Consumo de alimentos orgânicos cresce mais de 50% no Brasil

Consumo de alimentos orgânicos cresce mais de 50% no Brasil

Alimentos orgânicos são livres de adubos químicos, aditivos sintéticos, hormônios e agrotóxicos Créditos: Divulgação/Jasmine

Cada vez mais, a inserção de alimentos saudáveis na alimentação diária acontece, principalmente, pela preocupação com a saúde. Os orgânicos, cultivados de maneira sustentável na agricultura orgânica ou biológica, são livres de adubos químicos, aditivos sintéticos, hormônios e agrotóxicos, e enriquecem o cardápio. Segundo a Associação de Promoção dos Orgânicos (Organis), no primeiro semestre de 2020, a venda de produtos orgânicos teve crescimento de mais de 50% no Brasil.

E o país está se consolidando como um grande produtor e exportador de alimentos deste tipo. Uma pesquisa recente realizada pela Nielsen, empresa de pesquisa especializada em análise de varejo, revelou que “orgânico” é um dos pilares do crescimento voltado para alimentos saudáveis.

Referência nesse segmento, a Jasmine Alimentos apresenta dados de crescimento em produtos orgânicos, que são reflexo de uma longa trajetória trabalhando com esse tipo de produto. “Há 18 anos, a Jasmine possui a linha orgânica. Surgiu com a necessidade de promover saúde às pessoas, que é uma filosofia da empresa desde sua fundação. Tanto que as vendas da empresa para o comércio tiveram um crescimento de 9,9% em toneladas. O que demonstra que não só as pessoas estão em busca de uma alimentação saudável, mas o comércio também. Assim como percebemos o reflexo das grandes redes que tem cadastrado cada vez mais produtos orgânicos, o que resulta no crescimento de 71% de venda dos produtos da Jasmine para grandes redes”, afirma a gerente de inovação de produto da empresa, Melissa Gomide Carpi.

Os dados positivos quanto ao crescimento do consumo de produtos orgânicos demonstram um sinal de maior nível de consciência do consumidor. Em outra pesquisa realizada pela Organis, 84% dos entrevistados apontam como principal motivo para o consumo de orgânicos a preocupação com a saúde.

Está enganado quem pensa que a agricultura orgânica é apenas um processo voltado a produtos saudáveis, sem contaminantes. “O processo contribui também para as atividades biológicas do solo, preservar a biodiversidade e os ciclos naturais. Respeita a terra, fauna e flora e não afeta o meio ambiente. Com reflexos diretos em nossa saúde, o consumo de alimentos orgânicos ajuda a fortalecer a sustentabilidade de uma cadeia de suprimento ecológica. Além disso, são considerados essenciais para o desenvolvimento saudável do corpo por serem cultivados de maneira natural. Por isso, são alimentos ricos em nutrientes”, ressalta Melissa.

Desde o início de sua trajetória, a Jasmine se preocupa com o uso de matérias-primas e produção de alimentos saudáveis, que protegem a vida animal e vegetal e respeitam o equilíbrio da natureza. “Acreditamos no poder de transformação da comida e, principalmente, em estar integrado com o meio ambiente. Nas quatro categorias que trabalhamos, orgânicos, integrais, sem glúten e zero açúcar, nos atentamos a todos os processos e com todos os produtos. Em nosso portfólio de produtos orgânicos temos desde açúcar mascavo e farinha de trigo, até cookies e bebidas vegetais”, comenta Melissa.

Classificação de produtos orgânicos

O número elevado de feiras orgânicas no Brasil e no mundo demonstram a importância da alimentação mais saudável e consciente. Mas, para um alimento ser considerado orgânico, segundo legislação brasileira e internacional, ele deve apresentar selo de certificação que explicita a categoria e porcentagem de produção de cultivo orgânico.

Um produto considerado “in natura” é aquele 100% orgânico, cultivado de acordo com todas as regras de produção orgânica. Já o produto considerado Orgânico é aquele que contém pelo menos 95% de ingredientes produzidos de modo orgânico. Outra classificação é a de “produto feito com ingredientes orgânicos”, ou seja, o produto possui de 70% a 95% de ingredientes orgânicos. Para os produtos que contêm menos de 70% de ingredientes orgânicos, mas seguem as regras estabelecidas pela legislação, são considerados produtos naturais.