Paraná sedia a primeira reunião integrada da Abase Sul/Sudeste

Encontro em Foz do Iguaçu reuniu cerca de 15 dirigentes do Sebrae nos estados e Sebrae Nacional; discussões tiveram como foco adoção de novas estratégias de desenvolvimento da instituição para melhor atendimento às micro e pequenas empresas

O Sebrae/PR foi anfitrião nesta sexta-feira, dia 17 de junho, de um encontro pioneiro para integração, alinhamento e discussões de desenvolvimento da instituição. A primeira reunião integrada da Abase – Associação Brasileira dos Sebrae Estaduais, contou com a presença de representantes das regiões Sul e Sudeste do País. Participaram do encontro, realizado em Foz do Iguaçu, cerca de 25 pessoas, entre diretores e técnicos dos estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo e do Sebrae Nacional.

Na pauta, estavam temas como políticas de atendimento e relacionamento com o cliente, gestão do conhecimento, portfólio do Sebrae, orientações estratégicas, dentre outros. Entretanto, o consenso entre os debates foi a necessidade de mudança na atuação estratégica da instituição, para que consiga atender às atuais necessidades das micro e pequenas empresas. Em uma perspectiva de reflexão, pensando em rever desde o segundo semestre deste ano até os próximos dois anos, os participantes discutiram caminhos e estratégias.

Vinicius Nobre Lages, diretor de Administração e Finanças do Sebrae Nacional, apontou que, diante de um cenário de mudanças, é preciso adotar novas estratégias. “O impacto do momento atual sobre os nossos clientes faz com que a gente também tenha que pensar sobre mudanças e é essa a reflexão que fazemos hoje aqui. Por intermédio dos Sebrae nos estados, por meio da Abase, é que conseguiremos atingir essa sintonia, visto que são eles quem sentem de perto as necessidades que o cliente tem”, observou.

Diretor-superintendente do Sebrae/PR, Vítor Roberto Tioqueta foi quem abriu os trabalhos do encontro e reforçou sobre a integração e participação dos Sebrae nos estados, para o fortalecimento da instituição, e sua atuação no desenvolvimento de micro e pequenas empresas. “A presença de 100% do Sul e Sudeste nesta ocasião demonstra a importância de atuarmos juntos. A partir do momento em que se trabalha em conjunto, os projetos ganham força e geram resultados mais positivos. Essa cooperação entre os estados promove melhores alternativas de direcionamento do sistema Sebrae”, analisou Tioqueta.

Na avaliação da diretora-técnica do Sebrae, Heloisa Regina Guimarães, nacionalmente, a instituição busca ouvir mais os estados, e estas reuniões são o caminho para ampliar a discussão sobre a atuação do Sebrae. “Falta apenas a região Centro-oeste para fecharmos o circuito de conversação nos estados, antes da reunião nacional. É um processo que gera a construção sucessiva de temas fundamentais para a operação e sustentabilidade do sistema e para a estratégia”, indicou.

Novas perspectivas

De acordo com Vinicius Lages, a grande questão é pensar nos próximos dois anos e em longo prazo. “Nosso objetivo é levar as questões discutidas aqui para a direção nacional, a fim de tomarmos as iniciativas agora, no planejamento que está sendo feito nos estados, para que projetos sejam desenvolvidos nessa nova direção, com a redefinição de programas e encerramento daqueles que já não fazem mais sentido no processo atual. Buscamos aqui o sentimento da ponta, os consensos, estabelecendo prioridades em torno deles”, enfatizou.

Porém, complementou o diretor de Administração e Finanças do Sebrae, os clientes já devem sentir algumas dessas adequações neste ano. “Isso acontece com ações emergenciais, como as de maior proximidade e relacionamento com o cliente. Muitos estados já estão desenvolvendo programas de orientação de crédito, por exemplo; de reconversão de dívida, ajudando nesse momento tão difícil que os empresários estão vivendo; busca de alternativa de mercado; repensar, enfim, dentro de um cenário mais restritivo”, pontuou.

“Estamos em uma etapa fundamental para a construção de uma nova política nacional de atendimento e relacionamento com os clientes, cujo objetivo é estabelecer bases comuns para uma atuação integrada no sistema Sebrae e uma atuação integrada entre atender o cliente e se relacionar com o cliente. A política de relacionamento é nova e o processo de cocriação, tanto com os Sebrae nos estados quanto com os clientes, vai fazer toda a diferença”, completou Heloisa Guimarães.