Posso dormir utilizando um absorvente interno?

Apesar de seguro, uso incorreto de absorvente interno pode favorecer o surgimento da síndrome do choque interno, condição que pode resultar até mesmo em morte.

Posso dormir utilizando um absorvente interno?Durante o período menstrual, o uso de um absorvente é fundamental para impedir vazamentos. No entanto, algumas mulheres sentem incômodo ao usar absorventes externos, principalmente na hora de dormir, optando então pela utilização dos absorventes internos. Porém, surge a dúvida: é realmente seguro dormir utilizando esses produtos? Segundo ginecologista Dra. Ana Carolina Lúcio Pereira, da Clínica Fada (https://www.clinicafadasaude.com.br/) e membro da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia), sim e não. “Contanto que você durma por, no máximo, oito horas e use o absorvente de menor absorção possível, não há problema nenhum. Caso contrário, há um aumento considerável no risco de você sofrer com síndrome do choque tóxico, uma condição rara, mas extremamente grave”, alerta a médica.

De acordo com a ginecologista, a síndrome do choque tóxico é uma infecção causada pelas toxinas de bactérias Gram-positivas que desencadeiam uma série de sintomas graves — incluindo febre, garganta inflamada, descamação da pele, inchaço e dores musculares— que podem evoluir para complicações como insuficiência renal aguda e até mesmo morte. “A condição é constantemente relacionada ao uso de absorventes internos, pois o sangue menstrual acumulado e a composição do produto são fatores que favorecem a proliferação das bactérias Gram-positivas, que fazem parte da microbiota natural da vagina”, explica. No entanto, a síndrome do choque tóxico possui outras causas como uso de diafragma, infecção uterina pós-parto e incisão cirúrgica infectada, podendo então ocorrer até mesmo em homem.

Apesar disso, é importante ressaltar que a síndrome do choque tóxico não deve ser impedimento para o uso de absorventes internos, visto que esses são perfeitamente seguros, desde que utilizados corretamente. Por isso, tome alguns cuidados ao usar esse tipo de produto, como alterná-lo com o uso do absorvente externo. “Tome cuidado também na hora de escolher qual produto comprar, evitando aqueles com capacidade muito grande de absorção do sangue, o que aumenta o risco do desenvolvimento da síndrome. Além disso, lembre-se de sempre lavar as mãos antes de colocá-lo ou retirá-lo”, aconselha a especialista. “Porém, o cuidado mais importante para evitar a condição tem relação com o tempo de uso do produto, que não deve ser superior a 4 horas, já que o sangue acumulado por muito tempo é um meio extremamente favorável para a proliferação de fungos e bactérias, além de provocar um odor desagradável. E caso você tenha um fluxo muito intenso, a troca do absorvente deve ser ainda mais frequente”, destaca. Então, para quem prefere dormir com o absorvente interno, a recomendação é acordar no meio da noite para trocá-lo.

Por fim, a médica ressalta que, caso você apresente os sintomas da síndrome do choque térmico, o mais importante é procurar rapidamente o médico, já que o tratamento da condição deve ser iniciado o quanto antes, o que, geralmente, exige internação para a administração de antibióticos diretamente na veia. “É necessário ter em mente ainda que a condição, quando é causada pelo uso de absorventes internos, tende a retornar de forma mais leve após certo período, principalmente se a utilização desse tipo de produto não for interrompida. Por isso, o acompanhamento médico mesmo após o tratamento é fundamental, além da adoção dos cuidados de prevenção da doença”, finaliza a Dra. Ana Carolina Lúcio Pereira.

FONTE: *DRA. ANA CAROLINA LÚCIO PEREIRA – Ginecologista, membro da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia), especialista em Ginecologia Obstetrícia pela Associação Médica Brasileira e graduada em Medicina pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro em 2005. Especialista em Medicina do Tráfego pela Abramet, a médica realiza consultas ginecológicas, obstétricas e cirurgias, atuando na prevenção e tratamento de doenças gineco-obstétricas com foco em gestação de alto risco. https://www.clinicafadasaude.com.br

maria.claudia@holdingcomunicacoes.com.br