Projeto de Queijos Finos do Biopark oferece oportunidade de renda e diversificação no campo 

Proporcionar diversificação, inovação e principalmente, aumento de renda no campo, são alguns dos objetivos do projeto de Pesquisa e Inovação em Queijos Finos do Biopark. A iniciativa existe desde 2019, e já contribuiu com o lançamento de queijos finos nos municípios de Cascavel, Toledo e Diamante d‘Oeste.

Um dos principais aspectos do projeto é a transferência de tecnologia – que compreende o acesso ao conhecimento técnico e científico desenvolvido pelo Biopark. O primeiro passo é o diagnóstico da propriedade, realizado pela zootecnista do Biopark, Pamela Schneider. “A qualidade do leite para a produção de queijos finos precisa ser excepcional e isso começa dentro da propriedade, com o nosso acompanhamento”, explica.

No laboratório, os pesquisadores trabalham em receitas de queijos finos reconhecidos internacionalmente, realizando os ajustes necessários à adaptação do clima e matéria prima da Região. Quando um produtor ingressa no projeto, recebe todo o suporte necessário para o atingimento dos parâmetros de qualidade de um leite de excelência, orientação sobre o tipo de queijo que poderá produzir, além de ter acesso às mentorias com profissionais selecionados pelo Biopark e que são especialistas em áreas como financeiro, planejamento e marketing. Hoje, já são comercializados os queijos finos tipo Camembert, Brie, Saint-Paulin, Gouda e Morbier Café.

“Ao incentivar a produção de variedades finas de queijo, apresenta-se uma oportunidade para que, especialmente as pequenas propriedades rurais, ganhem em valor agregado de seus produtos, aumentando renda e levando mais inovação para o campo”, explica a supervisora de PDI do Biopark, Carolina Balera Trombini.

A produtora Elis Carla Colombi, de Diamante d‘Oeste, que está no projeto com o queijo Saint-Paulin, ressalta a importância do acompanhamento da equipe do Biopark. “A vinda da equipe do Biopark só tem melhorado a minha propriedade e a minha confiança. Abri as portas para que eles enxergassem as possibilidades do que eu não estava vendo. O Biopark pra mim hoje é essencial, o meu receio inicial virou gratidão”, explica.

Além de Elis, também estão no projeto a produtora Marcia Ludwig (Queijos Ludwig), de Sede Alvorada, distrito de Cascavel, e os produtores Cirlei Rossi (Queijos Átani), Francielli Rossetto, Gelir Giombelli, Saul Zeuckner e a Queijaria Flor da Terra, de Toledo.

Os interessados em participar do projeto podem entrar em contato pelo telefone (45) 99122-8597, ou acessar o site www.biopark.com.br/queijosfinos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui