Tratamento para psoríase no Hospital Otorrinos Curitiba

A psoríase é uma doença de pele crônica, inflamatória e que pode afetar tanto homens quanto mulheres. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia, estima-se que de 1 a 3% da população mundial apresente a doença, ou seja, mais de 125 milhões de pessoas no mundo e mais de 5 milhões só no Brasil.

Por ser uma doença que, dependendo do grau, tem forte apelo visual, o preconceito ainda é grande, e isso se dá pela falta de conhecimento. Vale lembrar que a psoríase não é contagiosa, não tem cura, mas com tratamento adequado é possível controlá-la.

Como crises de amigdalite, otite e sinusite podem desencadear novos surtos da psoríase, o Hospital Otorrinos Curitiba agora conta em seu corpo clínico com os conhecimentos do Dr. Cid Yazigi Sabbag, médico dermatologista, doutor em Ciências da Saúde e diretor do Centro Brasileiro de Estudos em Psoríase. Para agendar uma consulta, ligue no (41) 3335-0302.

Veja também:
:: Entrevista Rádio BandNews Curitiba: principais causas do zumbido

:: Entrevista Rádio Banda B: existe tratamento para a gagueira?

Causas
Não se sabe ao certo as causas da psoríase, mas o que se estuda é que ela é multifatorial. A psoríase pode estar relacionada a questões genéticas, imunológicas, ambientais e psicológicas.

A genética tem papel fundamental no desenvolvimento da doença. Em média, 1/3 dos pacientes apresentam parentes com psoríase, e filhos de pais com psoríase possuem grande chance de desenvolver a doença.

Outro ponto abordado quando se fala nas causas da psoríase é sobre o estresse e ansiedade. A doença não é considerada puramente de fundo emocional, mas o estresse pode ser um dos fatores desencadeantes. Saber controlar a ansiedade também pode ajudar no controle da doença.

A obesidade, o tempo frio (a pele fica mais ressecada), o consumo de bebidas alcoólicas e o tabagismo também ajudam a piorar o quadro clínico já existente.

Sintomas
Os sintomas da psoríase variam de paciente para paciente, dependendo do tipo de doença, mas em geral podem incluir:

– manchas vermelhas com escamas secas e esbranquiçadas;

– pele ressecada e rachada, e dependendo do grau, pode haver sangramento;

– coceira, queimação e dor;

– rigidez e inchaço nas articulações;

– pequenas manchas brancas ou escuras pós-lesões.

Há vários tipos de psoríase, e só o médico dermatologista pode identificar a doença, classificá-la e indicar o melhor tratamento.

Psoríase não é contagiosa
Um dos grandes mitos sobre a doença é esse, sobre a doença ser ou não contagiosa. Ninguém transmite ou adquire psoríase, portanto, ela não é contagiosa. Ninguém pega a doença ao compartilhar roupas, pelo toque ou por dormir na mesma cama. Familiares e amigos de pacientes com psoríase têm papel fundamental para ajudar a combater o preconceito.

Tratamento para psoríase
Como citado inicialmente, a psoríase não tem cura, mas existem diversas opções terapêuticas disponíveis. Nos casos mais leves, fazer a hidratação correta da pele, aplicar medicamentos tópicos nas lesões e expor-se ao sol com os devidos cuidados são suficientes para melhorar o quadro clínico. Nos casos moderados pode ser indicada a fototerapia, onde a pele do paciente é exposta à luz ultravioleta, com supervisão médica.

Ajuda psicológica
Quando não controlada, a psoríase afeta diretamente a qualidade de vida do paciente, já que as lesões geralmente aparecem em lugares no corpo com grande exposição, como braços, cotovelos e mãos. Alguns pacientes podem sentir o impacto da doença na vida social e no trabalho, causando baixa autoestima, estresse e problemas de autoaceitação. Em alguns casos, a ajuda de um psicólogo é fundamental durante o processo.

>> Fique atento aos sinais da sua pele. Caso perceba alguns dos sintomas, procure o médico dermatologista. Quanto antes for feito o diagnóstico, mais fácil será o tratamento.

O Dr. Cid Yazigi Sabbag atende apenas às sextas-feiras, a cada 15 dias, no Hospital Otorrinos Curitiba. Para agendar uma consulta, ligue no (41) 3335-0302.

Diretor Técnico: Dr. Ian Selonke – CRM-PR 19141 | Otorrinolaringologia

 

Comments are closed.