Investimento na formação complementar impulsiona a educação

Competências emocionais, digitais e sustentáveis integram o currículo escolar do Colégio Visconde de Porto Seguro

 

O Colégio Visconde de Porto Seguro acredita que o desenvolvimento de múltiplos talentos exige a integração de temas, habilidades e competências que nem sempre estão presentes no currículo regular. É com esse objetivo que o colégio tem trabalhado para reforçar seus projetos de formação complementar, com ações voltadas à cultura, música, teatro, esportes, idiomas e tecnologia criativa, além de cursos desenvolvidos em parceria com as principais universidades do mundo.

“Um ensino de qualidade e que desenvolve diferentes talentos é essencial para preparar as crianças para o futuro. É por meio dessas atividades que nossos alunos conseguem desenvolver outras áreas da inteligência, veem seus interesses atendidos, fazem novos amigos e conseguem multiplicar esse conhecimento, não apenas dentro de si mesmos, mas também para toda a comunidade escolar e também para o público externo”, explica Silmara Casadei, Diretora Geral Pedagógica e Educacional do Colégio Visconde de Porto Seguro. “O ser humano pode atingir níveis inimagináveis quando desenvolve as múltiplas inteligências”.

Entre os projetos oferecidos aos estudantes, destaque para os programas Porto ONU, Porto Rock e o Projeto Conexão (Sala Global).  “O Porto ONU é uma ação que simula as conferências internacionais e ajuda na argumentação dos jovens. O Porto Rock, por sua vez, é o projeto musical que possibilita aos alunos criarem bandas e se dedicarem ao mundo da música. Já o Projeto Conexão é uma atividade que permite aos alunos conversarem com especialistas dos cinco continentes, por meio de videoconferências”, diz Silmara. Em 2017, o projeto se conectou com um congresso internacional que teve a participação de Angela Merkel, chanceler da Alemanha, no qual se discutiu a Educação para 2030.

A participação nos programas tem como objetivo estimular a curiosidade e o desenvolvimento dos estudantes, como aconteceu com João Pedro Bitelli, Eduardo Estivalete e João Otávio Paes, que estudaram no Colégio Visconde de Porto Seguro. “Participar desses projetos complementares permitiu que apresentássemos talentos que não se revelariam dentro da sala de aula”, diz Bitelli, que toca bateria desde os 13 anos e cursa direito na PUC-SP. Ainda como aluno do Porto Seguro, o jovem participou do curso de direito, política e economia realizado em parceria com a Universidade de Yale (Estados Unidos). Já Eduardo Estivalete atuou na Mercedes-Benz, na Alemanha, onde estudou Engenharia na cidade de Darmstadt. “Consegui aproveitar as oportunidades que a formação complementar oferecia. Essas atividades acabaram sendo fundamentais para meus planos profissionais”, afirma.

João Otávio Paes, hoje estudante de Direito na USP, participou do Porto ONU e do Projeto Conexão ao lado dos colegas. “Sempre gostei da série de conferências simuladas, que promove o debate da agenda internacional. Quero ajudar a criar algo similar na USP”, conta João Otávio.

Talvez você se interesse por estes artigos

Cleia Farinhas* A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar prontos para...
Leide Albergoni* A tragédia de Brumadinho e o vandalismo das bicicletas Yellow em Curitiba têm algo em comum. Ao contrário do que se pensa, economia...
Fechar Menu