Médicos chamam atenção para o Dia do Parkinsoniano, lembrado em 11 de abril

Quem explica a doença é Clovis Cechinel, geriatra do Laboratório Frischmann Aisengart

A doença de Parkinson acomete 1% das pessoas com mais de 65 anos e, mesmo assim, ainda permanece obscura para boa parte da população, que carece de informações mais detalhadas sobre o tema. Com o intuito de reverter esse quadro, a classe médica aproveita o Dia Mundial da Doença de Parkinson, lembrado em 11 de abril, para diferenciar o Mal de Parkinson de outras doenças afins, além de destacar os sintomas, os diagnósticos e os tratamentos possíveis.

De acordo com Clovis Cechinel, geriatra do Laboratório Frischmann Aisengart, o parkinsonismo abrange uma série de doenças e é marcada por quatro sinais principais: tremores, acinesia ou bradicinesia (lentidão e diminuição dos movimentos voluntários), rigidez (enrijecimento dos músculos, principalmente no nível das articulações) e instabilidade postural (dificuldades relacionadas ao equilíbrio, com quedas frequentes). Entre as doenças descritas por esses sinais, observáveis clinicamente, está a doença de Parkinson, que figura como o diagnóstico mais frequente.

Outras alterações que podem estar associadas à doença são: diminuição do tamanho da letra, distúrbios da fala, dificuldade para engolir, alterações do sono, depressão, dores, diminuição do piscar dos olhos, alteração do equilíbrio e marcha, dificuldade para começar ou continuar o movimento (como começar a caminhar ou se levantar de uma cadeira),  presença de roçamento dos dedos indicador e polegar (como o movimento de contar dinheiro), voz para dentro, mais baixa e monótona.  Pode piorar com o cansaço, excitação ou estresse.  “No entanto, quando os pacientes apresentam sintomas adicionais além desse quadro clássico, devemos pensar em outros diagnósticos diferenciais”, afirma Cechinel.

O geriatra explica que a doença pode afetar qualquer pessoa, independentemente de sexo, raça, cor ou classe social. Os sintomas variam de um paciente para o outro e costumam se apresentar de forma lenta e insidiosa. “Por isso, o paciente tem dificuldade de precisar a época em que apareceram os sintomas pela primeira vez”, pondera. A doença de Parkinson, de acordo com o especialista, tende a afetar pessoas mais idosas, mas pode também acometer os mais jovens, embora os casos sejam mais raros.

Cechinel revela que uma causa importante de parkinsonismo secundário é o uso de certos medicamentos como, por exemplo, algumas das drogas usadas para vertigens, tonturas e doenças psiquiátricas, além de alguns remédios para hipertensão. “A importância de se identificar esses casos é que os sintomas são potencialmente reversíveis ou não progressivos com a interrupção dos medicamentos que os causaram”, alerta.

O geriatra relata que não existe cura para a doença de Parkinson, mas existem estratégias farmacológicas (que utiliza medicações) e não farmacológicas, estas conduzidas por equipe multiprofissional (fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional) e, em casos especiais, até intervenções cirúrgicas.

Cechinel lembra que alterações no estilo de vida podem ser úteis e necessárias no decorrer da doença. Dentre elas, o médico destacada: fazer exercícios de acordo com os níveis flutuantes de energia e ao paciente; seguir períodos regulares de descanso, evitando privações de sono e evitar o estresse. “E, em casos avançados, é recomendável fazer adaptações no domicílio, como corrimãos, barras nos banheiros e retirada de tapetes,  a fim de minimizar o risco de quedas”, finaliza.

 Sobre o Laboratório Frischmann Aisengart

O Laboratório Frischmann Aisengart tem mais 70 anos e é considerado uma referência para o segmento de medicina diagnóstica. Possui mais de 600 colaboradores e mais de 30 unidades no Paraná. São mais de três mil tipos de exames de análises clínicas, soluções diferenciadas e alto padrão de atendimento, além do serviço de vacinas. Para mais informações: www.labfa.com.br ou (41) 4004-0103.  Siga o Laboratório Frischmann Aisengart nas redes sociais: Blog – blog.labfa.com.br; Facebook – facebook.com/laboratorio.fa.

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.