Últimas

Arquitetas da EFTM dão dicas de como adequar a decoração de quartos de crianças para jovens

Quando uma gravidez é anunciada, uma das primeiras preocupações dos pais é com relação ao quarto do bebê. O ideal é projetar um cômodo infantil desde quando a criança é bem pequena, mas e após seu crescimento, como adequar a decoração para um adolescente? As profissionais da EFTM Arquitetura dão algumas dicas.
Funcionalidade
            Quartos para crianças precisam ter espaço suficiente para guardar todos os brinquedos, já os adolescentes precisam de mais lugares para as roupas e os materiais escolares. Por isso, a primeira dica é planejar bem o aproveitamento do ambiente. “Algumas soluções como camas com gavetas ou camas box com baú, prateleiras suspensas, painéis para TV, móveis sob medida e espelhos facilitam a organização e ainda dão a sensação de amplitude do espaço”, exemplifica Erika Fukunishi, arquiteta da EFTM. A adolescência é uma fase importante para assumir responsabilidades de manter o próprio espaço limpo e organizado, por isso é interessante aproveitar cada espaço para colocar nichos, gavetas, prateleiras para o dia a dia e otimizar lugares pouco usados.
Reaproveitamento
            O período que a criança utiliza o berço e a cama pequena é muito curto, mas hoje em dia os pais não precisam mais se desfazer de todos os móveis. Existem opções projetadas para serem reaproveitadas depois, como os berços que se transformam em cama e cômoda ou em uma mesa de estudos. Se a cor dos móveis for neutra, como o branco, eles podem ser mantidos sem comprometer o restante da decoração, que pode ser modificada com o passar dos anos. “Com a ajuda de um profissional, isso pode ser previsto desde o início do projeto e os  móveis mais adequados para cada caso serão selecionados. Se eles foram comprados prontos, aconselha-se que tenham o selo aprovado pelo Inmetro e órgãos competentes da área infanto-juvenil”, explica Thalita Miyawaki.
Decoração atemporal
            Utilizar papéis de parede temáticos de personagens, desenhos infantis ou desenhos geométricos é comum nos quartos de criança e podem ser substituídos ao longo do tempo. Trocar a linha têxtil do quarto, como jogo de cama, colchas e cortinas também dá uma cara nova e, quem sabe, mais “adulta” ao ambiente. “Os adolescentes precisam de um espaço em que se sintam confortáveis de acordo com suas necessidades, gostos, e hábitos. Para que eles não enjoem das cores e estilos, uma dica é utilizar as peças maiores, como móveis mais neutros e ousar na decoração com adesivos que podem ser retirados posteriormente. Outra opção é apostar em almofadas, roupas de cama, tapetes, pufes, e objetos como pranchas de surfe, skate, bicicletas, bolas, murais de fotos, bonecas de decoração, etc”, comenta Erika Fukunishi. Em quartos masculinos, é possível explorar os espaços para jogos como videogames, televisão, instrumentos musicais. Já no caso das meninas, o que não pode faltar é a penteadeira ou um local para colocar bolsas, joias, relógios, acessórios para cabelo e maquiagem e um espelho de corpo inteiro.
O que evitar
            Para que o quarto perdure por mais tempo durante essa fase de transição, alguns aspectos devem ser evitados: pinturas temáticas que podem se enjoar rapidamente; camas fofas, ou em formatos específicos: invista em qualidade e quanto maior melhor; armários e escrivaninhas pequenos: coloque peças de tamanho padrão para que possa servir o pré-adolescente e o adulto; cor azul, quartos azuis acabam sendo pessoas mais vagarosas e possuem uma sonolência durante todo o dia, exceto para as crianças hiperativas. Com essas dicas, com certeza seus filhos terão um cantinho que vai ter a cara deles durante um bom tempo.
Sobre a EFTM Arquitetura:
Em 2013, as arquitetas Erika Fukunishi e Thalita Miyawaki se uniram e fundaram a EFTM Arquitetura, escritório especializado em projetos de urbanismo, interiores e arquitetônicos. Jovens e cheias de ideais, as duas buscam atenção aos detalhes e desejos dos clientes para oferecer projetos funcionais, personalizados e agradáveis visualmente. Erika Fukunishi está formada desde 2010 pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná no curso de Arquitetura e Urbanismo e é especialista em Construções Sustentáveis pela Universidade Tecnológica do Paraná. Thalita Miyawaki, também formada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná no curso de Arquitetura e Urbanismo, desde 2007, é especialista em Gestão Técnica do Meio Urbano pela mesma instituição.
Serviço:
EFTM Arquitetura
Erika Fukunishi – CAU/PR nº A67408-7
Thalita Miyawaki – CAU/PR nº A53912-0
Rua Professor Paulo D’Assumpção, 132, Jardim das Américas – Curitiba (PR)
Os créditos são de Nenad Radovanovic.
<jornalismo03@bgcomunicacao.com.br>

Escreva um comentário

Seu e-mail não será divulgado


*