Em tempos de pandemia, devo procurar hospital para tratar outras doenças?

Em tempos de pandemia, devo procurar hospital para tratar outras doenças?

A pandemia do novo coronavírus causou alterações profundas em diferentes aspectos da vida em sociedade. Inclusive a incerteza sobre quando procurar um hospital se tiver com sintomas de outras doenças. 

Muitos relatos de profissionais e instituições médicas apontam a redução na procura por parte dos pacientes. A alegação é o medo de ser contaminado pela Covid-19. 

Há casos em que o atendimento pela teleconsulta é possível, sendo uma ótima saída para não deixar que os problemas de saúde fiquem sem atenção. 

No entanto, em situações de emergência, a orientação é ir imediatamente para um hospital, já que a demora pode comprometer o quadro e colocar a vida da pessoa em risco. 

Quando recorrer à teleconsulta 

A consulta a distância de um paciente por um médico – teleconsulta – foi autorizada pelo Ministério da Saúde e pelo Conselho Federal de Medicina enquanto durar a emergência pelo novo coronavírus, como forma de facilitar o acesso ao atendimento. 

Esta modalidade de consulta também é coberta pelos planos de saúde. Em geral, o paciente faz a marcação pelo site do próprio plano e recebe um link para ter contato por videochamada com o profissional escolhido, seja na clínica geral, pediatria, cardiologia, entre outras especialidades. 

Ao final, as receitas, pedidos de exames, atestados e outros documentos são enviados ao paciente por e-mail. 

Esta é uma boa maneira de manter o acompanhamento de quem já está em algum tipo de tratamento ou de realizar atendimento para quadros leves, que possam ser solucionadas sem a necessidade de ir ao hospital. 

Ou seja, o paciente tem acesso ao médico sem precisar sair de casa e evita o abandono ou a interrupção do tratamento. Especialmente nos quadros crônicos, a opção de teleconsulta pode prevenir agravamentos ou que uma situação de urgência seja desencadeada.

A orientação é que, assim que possível, as consultas remotas sejam seguidas de atendimentos presenciais. 

No caso específico da Covid-19, a teleconsulta pode representar a orientação para pacientes assintomáticos, diagnosticados após exames, ou com sintomas leves. Assim, a pessoa já atende às normas da quarentena, sem precisar expor a si mesmo e a terceiros. Além disso, também serve para o monitoramento dos sintomas e a mudança de atendimento caso seja necessário. 

Quando procurar um hospital 

Em casos de emergências, a orientação é ir imediatamente para o hospital.  

E esta não é uma recomendação que vale apenas para pacientes com sintomas mais graves do novo coronavírus. Se refere também a suspeitas de infarto, acidentes vasculares cerebrais, fraturas, reclamações de dores no peito, dificuldade para respirar, entre outros. 

Ou seja, quando houver necessidade imediata de suporte hospitalar para a manutenção da vida, o atendimento deve ser presencial. 

Muitas unidades médicas possuem locais separados nas emergências para pessoas com sintomas de Covid-19 e para quem precisa de atendimento para outras doenças. Em ambas as situações, há um protocolo de segurança sanitária a ser seguido para proteger os profissionais e os pacientes. 

Pessoas com cardiopatias, em tratamento de câncer ou outras doenças crônicas devem procurar um hospital tão logo sintam algo diferente. 

Muitas vezes, nestes casos, o tempo pode fazer a diferença para evitar maior comprometimento do quadro, o que reflete na intervenção necessária para estabilizar ou curar o paciente. 

Desta forma, a ponderação é simples: se a vida estiver em risco, vá para o hospital. Se for algo mais leve, a teleconsulta com o médico pode ser a opção inicial mais adequada.

m.p.a.