― Advertisement ―

spot_img
HomeComercialFundação BB realiza oficina participativa para criar diretrizes de edital para mulheres...

Fundação BB realiza oficina participativa para criar diretrizes de edital para mulheres negras

Divulgação Fundação Banco do Brasil

Debates técnicos e palestras reuniram subsídios que agregam representatividade aos temas e critérios do edital

A Fundação Banco do Brasil realizou, nos dias 10 e 11 de outubro, em Brasília, a Oficina de Consulta Participativa para Elaboração de Edital para Empoderamento Socioeconômico das Mulheres Negras, que recebeu representantes da sociedade civil, de movimentos sociais, grupos e coletivos para a realização de debates técnicos e palestras que irão subsidiar a elaboração de um edital de chamamento público de projetos sociais voltados ao fortalecimento de organizações socioprodutivas de mulheres negras.

A criação do edital é uma proposta da Fundação BB em consonância com o Protocolo de Intenções assinado entre o Banco do Brasil e o Governo Federal, por meio do Ministério da Igualdade Racial, em julho deste ano, que prevê a troca de experiências e o apoio mútuo para fixar diretrizes e ampliar ações afirmativas de raça e gênero, promovendo o respeito à diversidade.

A oficina de escuta teve como meta a coleta de insumos para o desenvolvimento estratégico dos temas e eixos do edital de forma participativa e representativa, e contou com representantes do Ministério da Igualdade Racial (MIR), Ministério de Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar (MDA), Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), Ministério do Trabalho, Emprego e Renda, Ministério das Mulheres, Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania, Ministério do Meio Ambiente e Mudança Climática e funcionárias do Banco do Brasil, indicadas pelo grupo de diversidade da instituição.

“A criação do Edital de Empoderamento Socioeconômico das Mulheres Negras é uma ação promovida pela Fundação BB em apoio à diversidade e à inclusão racial, voltada a um dos públicos priorizados – as mulheres negras, que são as mais impactadas por processos de exclusão estruturais e pelo contexto da interseccionalidade, um termo que foi muito utilizado pela intelectual e ativista Lélia Gonzalez. O objetivo é dar uma resposta aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU e à Década Internacional de Afrodescendentes, tendo como referência o Marco de Parceria para o Desenvolvimento Sustentável 2017-2021”, explica Kleytton Morais, presidente da Fundação Banco do Brasil.

A realização da oficina de escuta destaca o relevante papel desempenhado pela Fundação BB para o desenvolvimento social por meio do apoio ao público em situação de vulnerabilidade, propiciando oportunidades de serem estabelecidas novas parcerias visando a melhoria das condições de vida das mulheres negras da sociedade brasileira.

Tarciana Medeiros, presidenta do BB, afirma que ações como essa consolidam o protagonismo do BB na atuação sobre a temática da igualdade racial e de gênero como importante agente de promoção do desenvolvimento social do país. De acordo com ela, o compromisso com a diversidade é central na estratégia do Banco do Brasil. “Essa oficina faz parte de mais uma ação concreta a favor da diversidade, fruto de protocolo assinado em julho deste ano. Temos sido uma das empresas brasileiras que mais tem contribuído para o desenvolvimento social e econômico do país. Fico muito feliz e honrada em ter o MIR junto conosco nessa atuação de vanguarda do tratamento à diversidade e no debate público sobre este tema e ações pela inclusão social. Estamos comprometidos com essa pauta”.

Sobre a Fundação Banco do Brasil

Há quase quatro décadas, em 1985, o Banco do Brasil instituiu sua Fundação para contribuir com a transformação social dos brasileiros e com o desenvolvimento sustentável do país. É a principal instituição gestora dos projetos socioambientais apoiados por meio do Investimento Social Privado – ISP do BB e de parceiros. Nos últimos 10 anos, foram investidos R$ 2,6 bilhões em 10 mil iniciativas que impactaram positivamente a vida de 6,6 milhões de pessoas. Os eixos de atuação são: Tecnologia Social (eixo transversal), Educação para o Futuro, Meio ambiente e Renda, Saúde e Bem-estar, Ajuda Humanitária e Voluntariado.