Regiões Sul e Sudeste ganham locais inéditos para o tratamento do refluxo

As regiões Sul e Sudeste do Brasil acabam de ganhar locais inéditos onde será possível realizar desde consultas até o diagnóstico e o tratamento do Refluxo Gastroesofágico (DRGE), doença que atinge cerca de 20% da população. Os Centros de Refluxo estão funcionando em Porto Alegre, Belo Horizonte e Ponta Grossa, anexados ao Instituto do Aparelho Digestivo – IAD, no CEMAD e na Clínica Inovare, respectivamente.

“Nos Centros de Refluxo, os pacientes podem contar com especialistas para a realização de diagnósticos e tratamentos, os exames mais importantes para a detecção da doença, como a endoscopia, a manometria, a PHmetria, e também cirurgiões para as realização de procedimentos, entre eles uma técnica que chegou recentemente ao Brasil, a Terapia por Estimulação Elétrica do Esfíncter Esofágico Inferior – Endostim”, conta o gastroenterologista, fundador e coordenador do Centro de Motilidade do Aparelho Digestivo (CEMAD) e membro da Federação Brasileira de Gastroenterologia, Sociedade Brasileira de Motilidade Digestiva e Sociedade Brasileira de Cirurgia Vídeo-Endoscópica, Dr. Maurício Bravim.

De acordo com Bravim, o procedimento com o dispositivo Endostim, o qual poderá beneficiar muitos brasileiros, está presente em países da Ásia, Europa e América Latina e já foi realizado em mais de 500 pacientes. “Ele funciona com um marcapasso cardíaco, estimulando eletricamente o esfíncter, responsável por evitar que os alimentos voltem do estômago para o esôfago o que na doença do refluxo funciona de forma ineficiente. Pesquisas de quatro anos comprovam que 90% dos pacientes que passaram pelo procedimento não precisam mais de medicamentos de uso crônico”, explica.

“Além desse procedimento, os pacientes poderão contar com especialistas na cirurgia de fundoplicatura, a qual busca reconstruir a anatomia do esôfago e do estômago por meio de laparoscopia”, comenta a médica especialista em Gastroenterologia e Endoscopia Digestiva e professora assistente do curso de Medicina da Universidade Estadual de Ponta Grossa  - UEPG, Caroline Saad Vargas.

“O refluxo é uma doença bastante recorrente, como comprovam os dados. Por isso vimos a necessidade de oferecer aos pacientes, em um só local, o diagnóstico e tratamento. Dessa forma, com os profissionais atuando em conjunto, é possível acompanhar o processo do início ao fim, além de ser uma comodidade e quem busca alívio para a doença”, ressalta o Prof. Dr. Richard Gurski, Doutor em Doenças Esôfago-Gástricas, Professor de Cirurgia da UFRGS, e diretor do Instituto do Aparelho Digestivo – IAD.

Mais informações sobre os Centros de Refluxo pelo site www.centroderefluxo.com.br

Girl with symptomatic acid reflux.

paula.assessora@gmail.com

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Talvez você se interesse por estes artigos

No sábado, 23 de fevereiro, das 9h às 12h, mais de vinte instituições, participam na Boca Maldita, em Curitiba, das comemorações do Dia Mundial de...
Fechar Menu