempo está seco, bastam cerca de 3 vezes diárias. Mas se a criança está resfriada e com muita secreção, o ideal é de 8 a 10 vezes no dia”, aconselhou.

 

Diretor Técnico: Dr. Ian Selonke CRM-PR 19141 | Otorrinolaringologia

ÚLTIMAS NOTÍCIAS