HOME + Mais Negócios Revolução verde no setor lácteo: UltraCheese investe e prevê reutilização de 540...

Revolução verde no setor lácteo: UltraCheese investe e prevê reutilização de 540 mil litros de água por dia

Unidade fabril de São João do Oeste (SC)

De acordo com a organização não-governamental WWF, a preocupação com a falta de água no dia a dia atinge 81% dos brasileiros. Alinhadas a essas demandas, as empresas têm se preocupado cada vez mais em alinhar seus objetivos à práticas mais sustentáveis e que dialoguem com os desafios contemporâneos.

Atenta às iniciativas ESG (Environmental, Social and Governance), e preocupada com a escassez de recursos hídricos nas cidades onde possui unidades fabris, a UltraCheese, referência no setor de laticínios, anunciou recentemente investimentos significativos em projetos de segurança e reutilização de água, bem como de tratamento de efluentes. O aporte em iniciativas para a redução do consumo e o reuso, por exemplo, já alcançou a marca de R$ 18 milhões.

“Na Unidade fabril de São João do Oeste (SC) foram investidos R$ 12 milhões, permitindo a recuperação de 6.848m³, o equivalente a 4,8% do consumo total de água da unidade. Outros R$ 6 milhões foram investidos na unidade de Cruzília (MG). Além disso, a nossa meta para 2025 é reduzir em 10% o consumo de água por tonelada de produto acabado”, observa Luiz Eduardo Garcia, Coordenador de Meio Ambiente Corporativo da UltraCheese.

Para otimizar o consumo de água, a marca iniciou o projeto de instalação de uma Estação de Tratamento de Água (ETA), que contará com um sistema de captação de água da chuva e água recuperada no sistema de osmose reversa do soro concentrado, com capacidade de tratar mais de 100m³/dia de água recuperada. A medida, além de garantir a disponibilidade do recurso, visa reduzir a pressão sobre o sistema municipal de abastecimento.

Reutilização de água e rentabilização do soro de leite

Os projetos de sustentabilidade da marca abrangem também a ampliação da capacidade produtiva de soro de leite concentrado extraído diretamente do processamento dos queijos. Até o momento, as unidades citadas já receberam cerca de R$ 25 milhões de investimento para alcançar esse objetivo.

A expectativa é de que o processo automatizado de extração das proteínas de soro de leite, que será concluído nas duas unidades, permita a reutilização de até 540 mil litros de água/dia, reduzindo a sobrecarga do sistema público de abastecimento e evitando o desperdício do recurso natural.

“Também aproveitamos todo material resultante da produção de queijos através da tecnologia de osmose reversa, resultando em dois produtos: soro concentrado de valor agregado, que é posteriormente comercializado, e água filtrada e limpa”, explica Garcia. A água é direcionada para a área de utilidades e empregada na caldeira e lavagem de caminhões transportadores de leite, entre outros, permitindo a redução de consumo de 50 mil litros de água/dia.

“Além de realizar o tratamento e de reutilizar a água, solucionar a destinação e de rentabilizar o soro de leite, a emissão de gases de efeito estufa também é reduzida em decorrência da otimização da cadeia logística e, por consequência, da menor queima de combustível”, complementa.

Tratamento diário e gestão de efluentes

A política de redução do consumo e de reutilização da água tem forte impacto na produção de menor volume de efluentes resultantes do processo produtivo nas unidades fabris. Além disso, em todas unidades, são utilizados biorremediadores e bioestimulantes. Enquanto o primeiro grupo auxilia a decomposição de compostos nocivos e de maior complexidade, o segundo reduz o tempo de tratamento e a utilização de produtos químicos no processo.

“Desde 2022, realizamos o monitoramento diário do índice de eficiência na remoção de carga e o controle de perdas na produção. Somadas, as unidades da marca apresentam capacidade diária de tratamento de 1.453 m³ de efluentes”, afirma Garcia. “Projetos e iniciativas como estas reforçam o compromisso da UltraCheese com a preservação do meio ambiente e o desenvolvimento sustentável das comunidades em que atua”, conclui.

SEM COMENTÁRIOS

Sair da versão mobile