Na terceira idade e com “tudo em cima”

Cirurgias plásticas mais realizadas por pessoas que passaram dos 60 anos são as de face, com destaque para as de pálpebras

Se você imagina um casal na terceira idade, hoje, passeando pelo parque ou sentados em casa vendo um programa de TV, está enganado.  As pessoas que passam dos 60 anos estão hoje muito ativas, algumas ainda em suas atividades de trabalho e cuidando muito da estética – sejam mulheres ou homens, principalmente com cirurgias plásticas.

De acordo com um estudo mais recente realizado pela Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS), o número de plásticas no Brasil cresceu, perdendo apenas para os Estados Unidos. Os brasileiros realizaram, em 2017, aproximadamente 2,5 milhões de procedimentos, entre estéticos e não cirúrgicos, enquanto os EUA fizeram cerca de 4,3 milhões.

Dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) revelam que entre as mais procuradas por homens e mulheres acima dos 60 anos estão os procedimentos de rejuvenescimento facial.  A pesquisa mostra ainda que os motivos que levam um idoso até uma clínica estética para realizar os procedimentos cirúrgicos estão a melhora da autoestima e os relacionamentos afetivos.

A campeã nos consultórios é a blefaroplastia (cirurgia da pálpebra). De acordo com o médico cirurgião plástico Bruno Legnani, o procedimento pode melhorar a aparência das pálpebras superiores ou inferiores. “Ele rejuvenesce a área ao redor dos olhos, fazendo com que o olhar pareça mais descansado e alerta”, diz.

Ainda na face, explica o médico, há diversos procedimentos feitos pela terceira idade, como o lifting facial, lifting de sobrancelha, cirurgia de queixo, nariz, lifting de testa e implantes. “Ainda há outros procedimentos procurados por essa faixa etária, como o lifting de braço, mão, rejuvenescimento da pele e transplante capilar (para homens e mulheres)”, complementa.

Hoje em dia não existe mais idade para se cuidar e ser feliz. Os procedimentos cirúrgicos estéticos não levam em conta a idade do paciente, mas sim, seu histórico médico. Porém, no caso de idosos, a cirurgia plástica requer alguns cuidados como um histórico clínico e exames, como para todo paciente, só que alguns detalhes a mais. “O idoso precisa estar em plenas condições de saúde, que devem ser atestadas por exames clínicos, laboratoriais e por radiografias”, finaliza o especialista.

Sobre Bruno Legnani:

O médico cirurgião plástico Bruno Legnani possui título de especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), tem residência médica em cirurgia plástica e microcirurgia pelo Instituto Nacional do Câncer e fellow internacional em cirurgia plástica estética na Akademikliniken, na Suécia.

Comments are closed.