Mesmo em tempos de crise, aprender e se aperfeiçoar na língua inglesa é fundamental

 

Há alguns anos atrás, o domínio da língua inglesa era um diferencial no mercado de trabalho. Atualmente, a fluência no idioma é um “pré-requisito” e não pode faltar no currículo. Mesmo em tempos de crise, a capacitação profissional não pode ficar de lado e deve ser encarada como um “investimento”, que será ainda mais reconhecido quando a economia voltar a crescer.

 

Sueli Llorente, gerente da Cultura Inglesa na unidade Champagnat, explica que aprender inglês é fundamental em qualquer momento, sobretudo durante os períodos de “vacas magras”. “Quando a crise passar, a engrenagem vai voltar a funcionar, as multinacionais irão retomar os investimentos no Brasil e as outras empresas também irão fazer novas contratações. Por isso, os profissionais devem se preparar para esse momento, de retomada na economia. O inglês é, definitivamente, uma língua internacional e aprender a falar muito bem o idioma é uma obrigação no mundo globalizado”, diz Sueli.

 

De acordo com a gerente da Cultura Inglesa, o mercado de trabalho valoriza os currículos de profissionais que apresentam certificados internacionais em proeficiência na língua inglesa, como aquele conferido pela Universidade de Cambridge, por exemplo. Além do ensino, a Cultura Inglesa oferece ainda a preparação e a possibilidade de realização de exames de reconhecimento internacional. “O profissional que exibe esses certificados no currículo, conta com a chancela de uma universidade estrangeira, que comprova o nível avançado e a fluência do candidato no idioma. Quem tem interesse em ingressar na vida acadêmica no exterior, para se candidatar a cursos de pós-graduação, também precisa se aperfeiçoar, dominar o inglês e levar o certificado na bagagem”, destaca Sueli.

 

Gabriel Ferreira Alves é formado em Relações Internacionais e aluno do Advanced 2 da Cultura Inglesa. Atualmente, o profissional trabalha em uma empresa de produtos médicos e conta que o inglês no nível avançado foi decisivo para conquistar esse emprego e vagas anteriores, em programas de estágios. “É necessário de ter autonomia na língua. As empresas não aceitam mais colaboradores com o nível básico e estão sentindo dificuldade para fazer contratações de profissionais que dominam o inglês. Eu pretendo finalizar o curso na Cultura Inglesa e me aprimorar, cada vez mais, no idioma. E, futuramente, quero buscar oportunidades para cursar uma pós-graduação fora do Brasil”, diz Alves.

Sobre a Cultura Inglesa de Curitiba

Há mais de sete décadas em território nacional, a Cultura Inglesa de Curitiba divide suas atividades em cinco unidades, sendo uma delas localizada em São José dos Pinhais. A renda obtida por cada unidade é revertida para melhorias dentro das próprias sedes, o que as caracteriza como entidades sem fins lucrativos. O compromisso em manter o alto nível de ensino do inglês britânico, além de aspectos culturais do país, é um dos pilares da escola, que busca respaldo na qualificação elevada do quadro de professores, constantemente desenvolvida por meio de workshops, seminários e treinamentos. O teor vanguardista da escola é ainda reforçado por parcerias com grandes entidades, como é o caso do apoio do British Council – organização britânica que promove oportunidades culturais e educacionais entre Brasil e Reino Unido.