Móveis em madeira: 5 dicas de conservação para mantê-los sempre novos e bonitos

Entusiasta do uso de peças de madeira em seus projetos, a arquiteta Carina Dal Fabbro explica quais são os cuidados necessários para evitar danos permanentes no mobiliário

Trazendo a sensação de conforto e se encaixando nos mais diversos estilos de decoração, os móveis de madeira são mais resistentes e garantem charme extra ao ambiente | Foto: Rafael Renzo

Na hora de investir em um móvel novo para a casa, as exigências que surgem são as mais diversas: precisa ser bonito, encaixar bem na decoração proposta, ter uma boa qualidade e não se deteriorar com rapidez, não é mesmo? Por isso, aliando beleza e durabilidade, os móveis em madeira são sempre uma excelente opção para quem busca preencher todos esses requisitos. Mas a verdade é que eles precisam de alguns cuidados específicos para se manterem bonitos e com aparência de novos por muitos e muitos anos.
“Os móveis em madeira são conhecidos por conferir elegância aos espaços e por terem uma alta durabilidade quando comparados com mobiliários confeccionados em MDF, por exemplo. Por isso, costumamos dizer que é um móvel para a vida toda”, explica a arquiteta Carina Dal Fabbro, que está à frente do escritório que leva seu nome. A especialista também reforça a importância em optar por móveis feitos com madeiras certificadas pelo FSC Brasil. “Saber a procedência do que estamos colocando dentro de nossas casas é fundamental”, garante.
Pensando não só no cuidado na hora de comprar os móveis, como também na sua conservação no dia a dia, a arquiteta listou cinco dicas que aumentarão a vida útil do mobiliário sem que ele perca a beleza. Confira!
1. Limpeza

Fácil de combinar, o aparador neste projeto serve como apoio para um minibar e outros objetos de decoração também confeccionados em madeira. Com o toque de azul dado pelos quadros e pelo enfeite na parte inferior do móvel, o resultado não poderia ser outro: harmonioso aos olhos do começo ao fim! | Foto: Rafael Renzo

Para evitar o acúmulo de sujeira e poeira a dica é simples: limpe as superfícies regularmente com uma flanela seca de microfibra. “O tecido macio não arranha o móvel e retira com mais facilidade o pó se comparado à eficácia dos panos comuns”, esclarece Carina.  Em seguida, pode-se utilizar também um pano úmido com água e sabão neutro para tirar as sujeiras mais difíceis. Contudo, de tempos em tempos é necessário uma faxina um pouco mais intensa para evitar o aparecimento de fungos e cupins.
“Mas mesmo nestes momentos, é importante lembrar que não se deve, em hipótese alguma, utilizar produtos químicos abrasivos. Eles alteram as propriedades do móvel, geram desgaste na peça e podem até mesmo alterar a sua cor”, pontua a especialista. O álcool, por exemplo, é capaz de manchar a madeira – deixando-a esbranquiçada – de forma irreversível. “Para adquirir o brilho que os móveis novos costumam ter, utilize uma cera própria para madeira seguido de um polimento com um pano macio. Fica perfeito”, continua Carina.
2. Cuidado ao apoiar objetos 
Sempre que possível evite colocar objetos quentes, úmidos ou que soltem tinta diretamente sobre o mobiliário. Objetos pontiagudos ou cortantes, como facas e tesouras, devem sempre estar em seu suporte para impedir riscos ou manchas nas superfícies. Outra dica da profissional é nunca apoiar copos ou garrafas diretamente na mesa. A ‘transpiração’ do corpo com bebidas geladas pode deixar marcas que, ao secar, não sairão. “Por isso, utilize sempre um apoio ou toalhas ao se servir. Boas escolhas promovem ainda mais elegância”, conta a arquiteta.
3. Posição dos móveis 
A posição do mobiliário no lar também deve ser levada em consideração. Além da otimização do layout para melhor circulação no ambiente, é importante considerar uma distância de 5 a 7 cm da parede para evitar o contato com possíveis focos de umidade. E, quando se fala de peças feitas especialmente para áreas internas, o ideal é evitar que fiquem muito tempo expostas diretamente ao sol.
“A luz solar direta e diária pode fazer com que a madeira sofra um desbotamento. Além disso, com as mudanças de temperatura, o item pode sofrer com o efeito de dilatação e contração da madeira, afrouxando parafusos e juntas e, em casos mais graves, causando até rachaduras”, discorre a arquiteta. Para evitar que isso aconteça, é possível regular a entrada do sol no lar fazendo o uso de cortinas e persianas.
4. Cuidado redobrado com os móveis da área externa 

Neste projeto, o banco em madeira foi escolhido para compor a varanda do apartamento. Com o fechamento de vidro, a peça é resguardada das intempéries | Foto: Renato Gaiofato

“Para as áreas externas, prefira madeiras mais resistentes, como a de demolição, peroba rosa, teca ou cumaru”, detalha Carina. Mas mesmo empregando as madeiras mais resistentes, elas precisam de manutenção anual com a renovação do verniz que contribui para sua qualidade.
Outra ação simples, que pode fazer a diferença e garantir que a peça dure ainda mais tempo, é manter os móveis recobertos sempre que não estiverem sendo utilizados, protegendo-os assim do sol e da chuva. “Sempre que chover, é importante secar bem as peças para evitar que a madeira empene ou deforme”, diz a especialista.
5. Excesso de peso
Cada móvel é projetado para atender a uma necessidade específica, sendo assim, apresentam limitações de peso e de suporte. Segundo Carina, a distribuição incorreta dos objetos armazenados pode estragar o material, impactando negativamente na sua durabilidade. “Uma estante de madeira lotada de livros e objetos, por exemplo, sofre com o excesso de carga e poderá envergar com o passar do tempo. O ideal é seguir as recomendações especificadas pelo fabricante do móvel”, finaliza a arquiteta.

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui