Incorporadoras aproveitam cenário econômico para investir em carteira de terrenos

A redução no número de unidades residenciais a serem entregues em Curitiba e de estoque, assim como o ajuste na quantidade de unidades liberadas para construção, indicam a composição de um cenário propício para o lançamento de novos empreendimentos imobiliários nos próximos anos. Segundo os dados da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Paraná (Ademi/PR), devem ser entregues 6.499 apartamentos residenciais na capital nesse ano, 19,4% a menos do que em 2014.

Ainda, segundo pesquisa da entidade de classe, considerando os últimos 12 meses e tendo agosto como mês de referência, a quantidade de unidades novas em estoque recuou 9%, ficando abaixo de 11 mil imóveis, melhor resultado desde dezembro de 2013. Já a quantidade de habitações residenciais licenciadas para construção na capital paranaense passou de 13.044 unidades, em agosto de 2013, para 8.053 unidades, em agosto desse ano.

Na avaliação do diretor de empreendimentos da Swell Construções e Incorporações, Leonardo Pissetti, esse cenário de estabilização da oferta e demanda de novos na capital, aliada às indefinições políticas e econômicas que se perpetuaram no país nesse ano e pressionaram o represamento dos investimentos por parte dos incorporadores, sugere a constituição de um ambiente favorável para o aporte em novos empreendimentos.

“Quanto antes essas questões nacionais forem equacionadas, mais rápido esse cenário deve se concretizar. Numa previsão otimista, acreditamos que isso deve acontecer até o primeiro semestre do ano que vem, com incremento no número de lançamentos em relação a esse ano. Caso contrário, a tendência é que, mesmo com os projetos aprovados, os empresários retardem esses investimentos”, analisa.

Pissetti diz que enquanto aguarda uma solução definitiva para esses impasses, tal qual os demais setores produtivos da economia, a empresa prospecta novas áreas para a implantação de empreendimentos imobiliários em Curitiba e já prevê dois lançamentos para o próximo ano. A prática, chamada de land banking, consiste na aquisição de terrenos cujas características territoriais, geográficas e topográficas sejam atraentes para loteamento e venda no futuro, com ganho de capital. “Nós estamos encerrando o ciclo de 2012 agora em 2015 e, como trabalhamos com ciclos de 36 meses a 40 meses, iniciamos o planejamento do próximo”, detalha.

A Swell Construções e Incorporações encerra esse período com cinco empreendimentos lançados, nos bairros Cabral, Água Verde, Mercês, Vila Izabel e Champagnat, compreendendo 149 unidades edificadas e 36,1 mil m² construídos, totalizando um Volume Geral de Vendas (VGV) de R$ 120 milhões. De todas as unidades colocadas à venda, apenas 11 ainda estão disponíveis para comercialização. “Historicamente, nossos imóveis são quase totalmente vendidos durante o período da obra, pois, somos bastante rigorosos na aprovação do cadastro do comprador”, explica Pissetti.

Lançamentos – O empresário conta que um dos empreendimentos previstos para lançamento será no Portão. O condomínio residencial de alto padrão, em fase de aprovação, deverá abrigar apenas uma torre, num total de aproximadamente 43 unidades. A maioria delas será de apartamentos de três dormitórios, com duas vagas de garagem. Em menor número, haverá opções de unidades com dois dormitórios, com opção de uma ou duas vagas de garagem, e de coberturas com três e quatro dormitórios, com opção de duas ou três vagas de garagem. O Volume Geral de Vendas (VGV) do empreendimento está estimado em R$ 19 milhões.

Pissetti conta ainda que a incorporadora curitibana pretende lançar um condomínio residencial no Mercês, projeto que está em fase de estudo. Para o diretor de empreendimentos da Swell Construções e Incorporações, esse é o momento ideal para as empresas investirem em planejamento, estudando o mercado para provisionar seus lançamentos. “Este é um período bom para pesquisar terrenos em locais que tenham potencial dentro da capacidade financeira das pessoas que vão morar naquela região. Também não adianta querer colocar imóveis de R$ 1 milhão em bairros sem perfil para isso”, observa.

O empresário acredita que “a tendência é de lançamento de condomínios residenciais mais exclusivos, com área comum equalizada a uma taxa de condomínio atrativa”. Os dados da Ademi/PR revelam que nesse ano, até agosto, a capital paranaense não recebeu lançamentos de condomínios residenciais com mais de 301 unidades. Em 2010, eles chegaram a ter uma participação de 55% entre os lançamentos verticais na cidade.

Maria Emilia Staczuk

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.