HOME Vida e Saúde Conheça as contraindicações para a vacinação

Conheça as contraindicações para a vacinação

Mesmo com eficácia e importância na prevenção de doenças, existem casos em que a imunização não deve ser realizada ou precisa de autorização médica

Nos períodos mais críticos da humanidade, as vacinas sempre estiveram presentes cumprindo um papel importante na prevenção e garantindo o bem-estar e a saúde de bilhões de pessoas. Quando nos vacinamos, de forma coletiva, reduzimos a possibilidade de um determinado vírus circular e dessa forma, protegemos a nossa sociedade: quanto maior a taxa de vacinação no país, menor a chance de surtos de doenças e a volta de doenças já erradicadas. Porém, em alguns casos, a vacinação deve ser acompanhada de algumas recomendações médicas e em outros, ainda mais pontuais, a vacinação deve ser evitada.

Para a enfermeira especialista em vacinação da Clínica Vacinne, Katia Oliveira, vivemos um momento em que é preciso reforçar a importância e a conscientização sobre a imunização individual e coletiva, mas também é importante buscar entender em que casos a vacinação precisa contar com um acompanhamento médico. “A vacinação é uma prática fundamental que garante a redução de casos de doenças graves e das chances de hospitalização. Na grande maioria dos casos, a vacina pode ser aplicada sem medo, porém existem algumas contraindicações pontuais, que estão relacionadas às pessoas com algumas situações de saúde como indivíduos imunossuprimidos, que fazem tratamentos de quimioterapia, transplantados, grávidas, entre outras situações, que são consideradas exceções”, explica.

Nesses casos Kátia explica que as contraindicações ficam restritas às vacinas fabricadas com bactérias ou vírus vivos, como é o caso da vacina BCG, tríplice viral, catapora, poliomielite e febre amarela. “As demais vacinas, que não contêm bactérias ou vírus atenuados, podem ser administradas com segurança”, afirma.

Outros casos que merecem atenção são com relação ao indivíduo com alergia a algum componente da vacina. Nesses casos, Kátia reforça sobre a importância de consultar um médico alergologista, para entender se a vacina deve ou não ser administrada. “Nos casos de alergia, temos dois grupos de atenção, que são as pessoas alérgicas ao ovo e as alérgicas à gelatina. Nesses casos, o indivíduo deve procurar o seu médico para avaliar o risco/benefício da aplicação de algumas vacinas como a contra gripe, tríplice viral, febre amarela, raiva, varicela e tríplice bacteriana (difteria, tétano e coqueluche)”, explica.

Além das contraindicações reais, Katia reforça sobre as falsas contraindicações. “Há muita desinformação e mistificação com relação à vacina, portanto é fundamental buscar as informações corretas e priorizar a vacinação sempre”, finaliza.

Casos em que a pessoa com alergia deve buscar uma avaliação médica:

Alergia ao ovo: vacina da gripe, tríplice viral e da febre amarela

Alergia à gelatina: vacina da gripe, tríplice viral, febre amarela, raiva, varicela, tríplice bacteriana: difteria, tétano e coqueluche

Falsas contraindicações:

Diarreia, gripe, resfriado

Doenças neurológicas não evolutivas, como a síndrome de Down e a paralisia cerebral

Convulsões, epilepsia

Indivíduos com antecedentes familiares alérgicos à penicilina

Desnutrição

Ingestão de antibióticos

Doenças cardiovasculares crônicas

Doenças de pele

Bebês prematuros ou com baixo peso, exceto o BCG, que deve ser aplicado somente em crianças com mais de 2 kg

Bebês que sofreram icterícia neonatal

Aleitamento materno, no entanto, neste caso, deve ser sob orientação médica

Alergias, exceto as que se relacionam com os componentes da vacina

Internação hospitalar

SEM COMENTÁRIOS

Sair da versão mobile