Diagnóstico de esclerose múltipla é mais comum em mulheres economicamente ativas

A Esclerose Múltipla é uma doença crônica, autominune, degenerativa e sem cura, que afeta o sistema nervoso central e atinge cerca de 35 mil pessoas no Brasil, segundo a Associação Brasileira de Esclerose Múltipla – ABEM. Entre os diagnosticados, três em cada quatro são mulheres. O mais preocupante é que quando se fala sobre doenças predominantes na população feminina, a incidência da esclerose múltipla é pouco abordada.

As primeiras manifestações acontecem na fase em que a mulher está mais ativa e produtiva, entre os 20 e 40 anos¹. O grande desafio é diagnosticar precocemente este distúrbio neurológico, já que os sintomas são pouco específicos.

A esclerose múltipla se apresenta sob duas formas, a mais predominante, a remitente recorrente, ocorrendo em torno de 70 a 80% dos casos, caracteriza-se por exacerbações seguidas por melhora parcial ou total dos sintomas².  A outra forma, menos prevalente, porém tão ou igualmente devastadora, é a forma progressiva, onde o paciente não apresenta surtos, mas uma progressão constante ao longo do tempo.

O motivo da doença atingir às mulheres com mais frequência, vem sendo analisado há anos. Estudos baseados nos sintomas relatados por mulheres durante o período menstrual, gravidez e menopausa evidenciaram que os hormônios sexuais têm relação com a doença. Além disso, pesquisadores mostraram que as mulheres apresentam menos vitamina D do que os homens, o que explicaria a incidência aumentada nessa população.

Para Dr. Fernando Figueira, chefe da neurologia do Hospital São Francisco na Providência de Deus, no Rio de Janeiro, ainda faltam argumentos científicos que expliquem os altos números entre as mulheres, mas a grande preocupação ainda está na detecção da doença. “Quando os primeiros sintomas aparecem, muitos pacientes confundem com estresse e indisposição. No caso das mulheres, a hipótese são as oscilações hormonais, o que dificulta o diagnóstico e o início do tratamento”, explica Dr. Figueira.
Entenda a EM

No mundo, há pelo menos 2,5 milhões de pacientes com esclerose múltipla, doença que atinge sistema nervoso central, causando lesões na comunicação entre o cérebro e o corpo. O distúrbio se manifesta de formas diferentes, dependendo de onde estão as lesões, que são aleatórias e ao acaso, causando diversos sintomas. Entre eles a perda ou borramento da visão, dores, fadiga e comprometimento da coordenação motora e locomoção.

De acordo com Dr. Figueira, estes surtos acontecem de acordo com a gravidade da doença. “Há pessoas que demoram muito tempo para apresentar sintomas, outras buscam investigar quando há uma recorrência e até uma sequela. O ideal é que ao sentir que algo está diferente, procure fazer um ‘check up’ e, se os sintomas persistirem, um neurologista”. A esclerose múltipla é diagnosticada apenas com a ressonância magnética; porém, os sintomas não acusam alterações em exames de rotina, como análises do sangue e ultrassons.

Alguns dos sintomas mais comuns da doença são confundidos facilmente, por isso, eles podem e devem ser investigados. São eles:

 

Dificuldades motoras

Uma das manifestações mais comuns é a dificuldade motora, que vai desde a dificuldade em fazer movimentos rápidos, problemas de coordenação e até fadigas musculares. Muitos portadores chegam a ter as extremidades, como braço ou pernas, totalmente paralisadas.

 

Alterações sensoriais

Os distúrbios sensoriais como sentir dormência ou sensações de aperto, podem ser confundidos com estresse ou ainda com uma lesão muscular decorrente de exercício físico ou mau jeito dado ao longo do dia.

 

Visão turva

As alterações no nervo óptico, o responsável por encaminhar a informação visual para o cérebro, também podem ser ocasionadas pela esclerose múltipla e provocar diversos sintomas no paciente como visão turva, ponto cego, até dores nos olhos e perda da visão  por um curto período.

 

Incontinência urinária

Quando a esclerose múltipla afeta a comunicação da bexiga com o cérebro, é comum que o portador não sinta vontade de ir ao banheiro e acabe com um quadro de incontinência urinária.

É importante ressaltar que, apesar da esclerose múltipla ser uma doença degenerativa e sem cura, é possível controlar a doença e, até mesmo, diminuir sua progressão. “Há esperança para o paciente viver normalmente, mesmo após o diagnóstico, com direito à viagens, carreira, gravidez e amamentação, por exemplo, por isto a necessidade de um diagnóstico precoce e adequado tratamento”, reforça o especialista.

 

Referências:

¹ – European Multiple Sclerosis Platform. MS – Fact Sheet 2013. Disponível em: http://www.emsp.org/projects/ms-barometer/

² – Recomendações Esclerose Múltipla Academia Brasileira de Neurologia – 2012
http://formsus.datasus.gov.br/novoimgarq/14491/2240628_109700.pdf

 

 

Sobre a Roche

A Roche é uma empresa global, pioneira em produtos farmacêuticos e de diagnóstico, dedicada a desenvolver avanços da ciência que melhorem a vida das pessoas. É considerada a maior empresa mundial de biotecnologia, com medicamentos verdadeiramente diferenciados nas áreas de oncologia, imunologia, infectologia, oftalmologia e doenças do sistema nervoso central.

A Roche também é líder mundial em diagnóstico in vitro e diagnóstico tecidual do câncer, além de ocupar posição de destaque no gerenciamento do diabetes. Combinando as forças das divisões farmacêutica e diagnóstica, a Roche se tornou líder em medicina personalizada – estratégia que visa encontrar o tratamento certeiro para cada paciente, da melhor forma possível.

Fundada em 1896, a Roche busca constantemente meios mais eficazes para prevenir, diagnosticar e tratar doenças, contribuindo de modo sustentável para a sociedade. 29 medicamentos desenvolvidos pela Roche fazem parte da Lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial da Saúde, entre eles antibióticos que podem salvar vidas, antimaláricos e terapias contra o câncer. Há sete anos consecutivos, a Roche é considerada líder em sustentabilidade no grupo de indústrias de produtos Farmacêuticos, Biotecnológicos e Biológicos dos Índices Dow Jones de Sustentabilidade.

Com sede em Basileia, na Suíça, o Grupo Roche atua em mais de 100 países e, em 2015, empregava mais de 91.700 pessoas em todo o mundo. Em 2015, a Roche investiu 9,3 bilhões de francos suíços em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e suas vendas alcançaram 48,1 bilhões de francos suíços. A Genentech, nos Estados Unidos, é um membro integral do Grupo Roche. A Roche é acionista majoritária da Chugai Pharmaceutical do Japão. Para mais informações, visitewww.roche.com.

<larissa.ribeiro@comuniquese2.com.br>