Neurocirurgião vítima da COVID-19 deixou relato emocionante antes de morrer

O contágio ocorreu no desempenho do seu trabalho; colegas o comparam a herói

Neurocirurgião vítima da COVID-19 deixou relato emocionante antes de morrer Neurocirurgião vítima da COVID-19 deixou relato emocionante antes de morrer Neurocirurgião vítima da COVID-19 deixou relato emocionante antes de morrer

É com tristeza e pesar que a Sociedade Brasileira de Neurocirurgia informa o falecimento do Dr. Lucas Pires Augusto, no último sábado (08), vítima de complicações pela COVID-19.

O jovem neurocirurgião, de apenas 32 anos, lutou contra a doença e estava internado desde 25 de julho, em hospital de Maringá (PR).

Em sua rede social, ele publicou uma mensagem pouco antes de ir para a UTI, onde agradeceu às orações de todos e afirmou que o contágio ocorreu enquanto fazia o que mais amava: exercer a profissão e cuidar dos pacientes com dedicação. Disse ainda que, se fosse necessário, faria tudo outra vez.

Os mais próximos o descrevem como um ser humano excepcional: brilhante, bom marido, pai amável, entre tantas qualidades. Em nota, o Conselho Federal de Medicina do Paraná, informou que sua colega de classe, Valéria Scavasine, publicou uma carta aberta aos filhos do Dr. Lucas, para que soubessem que o pai partiu como um herói e colocando os demais colegas da turma à disposição da família, como padrinhos dos filhos.

Por toda a web, manifestações carinhosas de colegas, como esta acima, comovem e levantam reflexões sobre a doença, a quantidade de vítimas pelo mundo e a atuação dos profissionais de saúde. “Toda morte é triste, sobretudo em casos como este, de um jovem com um futuro promissor pela frente, entendemos como uma tragédia”, comenta o Dr. Luis Alencar Borba, presidente da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN).

Perda de talentos

De acordo com a Revista Revide, o Dr. Lucas é o segundo médico a falecer devido à COVID-19, dentre a equipe que participou da cirurgia de separação das gêmeas siamesas Ysabelle e Ysadora, no ano de 2018, em Ribeirão Preto. O primeiro foi o americano Dr. James Tait Goodrich, cuja condução exemplar do procedimento fez com que se tornasse estudo de caso na Índia.

Atualmente, o Dr. Lucas exercia a profissão no interior do Paraná, na cidade de Ivaiporã, e sua ausência será muito sentida. O neurocirurgião deixou esposa e dois filhos pequenos.

“À família, os nossos mais sinceros sentimentos por esta lastimável perda”, encerra o Dr. Borba.

Neurocirurgião vítima da COVID-19 deixou relato emocionante antes de morrer

 sylvia.vieira@medellincomunicacao.com.br