O Instituto Nacional de Câncer (Inca) aponta o câncer de cólon e reto como o terceiro que mais acomete homens no País. A Sociedade Americana de Câncer também constatou um crescimento dessa incidência entre os jovens adultos e de meia-idade: a cada dez pacientes diagnosticados, três têm menos de 55 anos. No Brasil, a doença é responsável por algo em torno de 15 mil óbitos, uma realidade trágica, principalmente quando levado em conta o fato de que a grande maioria dos óbitos por esse tipo de câncer podem ser evitados com uma medida simples: a detecção precoce.

A principal via para rastrear da doença é a colonoscopia, procedimento que também auxilia na identificação de pólipos, inflamações, úlceras e outras alterações no intestino. Apesar de sua importância para detectar o câncer precocemente e, assim, permitir a aplicação terapêutica mais efetiva, o senso comum ainda resguarda muitas más interpretações a respeito deste exame. A fim de corrigir este cenário, a Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva (SOBED) evidencia os principais pontos que causam confusão nos pacientes ao receberem a indicação para o procedimento.

“Muitos ficam com receio, acreditando que o processo será doloroso ou incômodo. Esse é o questionamento mais recorrente, seguido das dúvidas referentes à sedação e do temor do pós-procedimento. Há casos, inclusive, em que há desistência, agarrando-se nos mitos propagados sobre o assunto. Por isso é fundamental esclarecer tudo que acontece antes, durante e após a colonoscopia, haja vista que ela é primordial para identificar lesões e problemas que podem evoluir para câncer”, afirma Tomazo Franzini, diretor da SOBED.

Franzini explica, também, que é preciso seguir a orientação do médico para se preparar para o exame. “Por exemplo, é preciso discutir com o especialista a suspensão de determinados medicamentos, sobretudo suplementos de fibras, anti-inflamatórios, anticoagulantes e insulina. Um ou dois dias antes, também é necessário limpar o cólon, para tanto, laxantes são utilizados e, por conta de seu efeito, o paciente deve hidratar-se - de preferência com líquidos de cor clara”, orienta.

Confira agora os mitos e verdade da colonoscopia.

Dor durante o exame - MITO
O paciente é sedado e, assim, não sente nada durante o procedimento. Todavia, o preparo pode ser desconfortável, haja vista a necessidade do uso de medicamentos laxativos que esvaziam o intestino grosso e permitem o estudo do cólon.

Lesões no intestino podem evoluir para câncer - VERDADE
Alguns tipos de pólipos podem evoluir para câncer. O risco maior acontece nos pólipos adenomatosos que apresentam mais de um centímetro de diâmetro. Pólipos hiperplásicos em geral não representam risco de malignização.

Pacientes com mais de 50 anos e com antecedentes familiares de câncer de intestino formam um grupo de risco para câncer de colón e reto.  Outros fatores que contribuem para um maior risco são: doença inflamatória intestinal, tabagismo, obesidade, dieta pobre em fibra, diabetes tipo II não controlada.

Colonoscopia anual é indicada a todos os pacientes - MITO
Existem algumas situações em que a colonoscopia para diagnóstico é indicada, mas isso não significa que deva ser feita anualmente: pessoas com mais de 50 anos; com familiar 1° grau diagnosticado com doença tumoral no intestino; com de sangramento intestinal; anormalidades diagnosticadas por outros exames de imagem; e esclarecimentos de anemia. A frequência depende dos sintomas e dos achados, variando em cada caso.

Efeito colateral ou desconforto após o término - VERDADE
Devido à sedação, o paciente pode sentir sonolência após o exame. Também pode ocorrer desconforto abdominal, devido aos gases inseridos no intestino para melhorar a visibilidade durante o procedimento. Sangramentos podem acontecer quando há necessidade de biópsia ou remoção de pólipos. Essas manifestações desaparecem depois de algumas horas - caso contrário, procure seu médico.

É possível retirar tumores - VERDADE
Pequenos tumores e pólipos (grupos de células que se formam na mucosa do reto) podem ser removidos. Na maioria dos casos isto é feito já durante a colonoscopia, com um pequeno laço preso ao aparelho, cortando o pólipo pela base.

Sobre a SOBED
Com 24 unidades estaduais, a Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva (SOBED) é uma entidade nacional filiada à Associação Médica Brasileira (AMB) e representa atualmente mais de três mil associados. Criada em consonância com o início dos procedimentos endoscópicos no País na década de 1970, possui história baseada em conquistas e avanços na endoscopia digestiva brasileira.
<karinamorais@rspress.com.br>

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Talvez você se interesse por estes artigos.

Marca especializada em laticínios de búfala disponibiliza nova opção ao mercado com mais sabor e baixo teor de gordura A Levitare, marca especialista em lácteos...
Fechar Menu