ARTIGO| Ayrton Baptista | LULA E DILMA SOBEM

Ayrton Baptista
           
            Esta semana em Brasília poderá transformar-se em histórica. Tantas outras já o foram. Através dos anos, desde a renuncia de Jânio Quadros, do afastamento de João Goulart, mais a expulsão de Fernando Collor, muitas semanas marcaram a política brasileira. De modo profundo, pois se Brasília é a sede, o restante do país vê a repercussão impactando cidades e Estados. Por outro lado, muitas ameaças de semana apavorantes foram cortadas a tempo e o país conseguiu ir em frente.
            Para esta e talvez até o final do mês dois fatos poderão determinar mudanças sensíveis no panorama brasileiro. De um lado, o estudo por parte da Mesa da Câmara Federal dos pedidos de impeachment da presidente Dilma Rousseff. A pressão para que tome a iniciativa de recusar ou não os procedimentos nesse sentido bate constantemente às portas do gabinete do deputado Eduardo Cunha, que não fala, mas que deve estar rindo à toa. Tem a faca e o queijo na mão e com um gesto pode provocar um terremoto no plenário da Câmara e outros tantos na vida política do país. Parece já haver uma combinação entre Cunha e as oposições: ele rejeita os pedidos, inclusive o de maior embasamento, e os parlamentares recorrem para uma votação pelo plenário. Por isso é que se espera, caso o fato tenha encaminhamento, que juristas de renome façam seus estudos baseados na letra fria da constituição.
            Já não bastasse essa iniciativa e seus desdobramentos no que se refere a presidente Dilma Rousseff e paralelamente delegado da Política Federal insiste em que o ex-presidente Lula seja ouvido sobre o escândalo da Petrobrás, ainda que não tenha surgido até então indícios de uma participação estranha do ex-chefe da Nação. Ora, se perguntados, tanto Lula como Dilma dirão que a história de que ambos sabiam dos problemas ocorridos na Petrobras não passa de balela. Não passa de provocação política de quem não esperava a vitória de Dilma no segundo mandato.
            No meio disso tudo temos a engasgar todas as gargantas saudáveis o rebaixamento do país pela Standar & Poor’s. Ora, é até folclórico o ex-presidente Lula referir-se ao ato com menor importância, ao contrário do que festejou no acolhimento do Brasil na mesma empresa poucos anos atrás.
            Seja como for, ou há base objetiva para um impeachment e razões concretas para ouvir o ex-presidente Lula quanto a possível envolvimento ou conhecimento do que se passava na Petrobrás, ou todos os parlamentares e lideranças políticas deste país estarão é enchendo a bola de Dilma e de Lula.
            Ou quem trata desses assuntos estão baseados em fatos irrefutáveis, ou veremos logo logo o “ibope” tão baixo de Lula e de Dilma se transformarem em estopim para uma retomada positiva de política de cada um, ainda que ambos forçados a se aturarem, e conquistarem paulatinamente o crescimento político. Lula pode vir aí, todos sabemos. Basta que haja um cochilo político. Não se brinca com fogo.
Ayrton Baptista, jornalista.

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui