Vacinação na fase adulta é indispensável para a proteção contra doenças

A vacinação é um dos fatores mais importantes para a prevenção de doenças. Em crianças, tomar a vacina é algo que já faz parte dos cuidados praticados pelos brasileiros e algumas enfermidades foram erradicadas após a instituição de campanhas de vacinação regulares, como a Poliomielite. Entretanto, depois de entrarem na fase adulta, muitas pessoas esquecem que a imunização ainda é importante para a manutenção da saúde.

Quando o corpo entre em contato com um vírus ou uma bactéria, pode ou não desenvolver a doença, mas iniciará a produção de anticorpos contra o microrganismo o que pode tornar o indivíduo imune a esta doença no futuro. O processo de imunização imita essa ação e promove antecipadamente a formação de anticorpos. Por isso, a imunização permite que o organismo se prepare para combater bactérias e vírus que causam doenças graves, sendo indispensável para a prevenção ou pelo menos, amenização destas doenças.

A aplicação de vacinas contra gripe (influenza), muito comum no Brasil, já é rotina para adultos e idosos. Entretanto, o calendário de vacinação de adultos é composto por outras vacinas igualmente importantes e que muitas vezes são esquecidas. “É importante lembrar que cada indivíduo tem uma necessidade diferente de vacinação. As indicações variam com a idade, sexo, estação do ano, região de moradia, profissão e a ocorrência de surtos de doenças. Atualmente, tem – se indicado o reforço da tríplice viral que protege contra sarampo, caxumba e rubéola para indivíduos até 49 anos, em virtude do surto de caxumba”, explica a médica Dra. Myrna Campagnoli, do Laboratório Frischmann Aisengart.

As vacinas que fazem parte do calendário vacinal dos adultos e idosos  são igualmente importantes na prevenção de doenças graves, como Hepatites, Meningites, HPV, Doença pneumocócica e Herpes zoster. “É necessário que os médicos e pacientes estejam atentos à vacinação destas doenças. Algumas delas são realizadas em dose única e outras necessitam de mais de uma dose ou reforços de tempo em tempo, porque a primeira dose pode não conferir imunidade total ou porque pode ocorrer uma redução da imunidade com o passar dos anos, necessitando de renovação em determinado período de tempo, como a difteria e tétano e a Febre amarela, que devem ser tomadas a cada dez anos”, alerta a médica.

Sobre o Laboratório Frischmann Aisengart:

O Laboratório Frischmann Aisengart tem uma história de mais de 70 anos como referência na medicina diagnóstica, contando com mais de 600 colaboradores, 35 unidades de atendimento no estado, realizando em torno de três mil tipos de exames de análises clínicas. Além disso, oferece soluções diferenciadas e alto padrão de atendimento, contando também com o serviço de vacinas. Confira mais informações sobre a empresa no site www.labfa.com.br

unnamed-1

Paula Batista – Lide Multimídia

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.