Entenda como funciona a educação em uma Escola Bilíngue

Antigamente, para que seus filhos pudessem aprender uma língua estrangeira, os pais tinham algumas opções complementares à educação formal. Além das aulas que faziam parte do currículo da escola, podiam matricular as crianças ou adolescentes em cursos de idiomas, contratar um professor particular ou investir em intercâmbios em outros países. Essa preocupação com o domínio do inglês não era à toa. Saber outro idioma trazia melhores oportunidades de emprego e até mesmo estudos em outro país.

Hoje o domínio de uma segunda língua não mais apenas um diferencial, é uma exigência do mercado. E de olho nisso, muitas escolas particulares adotaram novas propostas de ensino, e dentre elas se destacam as escolas bilíngues. Essa modalidade que está cada vez mais chamando a atenção de pais que tem a possibilidade de dar a seus filhos uma educação diferenciada. 

Escolas bilíngues devem seguir os Parâmetros Curriculares Nacionais, que determinam que a instituições devem ter no mínimo 200 dias letivos e conteúdos programáticos determinados. Para que seja possível a integração de disciplinas em inglês, geralmente ampliam a carga horária em um contraturno, tornando-se escolas integrais. Isso se torna necessário, já que o que as caracteriza é inserir conteúdos de disciplinas como matemática, artes, ciências, história e geografia em uma língua estrangeira, trabalhando, desta maneira não só o idioma, mas também os conteúdos. O que se consegue com isso é uma perfeita integração que proporciona aos alunos não somente aulas de inglês, mas uma completa vivência real da língua e da cultura. 

Essas escolas oferecem turmas que vão desde a primeira infância até os últimos anos. E um dos motivos que tornam esse tipo de ensino tão eficiente é o contato desde o primário com outra cultura. Um relatório divulgado recentemente pela EF EPI, revela que as crianças que estudam inglês desde os primeiros anos conseguem um maior desenvolvimento na língua estrangeira. Isso é explicado pela ciência, que entende que é na infância que as conexões cerebrais estão em pleno desenvolvimento, facilitando o aprendizado. E quanto mais estímulos a criança receber, melhores serão os resultados.

 

Como funcionam as escolas bilíngues

É necessário que a escola firme parcerias com empresas que ajudarão nesse processo de transformação. Estas irão produzir todo um material específico e com base pedagógica, e ajudar na produção de conteúdos didáticos, auxiliando a escola na implementação do modelo de ensino. Faz parte também desse processo o treinamento dos profissionais que irão lidar com o alunado, os professores. 

Muitas escolas bilíngues escolhem professores estrangeiros com competência acadêmica para lecionar as disciplinas com o conteúdo estrangeiro. Isso faz parte da parte da integração e cultura, já que alguém com a vivência de determinado país terá muitas condições de passar suas experiências e trazer uma nova visão. Mas isso não impede que professores brasileiros sejam inseridos nesse processo, antes os incentiva a buscar novas qualificações com oficinas, formações continuadas e outros cursos que enriquecem seus currículos. Mas mesmo que suas disciplinas não sejam em inglês, estes devem obrigatoriamente saber falar a língua estrangeira para melhor desenvolvimento da proposta da escola.

Outro fator que faz a diferença nessas escolas e que também são resultado de um amplo estudo, é o material didático oferecido. Sabe-se que crianças pequenas têm dificuldades de focar em determinado assunto. Imagine então ter que lidar com elas durante o aprendizado em duas línguas diferentes. Para melhorar os resultados, os profissionais tem primado em buscar formas inovadoras de educar. É aqui que entram soluções como apostilas manuais e digitais e  metodologias que incluam o uso de ferramentas e recursos estratégicos tais como: jogos interativos, músicas, uso de séries e filmes, sites interativos, revistas e outros meios. Isso fará com que o estudante amplie seu vocabulário, melhorando a gramática e o hábito de se comunicar em ambas as línguas. Um exercício muito incentivado é o de assistir a filmes em língua estrangeira e evitando-se a utilização de legendas.

A integração entre os alunos também é algo visto de perto pelos professores, através das interações que buscam incentivar posicionamentos críticos e desenvolvimento cognitivo através de conversações e grupos de estudo. Esses momentos são imprescindíveis em qualquer nível, já que permitem um crescimento intelectual e social, desenvolvendo hábitos saudáveis e melhorando a interpretação. 

Esse projeto que começa ainda na infância, colhe seus resultados no futuro, quando os jovens terminam o ensino médio e têm um currículo e vivência mais amplo. Com isso abrem-se oportunidades reais de continuar seus estudos em universidades estrangeiras e poder se integrar ao mercado em qualquer lugar do mundo, tendo condições de construir um futuro brilhante. E é esse o maior diferencial de uma escola bilíngue, possibilitar um ensino mais completo e com possibilidades bem mais amplas.

m.p.a.

Comments are closed.