Crematório Vaticano representa o Brasil na Convenção Internacional da Indústria Funerária

Os maiores profissionais do ramo funerário do mundo se reuniram em Milão, na Itália, de 16 a 19 de setembro, durante a Convenção Internacional da Indústria Funerária. O evento é promovido pela Federação Internacional das Associações de Tanatólogos (FIAT IFTA), a maior federação internacional do segmento, que reúne membros de mais de 80 países. O Crematório Vaticano, com sede em Curitiba e unidades em Santa Catarina, representou o Brasil no encontro.
 “A convenção é importante para conhecer o que há de mais atual ligado a esse mercado e discutir as grandes questões que envolvem o funeral no mundo. Fomos em busca de atualização, novas tecnologias e da troca de experiências com outros países”, destaca Mylena Cooper, diretora do Crematório Vaticano.
Reuniões, sessões de formação profissional, visitas técnicas a fábricas e cemitérios, debates sobre soluções de “green burial” e desafios sanitários, além de discussões sobre procedimentos de tratamento em situações extremas, como as questões relacionadas ao ebola, fizeram parte da programação. “Um dos principais assuntos tratados foi o trabalho realizado junto à Unesco para preservar os patrimônios históricos e culturais dos ritos funerários de cada país. Também foram bastante discutidas as soluções para fazer os rituais com menor impacto ambiental”, acrescenta Mylena. A empresária traz, como novidades, novos formatos de destino ao corpo, menos impactantes que a cremação e o sepultamento.
Paralelamente, a Feira Funerária Tanexpo apresentou produtos do segmento, incluindo novidades na preparação de corpos, caixões, fornos de cremação, maquiagens para falecidos, entre outros.
Único participante brasileiro na convenção, o Crematório Vaticano, que é membro da FIAT IFTA há dez anos, também participou da reunião do comitê da federação. A FIAT IFTA tem o objetivo de estudar as questões jurídicas, morais, sociais e científicas relativas às atividades tanatológicas, promover a compreensão entre profissionais de serviço funeral do mundo para atingir padrões uniformizados e definir tratados para o repatriamento internacional eficiente dos falecidos. “Outros objetivos são incentivar e desenvolver conhecimentos sobre embalsamamento em todo o mundo e aumentar o nível de conhecimentos profissionais dos praticantes de serviços funerários”, acrescenta Mylena.
O evento também celebrou o 50º aniversário da FeNIOF, a mais antiga Federação Italiana de Administração Funeral , fundada em Bolonha em 1965. 
cinthia@vocali.com.br

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.