Humanos e pets: muito em comum

Considerados como membros da família, os pets têm ocupado um espaço cada vez maior nas casas, com mais proximidade e compartilhamento de tempo. A mudança de comportamento dos tutores fez com que eles passassem a ter um melhor acompanhamento, principalmente na área de saúde, que se tornou preventiva em vez de curativa. “Ano a ano, vemos como os donos têm se preocupado mais com seus animais, investindo em alimentação, segurança e saúde. Mas, acima de tudo, eles têm ficado mais atentos às alterações de comportamento e físicas, permitindo uma rápida intervenção quando algum sintoma se manifesta”, comenta o médico veterinário e responsável técnico do HiperZoo, Adolfo Sasaki.

Essa alteração de comportamento dos donos, somada aos avanços da medicina veterinária, resultou no aumento da expectativa de vida dos pets. E o resumo de tudo isso é a incidência cada vez maior de doenças “humanas” em cachorros e gatos. Segundo Sasaki, assim como acontece com os humanos, a vida mais longeva faz com que haja maior observação de doenças como diabetes e câncer nos pets. Entretanto, a manifestação de patologias comuns acontece pelas similaridades compartilhadas entre mamíferos, que vão desde a presença de pelos até na forma como funcionam os sistemas digestivo, reprodutor e respiratório. “Essas doenças sempre existiram, mas devido à falta de acompanhamento ou tecnologia, não recebiam o prognóstico correto”, complementa o médico veterinário.

Conheça algumas das doenças e problemas de saúde que humanos e pets compartilham:

Câncer

Câncer é o nome dado ao crescimento desordenado e anormal de células. Podem se manifestar em forma de neoplasias benignas ou malignas, sendo que estes se replicam rapidamente, invadindo tecidos e se espalhando para outras partes do corpo. Dentre os tumores mais comuns em pets estão os de mama (que podem ser prevenidos com castração), de pele (ocasionados pela exposição à radiação solar) e o venéreo transmissível (comum no Brasil pela falta de castração, mas com alta taxa de cura). O tratamento do câncer é idêntico ao realizado em humanos, com o uso de quimioterapia, radioterapia e intervenção cirúrgica. “Há muita semelhança genética entre humanos e cães, e isso até tem ajudado em pesquisas e tratamentos para combater o câncer”, acrescenta o responsável técnico do HiperZoo.

Diabetes

O diabetes é a elevação de glicose no sangue que, se não tratada, pode prejudicar o funcionamento de diversos órgãos, como rins, olhos e coração. Nos pets, os primeiros sinais da doença podem ser emagrecimento (mesmo com ingestão normal de alimentação), consumo alto de água e muita urina. Assim como nos humanos, a obesidade é um dos fatores de risco para o desenvolvimento do diabetes. Fatores genéticos também influenciam na aparição da doença, que pode ser do tipo 1 ou 2 em cães e gatos, e o tratamento inclui exercícios físicos, dieta controlada e, algumas vezes, aplicação de insulina.

Lúpus

O lúpus é uma doença autoimune e sem cura, que tem duas variações nos cachorros: afetando somente a pele (lúpus eritematoso discoide - DLE) ou o corpo todo (lúpus eritematoso sistêmico - LES). A doença se manifesta por meio de inflamações em diversas partes do corpo do animal, como pulmões, corações e pele (com bastante frequência na pele da face e do focinho). Os casos de LES demandam mais atenção, uma vez que podem resultar em insuficiência renal e anemia, além de quadros mais graves que podem provocar o óbito. Alguns dos sintomas são febre, aumento do volume de urina, gengivas pálidas e dores nos membros inferiores. Já as ocorrências de DLE se manifestam em forma de lesões ou feridas. A despigmentação do focinho e a perda de ranhuras são exemplos de prognósticos. Algumas das raças que têm mais predisposição para o desenvolvimento da patologia são Pastor Alemão, Poodle e Beagle.

Cardiopatias

Problemas cardíacos são bem comuns em pets, sendo que 10% dos cães jovens manifesta alguma alteração. O caso mais frequente de cardiopatia é a insuficiência mitral, quando a válvula mitral não fecha totalmente, ocasionando no retorno para os pulmões de um pequeno volume de sangue. “A falta de ar e tosse são sintomas comuns dessa patologia, que é diagnosticada por meio de uma ecografia”, comenta Sasaki. O médico veterinário tranquiliza os tutores: “se tratada corretamente, é possível da cardiopatia não progredir. Por isso, é importante o acompanhamento veterinário e a administração correta da medicação recomendada”.

Tártaro

O tártaro é uma doença muito comum em cães e gatos, uma vez que grande parte dos tutores não investe tanto tempo na higiene dentária dos pets. Essa patologia ocorre quando há a formação de placa bacteriana nos dentes, ocasionada por restos de alimentos. “Além do mau hálito, essa situação pode resultar em outras doenças e infecções graves, como a meningite. Nesse caso, se houver evolução e atingir a corrente sanguínea do pet, pode levar ao óbito do animal”, alerta Sasaki. Além da escovação e uso de produtos para atenuação da placa bacteriana, é possível efetuar a limpeza dos dentes do animal em intervenção cirúrgica simples, mas que demanda anestesia para garantir que o pet não se machuque. centralpress@centralpress.com.br

Talvez você se interesse por estes artigos

No sábado, 23 de fevereiro, das 9h às 12h, mais de vinte instituições, participam na Boca Maldita, em Curitiba, das comemorações do Dia Mundial de...
Fechar Menu