Investimentos bilionários vão ampliar e modernizar 14 aeroportos do Paraná

Aeroporto de Foz do Iguaçu – Foto: Jonathan Campos/AEN

O Paraná terá 14 aeroportos completamente modernizados nos próximos anos. Dois deles, inclusive, já estão em operação – Cascavel, na Região Oeste, e Umuarama, no Noroeste. Entre recursos do Governo do Estado, União e iniciativa privada, os investimentos superam a ordem de R$ 1,5 bilhão.

O planejamento, explicou o governador Carlos Massa Ratinho Junior, é fazer com que o transporte aéreo seja protagonista na transformação do Paraná em hub logístico da América do Sul, acompanhando a modernização de estradas, linhas férreas e dos portos de Antonina e Paranaguá. Esse conjunto estrutural será essencial para a modernização e desenvolvimento do Estado nas próximas décadas.

“A revitalização de aeroportos e as conexões aéreas que esses investimentos possibilitam certamente atrairão mais empresas, empregos, negócios inovadores, além de fortalecer o agronegócio e o trabalho das cooperativas, que são pujantes no Paraná”, comentou. “É mais um passo que damos para dotar o Paraná da melhor infraestrutura logística do País e da América do Sul”.

As ações são diversificadas. Duas obras estão prontas e foram entregues à população. Com investimento de R$ 40 milhões, o novo terminal de Cascavel, na Região Oeste, começou a receber passageiros no fim do ano passado. A intervenção englobou a revitalização e duplicação de 2,2 quilômetros da Avenida Itelo Webber, que dá acesso ao terminal, um estacionamento para 398 automóveis, novo pátio de estacionamento das aeronaves, um novo terminal de passageiros com cinco portões e dois pavimentos, dois fingers e aquisição do mobiliário aeroportuário e dos equipamentos de informática.

A Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Obras Pública custeou mais de 50% da obra, com investimento de R$ 20,5 milhões – governo federal e Itaipu Binacional também foram parceiros do projeto.

O terminal de Umuarama, no Noroeste, por sua vez, contou com apoio de quase R$ 1 milhão para aquisição de diversos equipamentos estruturais e de tecnologia.

Outros quatro aeroportos estão com obras em andamento. No de Pato Branco, no Sudoeste, o Estado investiu R$ 2,87 milhões na pavimentação asfáltica, recapeamento e sinalização horizontal da pista de pouso, área de escape, pátio de manobras e pista de taxiamento. Mais R$ 27 milhões foram destinados recentemente, o que vai permitir à prefeitura concluir a ampliação, incluindo o aumento da pista.

Já a pista do Aeroporto Municipal Aguinaldo Pereira Lima, em Siqueira Campos, no Norte Pioneiro, está recebendo recapeamento asfáltico e sinalização horizontal. Ela tem 1.210 metros de extensão e 23 metros de largura. As intervenções estão 84,37% executadas. O valor é de R$ 2 milhões, com recursos da Secretaria de Estado da Infraestrutura e Logística.

Polo regional do Noroeste, Maringá terá ainda neste ano um aeroporto com capacidade ampliada. O terminal passa por obras orçadas em R$ 81,5 milhões com recursos do Fundo Nacional de Aviação Civil. Entre as melhorias, estão a reforma e ampliação da pista em 280 metros – vai chegar agora a 2.380 metros –, nova taxiway, ampliação do pátio e balizamento de LED.

“Maringá, com isso, poderá disputar com Campinas para ser um dos principais terminais de transporte de carga do País”, disse Ratinho Junior.

Também com recursos federais, estimados em R$ 35,3 milhões, o Aeroporto Comandante Antônio Amilton Beraldo, mais conhecido como Aeroporto Sant’Ana, em Ponta Grossa, nos Campos Gerais, vai ganhar uma nova taxiway, a reforma e ampliação do pátio de aeronaves, estacionamento de veículos, cerca operacional e terminal de passageiros com mais de 2 mil metros quadrados.

NOVOS CONVÊNIOS – Há, também, quatro protocolos em fase de instrução processual para a celebração de convênios entre Governo do Estado e municípios, em Cornélio Procópio, Arapongas (Norte) e Paranavaí e Loanda (Noroeste).

A maior parte do investimento, de R$ 5,49 milhões, se dará em Loanda, com a reforma de edificações, recape e sinalização horizontal da pista. Em Cornélio Procópio serão mais R$ 4,7 milhões para recapeamento asfáltico e balizamento noturno. A ampliação da pista de Arapongas vai custar R$ 4,31 milhões e o recapeamento asfáltico e sinalização horizontal do terminal de Paranavaí outros R$ 3,30 milhões. Os recursos são da Secretaria da Infraestrutura e Logística.

“A série de mudanças que estão sendo colocadas em andamento pelo Governo do Estado em diversos aeroportos é um exemplo de como olhamos para a infraestrutura de forma integrada, em busca de encurtar distâncias”, ressaltou o secretário estadual da Infraestrutura e Logística, Sandro Alex.

CONTATO COM O COLUNISTA    pietrobelliantonio0@gmail.com

Últimas notícias

1 COMENTÁRIO

  1. De certo modo é uma boa notícia. Porém, também é fácil perceber que a maior parte dos investimentos serão nos aeroportos em processo de concessão a iniciativa privada.

    O viés do governo do estado para os aeroportos regionais continua o mesmo. Reformar ou construir aeroportos com puxadinhos e pistas de pouso curtas, estreitas em asfalto mole de 1.200 x 23m ou no máximo 1.400m de comprimento. Outros sítios aeroportuários já estão completamente cercados por bairros autorizados diretamente pela prefeitura local e benesses a especulação imobiliária, consequentemente impedido qualquer futura expansão da pista e todo o complexo por ocupação de áreas essenciais nas laterais e cabeceiras. Planejamento zero.

    Foge do conhecimento do estado do Paraná a necessidade de preparar seus aeroportos para a nova geração de turboélices de 90 e 100 lugares em desenvolvimento pela Airbus, ATR e Embraer. Muito menos preparar os aeroportos para o advento dos jatos regionais. O estado ainda acredita em fortes subsídios a aviação sub-regional com aeronaves de apenas 09 lugares. Mercado esse, ultrapassado na grande maioria das cidades brasileiras devido principalmente ao forte crescimento do agronegócio. Após 03 anos, o Voe Minas, com também aeronave de 09 lugares foi encerrado com R$ 52 milhões de reais de rombo ao erário e repassados ao contribuinte de Minas Geras. Pior, não criou infraestrutura nem trouxe benefícios socioeconômicos duradouros as cidades.

    Não entendo a dificuldade do Paraná construir pistas básicas regionais 1.600 x 30m + PCN 31 (do inglês Pavement Classification Number) e pistas para Jatos regionais 1.900 x 45m + PCN 44.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui